Leclerc cita falta de atualizações na Sauber e diz que evolução no fim do ano veio por “entender o carro”

A Sauber não atualizou o carro nos últimos meses, revela Charles Leclerc. O melhor desempenho, aos olhos do monegasco, veio por um motivo mais simples: depois de algum tempo, a equipe suíça deu um jeito de fazer o carro render o máximo possível

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }


 
Charles Leclerc foi o protagonista de uma temporada das melhores para a Sauber. A equipe suíça começou 2018 como favorita à lanterna, mas terminou como força emergente do pelotão intermediário, apresentando ritmo de evolução que pegou equipes rivais de surpresa. E olha que não é nem uma questão de atualizar o carro: de acordo com Leclerc, o que mudou foi decifrar o jeito de extrair o máximo de desempenho.
 
“A base do carro desse ano é boa, eu só penso que não conseguimos explorar o potencial ao máximo nas primeiras três corridas”, disse Leclerc. “Quando entendemos o jeito certo de equilibrar o carro, demos esse passo enorme. Mudamos mais algumas coisas durante a temporada que nos colocaram numa situação ainda melhor. O carro é muito impressionante em comparação com o do ano passado e isso fica claro através dos resultados”, continuou.
 
“Já faz algum tempo que paramos de atualizar o carro, mas estamos mantendo a mesma performance enquanto outras equipes tentam forçar um pouco mais. Isso deixa claro que temos um carro forte”, ressaltou.
A Sauber deu um salto de desempenho, e nem foi por causa de atualizações (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)

Tanto Leclerc quanto Marcus Ericsson passaram a pontuar com frequência, tanto que só um dos últimos seis GPs – o do Japão – terminou sem carros da Sauber na zona de pontos. A reação permitiu se distanciar da Williams, passar a Toro Rosso no Mundial de Construtores e até mesmo sonhar com ataque contra a Force India em Abu Dhabi.

 
“Não esperávamos um fim de ano tão bom depois de terminar o desenvolvimento do carro tão cedo. Certamente fica uma impressão boa para o próximo ano, até porque temos um bom tempo para desenvolver o carro”, destacou.
 
A impressão a respeito de 2019 anima, mas não vai ser aproveitada por Leclerc. O monegasco está de saída para a Ferrari, onde substitui Kimi Räikkönen. O finlandês, por sua vez, assume a vaga em Hinwil, completando a dupla com Antonio Giovinazzi.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube