O’Ward supera Newgarden e vence primeira na Indy no GP do Texas 2. Dixon é 4º

A primeira vitória de Pato O'Ward na Indy finalmente saiu no GP do Texas 2. O mexicano ultrapassou Josef Newgarden na parte final da corrida e quebrou um jejum de quase 17 anos sem triunfos mexicanos na Indy. Scott Dixon foi quarto, Tony Kanaan ficou em 15º e Pietro Fittipaldi bateu na largada

Pato O’Ward está finalmente no rol de vencedores da história da Indy. Após bater muito na trave, neste domingo (2), o mexicano conseguiu o primeiro triunfo na categoria com direito a uma ótima ultrapassagem em cima de Josef Newgarden já na reta final do GP do Texas.

O’Ward, além de garantir a primeira vitória na Indy, quebrou um jejum mexicano na categoria que durava quase 17 anos, além de tirar a McLaren de uma fila de quase 42. Agora, se Zak Brown cumprir a promessa, Pato está garantido no teste de pós-temporada da Fórmula 1, em Abu Dhabi.

Newgarden chegou em segundo e, apesar do sabor amargo de ter perdido a vitória, somou bons pontos para o campeonato e completou um 1-2 da Chevrolet após três corridas vencidas pela Honda. O pódio ainda teve um inspiradíssimo Graham Rahal, que também cresce na temporada.

Scott Dixon foi o quarto após liderar a maior parte da prova. Colton Herta chegou em quinto, seguido por Simon Pagenaud, Álex Palou, Scott McLaughlin, Rinus VeeKay e Ryan Hunter-Reay. Tony Kanaan foi 15º após perder três voltas em um acidente na largada. Pietro Fittipaldi, pelo mesmo lance, abandonou logo na bandeira verde.

Depois da maratona inicial, a Indy ganha um fim de semana de descanso antes da correria tradicional de maio, que começa com o GP de Indianápolis 1, no próximo dia 15.

Pato O’Ward venceu o GP do Texas 2 (Foto: IndyCar)

Confira como foi o GP do Texas 2

A largada da segunda corrida do Texas estava pronta para acontecer às 18h10 (em Brasília), mas um big-one gigantesco colocou tudo a perder antes mesmo de boa parte do pelotão acelerar. A cena foi assustadora, com Conor Daly voando e caindo capotado.

Minutos depois, na repetição, tudo foi explicado: Scott Dixon foi bem lento lá na frente e, lá atrás, Pietro Fittipaldi tocou a traseira de Sébastien Bourdais antes da largada, com o francês rodando e dando no meio de Alexander Rossi. Tudo depois foi o chamado efeito dominó, com Ed Jones, Tony Kanaan, Daly e Dalton Kellett também se acertando na confusão.

A cena de Daly foi a mais preocupante de todas, mas o americano saiu bem do carro, sem arranhões. No entanto, perda total para todos os envolvidos menos Kanaan, que conseguia levar sua Ganassi aos boxes, ainda que danificada.

Do 14º lugar para trás, quase todo mundo se envolveu na batida. Apenas Felix Rosenqvist, James Hinchcliffe, Ryan Hunter-Reay e Ed Carpenter conseguiram escapar ilesos. Vinha uma amarela que prometia durar bastante tempo.

Teve big-one já na largada do GP do Texas 2, a primeira vitória de O’Ward na Indy (Foto: Reprodução/TV)

Enquanto a intensa limpeza da confusão na pista era feita, os pilotos iam se explicando. No rádio, Will Power e Graham Rahal reclamaram da lentidão de Dixon, puxando a fila. Bourdais se queixou, em entrevista à emissora NBC, do toque dado por Pietro.

Tony já aparecia três voltas atrasado em relação ao restante do pelotão, com a corrida completamente comprometida. Hinch era outro com problema na suspensão traseira e, ainda durante a amarela, o canadense ficava um bom tempo parado nos boxes, também deixando a disputa do momento.

A relargada finalmente acontecia na volta 19, com Dixon escapando bem de Álex Palou e Jack Harvey saindo com muita ação, limpando Power e Pato O’Ward da frente, saltando para terceiro. Josef Newgarden se mantinha na sexta colocação.

Jack Harvey teve grande relargada (Foto: IndyCar)

Hinchcliffe voltava aos boxes e dava todos os sinais de que iria abandonar, enquanto a prova entrava em um marasmo muito parecido com o de sábado, novamente com os pilotos evitando ao máximo a faixa escura e externa do traçado texano.

No meio de mais uma corrida que estava bem sem graça, ao menos uma briga começava a se desenhar bem interessante: O’Ward colocou de lado em Power duas vezes e, em ambas, o australiano fechou a porta de forma dura. Newgarden, logo atrás, só assistia de camarote o duelo.

Outro ponto que chamava a atenção era a total falta de ritmo de Colton Herta, que despencou até o último lugar, na sequência já indo aos boxes, na volta 67. Hunter-Reay e Takuma Sato faziam o mesmo, logo na abertura da janela de paradas.

Os líderes foram para o pit-stop praticamente ao mesmo tempo. O último do pelotão foi Rinus VeeKay, fazendo sua primeira parada na volta 80. No reposicionamento, Dixon tinha 1s3 para Palou, 3s para Harvey e, na sequência, vinham Newgarden, O’Ward, Power, Rahal, Rosenqvist, McLaughlin e Pagenaud.

Takuma Sato não dava mole como retardatário (Foto: IndyCar)

Newgarden se livrava de Harvey e partia para a terceira colocação, começando a sonhar com algo melhor no GP do Texas 2. Outro fator que poderia ajudar o americano era Sato, que já vinha atrapalhando o ritmo de Dixon e Palou como retardatário.

Na volta 115, O’Ward finalmente conseguia uma manobra para cima de Harvey e subia para quarto. Só que logo se viu o motivo da ultrapassagem: o carro da Meyer Shank quebrou, com muita fumaça saindo do freio traseiro direito, o mesmo problema de Herta no sábado. Bandeira amarela na pista.

Todo mundo foi justo para os boxes e o resultado foi uma mudança drástica na ordem do pelotão. Dixon manteve a ponta, mas Palou despencou para sexto. Power e Rahal escalaram para dentro do top-3, seguidos por Newgarden e O’Ward. O top-10 tinha, atrás de Palou: Rosenqvist, Pagenaud, McLaughlin e Herta.

A relargada veio na 127ª volta e as McLaren deram um show. O’Ward saiu voando por fora e passou, em uma tacada só, Newgarden e Rahal, logo colando em cima de Power, conseguindo também superar o australiano na volta 131, em uma demonstração de ousadia pura. Rosenqvist, pouco atrás, passava Palou para ser sexto.

Will Power foi facilmente batido por O’Ward e Rahal (Foto: IndyCar)

Só que, assim como no sábado, Rahal começava a impor um ritmo espetacular na segunda metade da prova. O americano não tomou conhecimento de Power e de O’Ward e tratou de colar com tudo em Dixon. Não demorou nada e, na volta 141, lá estava o americano como novo líder da corrida.

Acontece que o acerto de Graham era muito melhor no meio do pelotão do que na ponta e o americano durou pouco na liderança, com Dixon reassumindo a frente na volta 152. Ali, com pouco menos de 100 voltas para o fim, Dixon, Rahal, O’Ward, Power e Newgarden ocupavam um top-5 com todos no mesmo segundo.

Carpenter, tão apagadinho no sábado, resolvia começar a aparecer. O americano ia se livrando de todo mundo do fundo do grid e já constava no top-10, apertando o passo para cima de Herta, o nono, que vinha próximo de Palou. Na volta 169, Hunter-Reay abria a nova janela de paradas, possivelmente a última, acompanhado por Sato e Ericsson.

Na volta 186, Dixon e Rahal foram juntos aos boxes, mantendo as posições, mas não por muito tempo. É que o americano voltou para a pista com muito mais ação e deixou o neozelandês rapidinho para trás. Aí veio a surpresa: O’Ward estava na frente dos dois, mas, de novo, outra novidade ali.

Felix Rosenqvist perdeu pneu e causou amarela que mudou a corrida de primeira vitória de O’Ward na Indy (Foto: IndyCar)

É que Rosenqvist aparecia com só três pneus e causava uma amarela nada esperada. A prova virou de cabeça para baixo: Newgarden estava entrando nos boxes e, assim, passou O’Ward, Rahal e Dixon. Só que o americano não assumia a liderança, isso porque Sato, Hunter-Reay e Ericsson, que anteciparam a parada, vinham na frente. Uma loucura.

Hunter-Reay e Ericsson desistiram da ousadia e foram aos boxes, caindo para 13º e 14º, mas Sato seguiu lá, apostando em uma chuva de amarelas mais para frente. A relargada veio com 53 voltas para o fim e Newgarden foi apertando Sato, enquanto Power era arremessado para o traçado escuro e dava no muro de leve, sem qualquer chance de corrigir na tal ‘zona proibida’ que os pilotos batizaram.

A manobra de Newgarden veio com 45 voltas para o fim, com o americano finalmente chegando à liderança. O’Ward pegou carona e virou segundo, com Sato já começando a atrapalhar Rahal e Dixon, atacados por Herta, Pagenaud, Palou, McLaughlin e até VeeKay.

Takuma parava com 37 voltas para o final da corrida e não apenas saía das primeiras posições, mas também virava retardatário. A briga estava entre Newgarden, O’Ward, Rahal e Dixon, com os dois primeiros parecendo os mais fortes da pista.

Graham Rahal fez ótima corrida na primeira vitória de O’Ward na Indy (Foto: IndyCar)

O’Ward, então, começava um ataque fortíssimo em cima de Newgarden. Foram várias voltas mais rápidas que as de Newgarden até conseguir a ultrapassagem, faltando 23 voltas da corrida. O mexicano se aproximava da primeira vitória na Indy.

As voltas finais não tiveram um duelo apertado pelo triunfo, muito pelo contrário. Pato abriu margem para Josef e foi escapando para, pouco depois, todos entrarem em um modo de consumo baixo de combustível.

Assim, com a administração de tudo no equipamento dando o tom das voltas finais, O’Ward conseguiu marchar sem maiores sustos para concretizar a primeira vitória na Indy.

Indy 2021, GP do Texas 2, Fort Worth, Final:

1P O’WARDMcLaren Chevrolet2:06:31.116248 voltas
2J NEWGARDENPenske Chevrolet+1.244 
3G RAHALRLL Honda+5.645 
4S DIXONGanassi Honda+6.039 
5C HERTAAndretti Honda+6.378 
6S PAGENAUDPenske Chevrolet+7.009 
7A PALOUGanassi Honda+8.369 
8S McLAUGHLINPenske Chevrolet+11.893 
9R VEEKAYCarpenter Chevrolet+12.721 
10R HUNTER-REAYAndretti Honda+14.593 
11E CARPENTERCarpenter Chevrolet+15.318 
12M ERICSSONGanassi Honda+16.074 
13W POWERPenske Chevrolet+17.814 
14T SATORLL Honda+1 volta 
15T KANAANGanassi Honda+2 voltas 
16F ROSENQVISTMcLaren Chevrolet+2 voltas 
17J HARVEYMeyer Shank Honda+133 voltasNC
18J HINCHCLIFFEAndretti Honda+218 voltasNC
19S BOURDAISFoyt Chevrolet+248 voltasNC
20A ROSSIAndretti Honda+248 voltasNC
21P FITTIPALDIDale Coyne Honda+248 voltasNC
22E JONESDale Coyne Honda+248 voltasNC
23D KELLETTFoyt Chevrolet+248 voltasNC
24C DALYCarlin Chevrolet+248 voltasNC

GUIA INDY 2021
+ Dixon e Newgarden chegam favoritos em duelo que pode marcar geração
+ Pós-pandemia, Indy mantém regulamento e atrasa nova geração de carros
Pietro Fittipaldi retorna à Indy depois de três anos e consolidação é objetivo
+ Ganassi muda tudo, mas ainda precisa apostar fichas em Dixon na Indy

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube