Vettel evita comparar inícios na Red Bull e Aston Martin: “É completamente diferente”

Depois de seis temporadas defendendo a Ferrari, Sebastian Vettel volta a uma casa britânica, desta vez a Aston Martin, sediada em Silverstone, cerca de 30 minutos de carro de Milton Keynes, onde fica a sede da Red Bull, onde o alemão brilhou e conquistou quatro títulos mundiais. Mas o alemão de 33 anos entende que não há um paralelo entre os dois momentos da sua carreira

Sebastian Vettel vive, neste 2021, um novo momento em sua carreira na Fórmula 1. Depois de defender a Ferrari nas seis últimas temporadas, de 2015 a 2020, o tetracampeão mundial deixou a escuderia de Maranello e vai voltar a correr por uma equipe com base na Inglaterra. Entre 2009 e 2014, o alemão, hoje com 33 anos, correu pela Red Bull, com base em Milton Keynes, cerca de 30 minutos de carro de Silverstone, onde está sediada a Aston Martin. O piloto entende que não há como comparar nem as equipes e tampouco os momentos das chegadas às duas casas porque aconteceram em momentos bastante distintos da sua trajetória no Mundial.

Em 2009, Vettel chegou à Red Bull ainda bastante novo, com pouco mais de 21 anos, e sendo considerado um piloto de futuro muito promissor depois de brilhar em sua passagem pela Toro Rosso e vencer o GP da Itália de 2008. Na equipe matriz dos energéticos, Seb escreveu seu nome na história da F1, conquistou quatro títulos consecutivos do Mundial de Pilotos, entre 2010 e 2013, e ajudou a escuderia a também vencer quatro títulos do Mundial de Construtores no começo da década.

SEBASTIAN VETTEL; ASTON MARTIN; F1; FÓRMULA 1; F1 2021
Sebastian Vettel volta a defender uma equipe com base na Inglaterra depois de sete anos (Foto: Aston Martin)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Consagrado, Vettel foi contratado pela Ferrari a peso de ouro para substituir Fernando Alonso. Escolhido para ser o homem capaz de reconduzir a casa de Maranello ao topo da Fórmula 1, o alemão conseguiu resultados importantes, foi vice-campeão mundial em 2017 e 2018, mas sucumbiu ao período de hegemonia da Mercedes.

Mesmo tendo 14 vitórias, o alemão saiu sem corresponder com as expectativas da época em que foi contratado e ainda teve de amargar um período de dois anos de calvário, que coincidiu também com a chegada de Charles Leclerc, em 2018.

Dispensado da Ferrari por telefone, o tetracampeão encontrou na Aston Martin a chance de renascer na Fórmula 1. De volta a uma casa britânica sete anos depois, Vettel entende, contudo, que não há como comparar momentos tão distintos como os da sua chegada à Red Bull e, agora, àquela que vai defender a partir de 2021.

“No papel, certamente há algumas coisas que parecem semelhantes, mas acho que a situação é diferente. Principalmente porque eu estou num momento diferente hoje”, explicou o dono de 53 vitórias em entrevista ao site alemão F1 Insider.

“Estou num estágio melhor, com muito mais experiência, com uma visão mais clara. É por isso que você não pode comparar muito os dois pontos de partida. Naquela época, não tinha o conhecimento que tenho hoje, então a abordagem é completamente diferente”, disse.

Vettel chega à Aston Martin ciente de que vai conhecer muitos profissionais, mas também sabe que vai vivenciar uma nova forma de trabalhar na Fórmula 1. “Todo mundo é diferente, mas, ainda assim, todo mundo provavelmente gosta de um ambiente onde um defende o outro e um trabalhe pelo outro. Até agora, está claro que há muitos rostos novos para mim na Aston Martin, mas estou confiante de que vai dar certo”, disse um Vettel confiante e pronto para as novidades que estão por vir.

“Você tem sempre de estar aberto a coisas novas. Vou conhecer muitas pessoas novas, novas maneiras de trabalhar, novas abordagens, e não seria aconselhável acreditar que somente a minha maneira é a correta”, concluiu.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube