F1

Hamilton põe Monza como golpe maior na Ferrari e revela segredo da Mercedes: “Ouvir uns aos outros”

Lewis Hamilton estava pessimista a respeito da briga pelo título após a classificação em Monza, mas viu tudo dar certo depois. O britânico recorda que a vitória na Itália abalou o psicológico tanto de Sebastian Vettel quanto da Ferrari
Warm Up, da Cidade do México / VITOR FAZIO, de Berlim / EVELYN GUIMARÃES, do Hermanos Rodríguez
 Lewis Hamilton e Sebastian Vettel (Foto: AFP)
Ao longo do campeonato, principalmente na segunda metade, Lewis Hamilton deu vários golpes na Ferrari. Mas talvez nenhum deles tenha sido mais duro do que o do GP da Itália – na ocasião, o britânico viu Sebastian Vettel errar e rodar e depois derrotou Kimi Räikkönen na base da estratégia. Para Hamilton, foi naquela tarde em Monza que o psicológico tanto de Vettel quanto da Ferrari começou a se perder em uma fase da temporada que passaria a ser amplamente dominada pela Mercedes.
 
“Eu diria que a corrida em Monza foi provavelmente o maior golpe psicológico para eles”, recordou Hamilton após assegurar o quinto título no GP do México, em entrevista acompanhada pelo GRANDE PRÊMIO. “Eles tinham feito a dobradinha no grid. O momento psicológico difícil para Seb [Vettel] também veio por causa do erro que ele cometeu. Quando a equipe falha, é doloroso, mas quando você é quem comete o erro, é uma sensação horrível. E isso o afetou. Nós tivemos aquele duelo em Monza e foi um grande golpe para eles, sem dúvida”, seguiu.
 
O resultado de Monza impediu a Ferrari de encaixar uma sequência de bons resultados. A equipe italiana já havia vencido o GP da Bélgica antes e tinha no GP de Singapura, o próximo do calendário, expectativa de vitória. A Mercedes precisava contra-atacar para virar a maré, justamente o que Hamilton alcançou.
 
“Perdemos a corrida anterior [GP da Bélgica], sabíamos o que estávamos enfrentando em Monza. Achávamos que seria possível bater o desempenho deles em uma volta perfeita na classificação. Ou, talvez, um segundo lugar. Mas não foi o aconteceu. E na verdade, da minha parte, eu fiquei extremamente frustrado. Basicamente, com raiva de mim mesmo. Pensei que tinha feito tudo certo – porque tinha feito nos treinos livres –, mas estreguei tudo na classificação. Menos de um décimo teria feito muita diferente, então, no sábado à noite, foi difícil. Aí comecei a pensar o quão agressivo eu poderia ser no domingo ou teria de ser. É muito difícil avaliar essas coisas, porque você pode se envolver em um acidente ou cair para último. Você nunca sabe o que vai acontecer até estar na posição, e isso é o melhor desse esporte”, comentou Hamilton.
Lewis Hamilton levou o quinto título da F1 no México (Foto: AFP)
A vitória em Monza, mesmo sem um carro absolutamente melhor, foi seguida de uma evolução da Mercedes. Nos GPs de Singapura, Rússia e Japão, a equipe alemã teve vantagem sobre a italiana em termos de desempenho, permitindo que Lewis encaixasse mais três vitórias consecutivas.
 
“Mesmo vencendo na Itália, ainda sabíamos que tínhamos de vencer a Ferrari em Singapura, onde eles nos derrotaram. Nenhum de nós previu o que aconteceu, não poderíamos imaginar que venceríamos em Hockenheim, em Monza ou em Singapura. No geral, então, acho que fizemos um excelente trabalho de equipe. Soubemos administrar todas as situações. Realmente, ouvimos uns aos outros e realmente funcionou”, encerrou.
 
Hamilton assegurou o quinto título mundial ao terminar o GP do México na quarta colocação. A conquista veio com duas corridas de antecedência, ainda restando as etapas do Brasil e de Abu Dhabi pela frente.

E o Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 acontece este ano nos dias 9, 10 e 11 de novembro, no autódromo de Interlagos. Os ingressos para a corrida estão disponíveis no único site oficial do evento: www.gpbrasil.com.br