F1

“Muito generoso e especial”: Fã e autor de conta fake se emociona em carta de adeus a Whiting

Fã do diretor de provas da F1, morto nesta quinta-feira (14) na Austrália, Mark McArdle tinha uma conta no Twitter intitulada ‘Fake Charlie Whiting’, que o canadense utilizava para divertir os amantes da F1 e também para homenagear o dirigente. Logo que soube da morte de Whiting, McArdle escreveu uma carta emocionada para se despedir do seu grande inspirador

Grande Prêmio / FERNANDO SILVA, de Sumaré
A morte de Charlie Whiting

Obituário: Charlie Whiting, 1952 - 2019
Mundo do automobilismo reage à morte repentina de Whiting
Pilotos da F1 exaltam 'pilar do esporte' e 'cara dos pilotos' Whiting



Se você tem uma conta no Twitter e é fã da F1, já deve ter se deparado e dado risada em algum momento com um tweet da conta ‘Fake Charlie Whiting’. Criada por um grande fã do diretor de corridas da F1, o canadense Mark McArdle, de 50 anos, a página conta com um expressivo número de 56,5 mil seguidores na rede social. Mas nesta quinta-feira (14), o tom bem-humorado empregado por McArdle nas suas publicações deu lugar ao enorme pesar e a tristeza para descrever sua emoção com a perda do seu grande inspirador.
 
Charlie Whiting, o verdadeiro, morreu nesta manhã de quinta-feira (14) — ainda noite de quarta-feira no horário brasileiro —, em Melbourne, vítima de embolia pulmonar. Por conta da diferença de fuso horário entre a Austrália e o Canadá, McArdle, o Fake Charlie Whiting, levou algum tempo para se pronunciar. Quando o fez, foi por meio de uma carta na qual homenageia o diretor de provas, que desempenhava sua função no Mundial da F1 desde 1997.
 
Whiting e McArdle se conheceram pessoalmente no GP do Canadá de 2012, em Montreal. Desde então, jamais perderam contato, sendo que a maior parte da relação entre os dois era em conversas por e-mail. A última delas aconteceu no dia que antecedeu a morte de Charlie, pouco antes do embarque para Melbourne, como conta Mark.
Mark McArdle, Charlie Whiting e o boné autografado (Foto: Fake Charlie Whiting/Twitter)
“Faz duas horas desde que soube da morte de Charlie. Passei muito tempo no meu escritório lendo belas homenagens sobre este homem incrível. Percebi algo que me chamou a atenção. Era um boné Fake Charlie Whiting que criei e que havia sido autografado por muitos pilotos. Mas verdade seja dita, a assinatura mais importante no boné foi do diretor de corridas de longa data da F1. Lágrimas”, escreveu.
 
“Recebi um e-mail de Charlie ontem, quando ele estava esperando para embarcar para a Austrália. Ele compartilhou algumas notícias sobre as férias com sua família e sua empolgação com a temporada, e com a série na Netflix. Cada vez que recebia algum e-mail de Charlie era uma emoção. Valorizo demais esses e-mails. Ele era muito generoso. Lembro que, há alguns anos, perguntei a ele sobre o esclarecimento de uma regra. Mandei [um e-mail] 15 minutos antes da classificação no Bahrein. Para minha surpresa, ele respondeu em seguida. Esse era Charlie. Generoso”, exaltou McArdle.
 
Mark lembra que a maior parte do contato que tinha com Whiting era quando a F1 visitava o Canadá para a tradicional etapa, costumeiramente realizada em junho no Circuito Gilles Villeneuve. Fã da F1 e do automobilismo como um todo, McArdle se destacou pelo humor inteligente e pela idolatria por Charlie, muito mais do que qualquer outro piloto do grid.
 
“Pode parecer estranho para alguns ser tão afetado pela morte de um homem que só via uma ou duas vezes por ano e com quem tive um relacionamento baseado principalmente em e-mails. Mas Charlie não era um homem convencional. Ele era especial. Esta é, provavelmente, a principal razão pela qual criei minha conta Fake Charlie Whiting no Twitter”, disse.
 
“Charlie era enigmático, quase misterioso. Fãs hardcore sabiam quem ele era, mas você nunca ouvia nada sobre ele. Ele foi a pessoa perfeita para representar. Mas como eu o conheci, fiquei encantado em saber que ele é rápido com um sorriso e uma risada, e claramente adora o esporte que ele é o líder, muito mais do que qualquer outro fã. Vou guardar com carinho as conversas que tive com Charlie durante os fins de semana da corrida, quando ele generosamente me convidava para entrar. Ir ao circuito com Charlie e Herbie [Blash] vai ser algo de que sempre vou me recordar e sorrir. Eles eram uma ótima dupla”, acrescentou o fã, emocionado.
 
“Nós perdemos um gigante do esporte a motor. Aos 66 anos, ele tinha muitos anos pela frente. Sua família perdeu um grande pai e marido. Meu coração está com todos eles. Abrace seus entes queridos. Frequentemente. Seja rápido para sorrir. Seja generoso com seu tempo e tenha paciência. Estas são as coisas que Charlie demonstrou a cada passo que ele deu no paddock”, complementou.
 
Por fim, McArdle disse que, com a morte de Whiting, tende a encerrar a conta fake em homenagem ao diretor de provas da F1 no Twitter.
 
“Como ‘Fake Charlie Whiting’, disse há muitos anos que, quando Charlie Whiting se for, Fake Charlie se vai. Sempre pensei sobre isso em termos de aposentadoria de Charlie. Nunca considerei este cenário. Ainda parece impensável”, escreveu Mark.
 
“Não parece certo continuar a usar o bom nome de Charlie sem que ele esteja por perto para curtir isso. O último tuíte de Charlie é uma foto de Charlie e eu na primeira vez que o conheci em Montreal. E eu vou deixar você em um segredo: enquanto Charlie não estava no Twitter, ele era meu público principal. Charlie me contou como ele gostava quando as pessoas vinham até ele mencionando um tweet engraçado de Fake Charlie Whiting. Se eu ajudei o mundo a conhecer e espero que aprecie esse homem incrível, então vou levar isso como missão cumprida”, encerrou.
 
O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades do fim de semana do GP da Austrália, etapa de abertura da temporada 2019 do Mundial de F1. Acompanhe tudo aqui.