Indy

Pagenaud supera Carpenter no Fast Nine e conquista primeira pole da carreira nas 500 Milhas de Indianápolis

Simon Pagenaud recolocou a Penske na pole das 500 Milhas de Indianápolis. Voando no Fast Nine, o francês bateu o trio da Carpenter e garantiu a posição de honra pela primeira vez na carreira na maior prova do automobilismo mundial

Grande Prêmio / GABRIEL CURTY, de São Paulo
Simon Pagenaud vive um momento mágico em Indianápolis. Após vencer a etapa chuvosa no misto, o francês superou o trio da Carpenter e, neste domingo (19), levou a melhor no Fast Nine e garantiu a pole para a Penske na Indy 500.

É a primeira vez de Simon na posição de honra da principal prova do calendário da Indy. Em fase de recuperação no ano, Pagenaud também vem em evolução em posições de largada na Indy 500, tendo saído de segundo em 2018.

Todo mundo da Carpenter apareceu logo depois de Pagenaud, inclusive Ed Jones, com a parceria com a Scuderia Corsa. Mesmo em posição ruim de saída, Ed Carpenter beliscou um excelente segundo lugar, superando Spencer Pigot, último a tentar suas voltas rápidas e terceiro colocado. Jones sai em quarto, completando um 1-2-3-4 todo da Chevrolet.

Colton Herta teve mais um desempenho muito bom em sua primeira temporada na Indy. O americano foi, de longe, o melhor piloto da Honda e, ainda por cima, conseguiu superar as Penske de Will Power e Josef Newgarden, que vão largar de sexto e oitavo, respectivamente. Herta sai em um belíssimo quinto posto.

Sébastien Bourdais ficou com a sétima marca, um resultado bem digno para uma Dale Coyne que não sabia bem a força que tinha. Alexander Rossi não se encontrou e deixou a Andretti em nono.

O Fast Nine foi a conclusão de um conturbado dia atrapalhado pela chuva que também teve o Bump Day e a eliminação de Fernando Alonso.
Simon Pagenaud larga na pole da Indy 500 (Foto: IndyCar)
Saiba como foi a definição da pole para as 500 Milhas de Indianápolis
 
Sem nenhuma pausa depois da eliminação de Fernando Alonso no Bump Day, na correria para fugir da chuva, a Indy iniciou a decisão da pole no Fast Nine. O primeiro a ir para a pista foi Sébastien Bourdais, que já falava antes da sessão que estava fora da briga pela pole. O francês nem foi mal, somou 2min37s466, mas aquilo não era tempo nem para segunda fila, em condições normais.
 
Aí veio Alexander Rossi, a resistência da Andretti no Fast Nine. O americano até começou bem, mas a Honda realmente não estava grandes coisas. Foi despencando nas voltas seguintes e o resultado foi o óbvio: atrás de Bourdais e como um pé e meio na nona colocação do grid.
 
O primeiro real favorito à pole a sair para a pista foi Ed Carpenter, que defendia a posição de honra de 2018. Para variar, o americano foi extremamente veloz, teve uma velocidade média de 229.889 mph, mas ainda não parecia o suficiente para bater os demais. Possivelmente, a posição de saída, com pouca borracha na pista, prejudicaria Carpenter.
Ed Carpenter teve mais uma grande performance em classificações na Indy 500 (Foto: IndyCar)
O quarto a ir para o traçado foi Ed Jones, também um bom candidato por estar na Carpenter com a Scuderia Corsa. O desempenho do #63 foi incomparável aos de Bourdais e Rossi, mas abaixo do que fez o xará e seu chefe de equipe. Jones acabou tomando quase 0s2 de Carpenter.
 
Colton Herta veio depois e basicamente o momento era de definição de quem seria o melhor da Honda, já que a Chevrolet parecia mesmo inalcançável. E o garoto fez um belíssimo trabalho, botou mais de 0s3 em Bourdais e, assim, praticamente firmou a sétima posição no grid se nada de errado rolasse com as Penske e Pigot.
 
Surpreendente - e preocupante - mesmo foi o desempenho de Josef Newgarden. O americano não passou nem perto das Carpenter e acabou se metendo no meio da briga da Honda. Mesmo melhorando na quarta volta, o líder do campeonato só bateu Rossi.
 
Por outro lado, o segundo carro da Penske deu um show. Simon Pagenaud fez uma segunda metade de tentativa espetacular e, assim, bateu Carpenter. A pole provisória estava com o francês com 2min36s527.

O penúltimo a tentar a sorte foi Will Power e o desempenho foi muito mais próximo do de Newgarden que o de Pagenaud. O australiano lutou bastante, mas foi só se mantendo acima dos três últimos. De forma impressionante, Herta aparecia na frente de dois carros da Chevrolet.

Faltava, então, Spencer Pigot, que havia superado Power no detalhe no primeiro dia. O americano foi bem, mas não excelente. Foi regular, mas não tanto quanto Pagenaud. No fim, ainda ficou atrás de um impressionante Carpenter, mesmo com, teoricamente, o mesmo carro do chefe e condições melhores de pista.

Indy 2019, Indy 500, Grid de Largada:

1 S PAGENAUD Penske Chevrolet 2:36.527  
2 E CARPENTER Carpenter Chevrolet 2:36.597 +0.070
3 S PIGOT Carpenter Chevrolet 2:36.640 +0.113
4 E JONES Scuderia Corsa Chevrolet 2:36.763 +0.236
5 C HERTA Harding Honda 2:37.147 +0.620
6 W POWER Penske Chevrolet 2:37.449 +0.922
7 S BOURDAIS Dale Coyne Honda 2:37.466 +0.939
8 J NEWGARDEN Penske Chevrolet 2:37.621 +1.094
9 A ROSSI Andretti Honda 2:37.724 +1.197
10 M ANDRETTI Andretti Honda 2:37.373 +0.846
11 C DALY Andretti Honda 2:37.469 +0.942
12 H CASTRONEVES Penske Chevrolet 2:37.534 +1.007
13 M ERICSSON SPM Honda 2:37.542 +1.015
14 T SATO RLL Honda 2:37.687 +1.160
15 J DAVISON Dale Coyne Honda 2:37.706 +1.179
16 T KANAAN Foyt Chevrolet 2:37.812 +1.285
17 G RAHAL RLL Honda 2:37.823 +1.296
18 S DIXON Ganassi Honda 2:37.826 +1.299
19 O SERVIÀ SPM Honda 2:37.901 +1.374
20 C KIMBALL Carlin Chevrolet 2:37.954 +1.427
21 J HILDEBRAND DRR Chevrolet 2:37.958 +1.431
22 R HUNTER-REAY Andretti Honda 2:37.980 +1.453
23 S FERRUCCI Dale Coyne Honda 2:38.082 +1.555
24 M LEIST Foyt Chevrolet 2:38.091 +1.564
25 J HARVEY Meyer Shank Honda 2:38.106 +1.579
26 J KING RLL Honda 2:38.240 +1.713
27 B HANLEY DragonSpeed Chevrolet 2:38.254 +1.727
28 Z VEACH Andretti Honda 2:38.352 +1.825
29 F ROSENQVIST Ganassi Honda 2:38.383 +1.856
30 P MANN Clauson-Marshall Chevrolet 2:38.420 +1.893
31 S KARAM DRR Chevrolet 2:38.075 +1.548
32 J HINCHCLIFFE SPM Honda 2:38.212 +1.685
33 K KAISER Juncos Chevrolet 2:38.331 +1.804
 
 

 

 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.