GP às 10: Stroll é diagnosticado com Covid-19: o que a Fórmula 1 esconde?

Lance Stroll revelou que testou positivo para a Covid-19 na semana passada. O canadense, então, esteve doente durante o fim de semana do GP de Eifel. A notícia e os protocolos conduzidos levantam questões sobre a eficácia da bolha da Fórmula 1. E esse é o assunto do GP às 10

A notícia sobre o diagnóstico de Covid-19 de Lance Stroll despertou questionamentos importantes sobre o quão eficiente é a bolha criada pela Fórmula 1, para evitar o contágio dentro do paddock. O piloto canadense revelou que soube do teste positivo para o coronavírus depois da ausência no GP de Eifel, disputado há pouco mais de uma semana.

Stroll já sentia mal desde a viagem de volta da Rússia. Porém, de acordo com o piloto, foi submetido aos exames tradicionais conduzidos pela FIA (Federação Internacional de Automobilismo) e a F1 na terça-feira anterior à corrida na Alemanha. O resultado foi negativo, o que permitiu ao competidor ir a Nürburgring. Só que Lance passou a apresentar sintomas de fadiga e diarreia no sábado e acabou sendo substituído por Nico Hülkenberg. Em nenhum momento desde o início dos sinais, a Racing Point ou a Fórmula 1 realizaram novos testes.

Do Canadá/2007 a Eifel/2020: como Hamilton alcançou Schumacher em número de vitórias

Lance Stroll revelou teste positivo para Covid-19 (Foto: Racing Point)

Segundo a equipe, o piloto foi atendido por um médico, já em isolamento, mas ainda na Alemanha. O profissional não viu razão para um exame, por isso a Racing Point não comunicou a FIA. Stroll, então, voltou para casa, na Suíça, e passou por um teste no domingo à noite. No dia seguinte, soube do diagnóstico. Mas nada disso veio a público até o pronunciamento do próprio canadense nesta quarta-feira (21).

Por isso, as algumas perguntas são inevitáveis: por que a F1 não ficou sabendo? E se ficou, por que não publicou com o seu relatório? Por que a equipe decidiu não informar a FIA sobre a condição de Stroll? Quem conduziu o segundo exame?

O GP às 10 desta noite fala sobre esse caso e como a fragilidade da bolha deve fazer a F1 e a FIA mudarem alguns protocolos.

Do McLaren MP4-22 ao Mercedes W11: os carros vencedores de Hamilton na F1

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube