Mazepin é julgado e multado em R$ 2 mil após avançar sinal vermelho na Inglaterra

Nikita Mazepin foi julgado após avançar o sinal vermelho na cidade de Bracknell, na Inglaterra. Piloto russo, que vai representar a Haas, terá de pagar multa no valor de R$ 2.027

Perto de estrear na Fórmula 1, o russo Nikita Mazepin se envolveu em uma nova polêmica. O piloto foi multado pelo tribunal do condado de Oxfordshire, na Inglaterra, por avançar o sinal vermelho.

O incidente aconteceu em junho de 2020 na cidade de Bracknell, na Inglaterra. Na ocasião, o piloto da Haas avançou o sinal 1s7 depois dele ficar vermelho. O tribunal julgou o caso, determinando multa de £ 274 (cerca de R$ 2.027), além de outras taxas. O russo também recebeu três pontos em sua carteira de motorista.

Contratado como um dos pilotos da Haas para a temporada 2021, Mazepin causou a ira de fãs ao protagonizar um caso de abuso sexual em dezembro passado. Em vídeo publicado na sua própria conta do Instagram, ele agarra o seio de uma modelo visivelmente embrigada.

Mazepin se desculpou publicamente e a Haas o manteve na vaga para 2021 (Foto: Divulgação)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Apesar da repercussão negativa do caso e a pressão dos patrocinadores pela ruptura do contrato, a Haas anunciou que manterá o piloto como um de seus titulares, afirmando que o caso foi resolvido internamente e que prestariam apoio para Nikita.

Em 2020, Mazepin foi piloto da Hitech na Fórmula 2 e terminou a temporada na quinta colocação, confirmando os pontos necessários para a superlicença. A postura do russo dentro das pistas também foi alvo de críticas, e ele terminou o campeonato correndo risco de suspensão, já que tinha somado 11 pontos de punições.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube