F1

Sirotkin rechaça desrespeito, mas inocenta Hamilton em quase batida que “não foi grande coisa”

Sergey Sirotkin manteve a serenidade para tratar do momento em que teve que se desviar às pressas da Mercedes de Lewis Hamilton para não se chocar contra o pentacampeão mundial. De acordo com o russo, coisa normal, de corrida, mas não desrespeitosa, como Hamilton esbravejou
Warm Up, de São Paulo / PEDRO HENRIQUE MARUM, de Interlagos
 Sergey Sirotkin (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)

Um dos momentos de maior estresse do treino de classificação para o GP do Brasil, realizado neste sábado (10), foi quando Sergey Sirotkin desviou às pressas de Lewis Hamilton durante o Q2 e acabou passando pela terra. Erro de Hamilton, que estava se preparando para uma volta rápida? Sirotkin não mostrou muito incômodo.
 
Na realidade, segundo o piloto russo, o que aconteceu foi algo ocasional. Hamilton, ele destaca, até deu abertura para que ele passasse, mas em cima da hora. De qualquer forma, a volta de Sirotkin não o colocaria acima do 15º posto em que terminou - e vai largar em 14º visto que Esteban Ocon foi punido.
 
"Não estou chateado com ele. Aquela volta de saída foi tão rápida quanto qualquer outra, eu estava a toda. Estava contornando a curva à esquerda, e ele estava começando a preparar a volta dele. Eu saí para a esquerda sem esperar que ele me deixasse passar, porque ele estava bem lento. No último minuto, viu que eu estava ali e tentou evitar o contato. Deu uma linha, mas eu já estava na esquerda, então tive que passar pela grama e basicamente minha volta foi arruinada", explicou.
 
"É bem normal. Da perspectiva das regras, provavelmente foi forte, mas olhando o lado humano é uma coisa totalmente normal. No último momento ele percebeu que eu estava vindo e tentou me dar espaço. Não quero aumentar algo que não foi grande coisa", minimizou.
A quase batida de Sirotkin e Lewis Hamilton (Foto: Reprodução/Twitter)
"Ele é um campeão, sabe o que está fazendo e não mudou minha posição no fim das contas", aplacou.
 
Na sequência, avisado que Hamilton avaliou a situação como "desrespeitosa" por parte do novato russo, negou que fosse esse o caso.
 
"Eu discordo. Se você olhar no que geralmente acontece na pista, poucos prestam tanto respeito quanto eu, especialmente pelos primeiros colocados. Discordo completamente, não tem muita gente aqui que respeite-o tanto quanto eu. Era apenas uma situação em que eu tinha que forçar até o final para tirar o máximo que podia para tentar conseguir algum décimo, mesmo que eu não fosse conseguir entrar no top-10. Não era uma solução diminuir a velocidade e perder 1/4 de volta", pontuou.
 
"Eu tinha que pegar velocidade, acertar o carro e começar a minha volta, mas ele era mais rápido na reta e obviamente me ultrapassou", reforçou. Comprometeu [a volta], porque eu estava atrás dele e era minha única volta", destacou.
 
A felicidade de Sirotkin foi mesmo quando o assunto se voltou para o Q1 e a forma como ele andou bem, avançando de fase enquanto Lance Stroll amargava o 19º lugar.
 
"Estou muito feliz com o Q1. Stroll já encontrou condições assim, ar fresco, pneus novos, sem sol ou umidade, o carro cresce. Hoje foi um dos melhores carros de classificação que eu já tive. Minha volta no Q1 foi realmente boa e passamos para o Q2, mas tínhamos uma chance a menos que os outros [por conta de um jogo a menos de pneus supermacios]. Eu comecei ainda mais rápido na última volta, mas tinha que poupar os pneus para o Q2", seguiu.
 
Questionado sobre o que os comissários haviam achado do incidente com Hamilton, uma vez que o russo fora chamado na torre após o treino, explicou que havia sido por essa situação. Em vez disso, a causa foi andar lento demais na volta de ida para os boxes no Q1. Segundo ele, havia uma discrepância nas medições da FIA e da Williams.
 
"Fui lá por causa das minhas voltas de entrada [no Q1]. Tinha uma diferença entre nossa medição de delta, então fomos lá para ver o que tinha de errado", contou.
 
O resultado foi uma advertência.

Lance Stroll ainda muito menos e foi mal. Larga em 18º. "Foi uma classificação ruim e com um pouco de tudo: erros, chuva e uma volta ruim", falou no comunicado da Williams. Ao GP, afirmou que evoluiu neste segundo ano em Indinápolis. "Toda pista em que você anda, você melhora. Voltar aqui para um segundo ano ajuda muito, não que seja mais fácil. Esse é o caso para Interlagos."

GRANDE PRÊMIO cobre ‘in loco’ o GP do Brasil de F1 com os repórteres Evelyn Guimarães, Felipe Noronha, Fernando Silva, Gabriel Curty, Juliana Tesser, Nathalia De Vivo e Pedro Henrique Marum, e o fotógrafo Rodrigo Berton. Acompanhe tudo aqui.