Grosjean se arrepende de desatenção ao baixo número de ovais e põe Indy “no cardápio”

Sem vaga na Fórmula 1 para o próximo ano, o piloto da Haas admitiu a possibilidade de migrar para a categoria norte-americana, especialmente pela possibilidade de ser mais competitivo e do número reduzido de ovais na programação

Romain Grosjean admitiu que vê na Indy uma opção para o futuro. Hoje titular da Haas, o suíço não teve o contrato renovado e ainda negocia alternativas para seguir ativo na temporada 2021.

Oficialmente, a saída de Grosjean da Haas foi anunciada durante o fim de semana do GP de Eifel, mas não chegou como surpresa. Ainda assim, Romain entende que não é um bom momento para estar a pé, especialmente por conta dos impactos da pandemia do novo coronavírus.

Romain Grosjean demorou para se atentar ao calendário da Indy (Foto: AFP)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

“Sendo brutalmente honesto, não dormi muito bem nas últimas duas semanas”, disse Grosjean. “É um ano difícil para o mundo, para a economia, não é um bom ano para estar sem contrato e fora do esporte em que você está”, ponderou.

Sem alternativas na Fórmula 1, as opções de Grosjean passaram por Fórmula E e Indy. Na série elétrica, são poucas as vagas disponíveis, com lugares vagos em NIO e Dragon. A série norte-americana, por outro lado, fica mais atrativa para o piloto da Haas por causa do calendário do próximo ano, que terá apenas quatro corridas em ovais, três em superspeedways.

“Tenho olhado para Indy e tive alguns bons contatos”, contou Romain. “Meio que me arrependo de não ter olhado o calendário antes. São só três circuitos e uma pista curta em termos de ovais. Mas, dito isto, ainda não acabou”, seguiu.

Grosjean contou, também, que conversou com Marcus Ericsson sobre a Indy, já que o ex-Sauber fez a transição da Fórmula 1 para a categoria.

“É algo que eu consideraria. Obviamente, é uma grande mudança de vida e tudo mais”, reconheceu. “Falei com Marcus Ericsson quando ele foi para lá e ele realmente gostou. É um tipo diferente de regra, mas os pilotos têm um papel importante, mais coisas para brincar no carro, divertido. Têm equipes que são melhores do que as outras, mas todo mundo tem chance de vencer corrida”, considerou.

“Quero vencer corridas onde tiver a chance e vencer onde posso me divertir. Então a Indy está no cardápio”, completou.

Ouça os programas do GRANDE PRÊMIO no formato de podcast:
Anchor | Apple | Spotify | Google | Pocket Cast | Radio Public | Breaker

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube