Fórmula E altera layout de Londres após incidentes e planeja alargar pista em 2023

Trecho de curvas fechadas do eP de Londres — penúltima etapa de 2022 — passa por alterações para evitar incidentes como os da última temporada, com batidas e punições

FÓRMULA 1 AO VIVO 2022: TUDO SOBRE O GP DO BAHREIN DE F1 | Briefing

O circuito situado na Excel Arena, na Inglaterra — que sedia o eP de Londres, penúltima etapa da temporada 2021/22 da Fórmula E — vai passar por mudanças. Algumas delas visando já a disputa do atual campeonato, mas o plano principal é aumentar a pista para o ano de 2023. Isto porque a partir do ano que vem, os novos carros Gen3 prometem diminuir ainda mais os tempos de volta, e as estreitas curvas do circuito podem não ser suficientes.

Uma parte específica do traçado, situada no segundo setor da pista e em formato de E, recebeu muitas críticas após a última corrida pelos múltiplos incidentes registrados no local e as punições distribuídas pelos vários momentos de contato entre os pilotos. Com duas curvas extremamente fechadas, são esperadas mudanças já para a etapa deste ano com a intenção de adicionar fluidez à disputa.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Trecho de curvas estreitas do segundo setor deve passar por mudanças (Foto: FIA Fórmula E)

No entanto, para o ano de 2023, mais mudanças são esperadas. Com a introdução dos carros Gen3 na próxima temporada — mais modernos e potentes —, as já conhecidas estreitas características do traçado vão passar por alterações — que incluem alargar a pista e retirar algumas das curvas mais fechadas. Não está claro, no entanto, quais destas mudanças já estarão presentes na corrida deste ano.

Outro motivo para que algumas alterações sejam feitas no traçado foi a reclamação constante dos pilotos do grid sobre a dificuldade de gerenciar a energia devido às características do circuito. Alexander Sims, da Mahindra, foi um dos competidores a pedirem por mudanças no local.

“Se livrar dos dois ‘cotovelos’ extremamente fechados provavelmente seria o primeiro passo, na minha opinião”, disse ao portal The Race. “Porque é fisicamente impossível de passar por eles sem fritar [os pneus]. Se você for por dentro, não consegue virar o suficiente. Se for por fora, não tem aderência e fica sem escolha sem ser atingir a parede”, lamentou.

Alto número de incidentes foi motivo de reclamação após a última corrida (Foto: FIA Fórmula E)
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar