F1

Vettel diz que F1 erra ao impor regra para tudo e dá solução: simplicidade e liberdade

Sebastian Vettel ainda não engoliu a punição do GP do Canadá e o revés sofrido, na semana passada, quando a Ferrari tentou recorrer. O alemão continuou suas críticas contra o regulamento e acha que a F1 erra ao tenta escrever regras para todas as circunstâncias de pista

GRANDE PRÊMIO / Redação GP, de Curitiba
Sebastian Vettel seguiu com suas críticas ao regulamento da Fórmula 1, afirmando que o esporte tomou uma decisão errada ao criar regras para todas as circunstâncias do que acontece em pista. O alemão ainda repercute a controversa punição que tomou no GP do Canadá e que acabou lhe tirando a vitória. 
 
Durante a corrida em Montreal, Vettel vinha liderando e sendo pressionado por Lewis Hamilton, quando errou na entrada da curva 3 na volta de número 48 e cortou pela grama, voltando ao traçado na sequência e espremendo o rival. Os carros da Ferrari e da Mercedes não se tocaram, mas os comissários entenderam que o alemão conduziu de maneira perigosa no retorno ao asfalto e decidiram por uma sanção de 5s. Líder da prova, Seb acabou tendo de entregar a vitória a Hamilton.
 
O time de Maranello considerou a punição injusta e decidiu pedir a revisão, alegando ter novas evidências sobre o episódio. A Ferrari apresentou sete itens em sua defesa, mas a FIA entendeu que não havia nenhuma circunstância realmente nova, para reabrir o caso
Sebastian Vettel (Foto: Ferrari)
Após a decisão da entidade, Vettel chegou a dizer que a F1 deveria "queimar o regulamento e começar de novo". Agora, o tetracampeão entende que os esforços para impor uma disciplina de pilotagem foram longe demais. "O problema é que agora temos tantas regras que estão tentando, basicamente, colocar no papel o que não se pode escrever. É uma bagunça só", afirmou o ferrarista no Red Bull Ring, na Áustria, onde a F1 está para a nona etapa da temporada.
 
"Acho que nenhum lugar é igual. Não consigo pensar em um outro esporte em que as situações caso a caso sejam exatamente as mesmas. É sempre um pouco diferente. Particularmente em nosso esporte, acho difícil colocar todos os resultados e situações possíveis por escrito e, portanto, estabelecer uma regra para isso. Então, simplifique e dê liberdade para competir, acho que é isso que eu faria", completou.
 
Depois do revés sofrido em Montreal, Sebastian afirmou que a F1 "não é mais o esporte pelo qual se apaixonou quando criança". E apesar das críticas, a declaração não deve ser tomada como um sinal de que está pensando na aposentadoria. Muito pelo contrário. "Você cria uma admiração pelos pilotos e pelo que fizeram em seus carros, com a velocidade que andaram. Acho que, quando criança, você é mais puro, não está pensando em regras. Nunca me interessei se o carro estava acima do peso ou abaixo, se era legal ou não. Não me importava com isso quando era criança, apenas gostava de ver as corridas."
 
"Estou aqui por adoro correr. Acho que os carros são muito divertidos de pilotar, são muito rápidos, os mais velozes que já vimos. Existem coisas que podemos fazer melhor? Acho que sim. É para mim? Infelizmente, não. Mas como disse antes, vamos ver o que o futuro nos reserva. Estou aqui agora e vou estar no próximo ano", finalizou.

A nona etapa da temporada 2019 do Mundial de F1 acontece em uma semana com o GP da Áustria, no circuito do Red Bull Ring. O GRANDE PRÊMIO acompanha tudo AO VIVO e em TEMPO REAL.


 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.