Indy

Rossi repete 2018, domina GP de Long Beach e vence pela primeira vez no ano. Newgarden é 2º

O GP de Long Beach passou longe de ter sido emocionante, mas viu uma belíssima atuação de Alexander Rossi. O americano sobrou e repetiu o feito de 2018. Com pole e vitória, Rossi entrou na briga em 2019, mas viu Josef Newgarden ampliar margem na dianteira chegando no segundo lugar

Grande Prêmio / GABRIEL CURTY, de São Paulo
O GP de Long Beach passou longe de manter o padrão bem elevado das primeiras provas da temporada 2019 da Indy. Neste domingo (14), poucas ultrapassagens, alguns erros e um domínio absoluto de Alexander Rossi marcaram a quarta etapa do campeonato. Rossi teve um dia de graça, acertou a prova toda e repetiu o que fez em 2018, com pole e vitória, se apresentando para a disputa.

Em sua quarta temporada completa na Indy, o ex-F1 conquistou a sexta vitória com as cores da Andretti. E seus números mostram como se trata de um piloto completo: são duas vitórias na rua, duas em mistos, Indy 500 de 2016 e as 500 Milhas de Pocono de 2018.

Ainda que não tenha sido uma corrida de grandes destaques, voltou a chamar a atenção a eficiência de Josef Newgarden. Absurdamente regular em 2019, o líder do campeonato fez sua vantagem crescer, chegando em segundo com a Penske.

A última posição no pódio foi decidida já depois da bandeirada. Graham Rahal cruzou em terceiro, mas acabou sancionado por bloquear Scott Dixon e, assim, foi o neozelandês que levou o troféu para casa, mesmo com a Ganassi errando feio em um pit-stop.

Rahal foi para quarto e, na entrevista, pareceu até conformado, apesar de discordar da direção de prova. "Já perderia a posição na pista, perdi pela punição. Mas só troquei de posição na reta uma vez, não fiz o segundo movimento, mas vamos discutir isso", comentou à emissora NBCSN.

Ryan Hunter-Reay, Simon Pagenaud, Will Power, Takuma Sato, James Hinchcliffe e Felix Rosenqvist fecharam o grupo dos dez primeiros colocados, com Power tendo cometido um erro crasso quando brigava pelo pódio. Matheus Leist se recuperou de um toque recebido na largada e foi 15º, enquanto Tony Kanaan cruzou em 19º.
Alexander Rossi dominou a corrida toda e venceu em Long Beach (Foto: Indycar)
Confira como foi o GP de Long Beach

A largada do GP de Long Beach aconteceu às 17h45 (em Brasília). E muita coisa rolou ali. Para começar, Alexander Rossi e Scott Dixon foram andando lado a lado, trocando tinta até a primeira curva, com o piloto da Andretti levando a melhor.
 
Logo atrás, Josef Newgarden tentou, sem sucesso, passar Will Power, enquanto Simon Pagenaud e Ryan Hunter-Reay se tocaram logo na frente de Graham Rahal e de um Takuma Sato que começava bem.
 
Só que o tumulto estava reservado, mais uma vez, para o fundo do pelotão. Spencer Pigot tocou em Zach Veach, que ficou encaixotado entre o americano da Carpenter e as Foyt e ainda acertou Matheus Leist. Pigot ficou ali paradão. Enquanto isso, Marcus Ericsson e Jack Harvey também se achavam e o piloto da Meyer Shank rendia uma cena bizarra com o carro atolado no meio do jardim. 
Jack Harvey foi parar no jardim ao lado da pista (Foto: Reprodução)
Obviamente, a bandeira amarela foi acionada e Ericsson, Harvey e Pigot, por mais que tenham conseguido voltar, tomaram voltas dos líderes. Ericsson ainda tomou um drive-through pelo incidente, despencando ainda mais.
 
A bandeira verde voltou a ser acionada na volta 6 e, mais uma vez, Dixon e Rossi foram andando lado a lado até o americano fincar pé na primeira colocação. Power, Newgarden, Rahal, Hunter-Reay, Pagenaud e Sato vinham atrás.
 

As boas disputas seguiam acontecendo e Colton Herta fez uma ultrapassagem lindíssima para cima de Pato O'Ward em um duelo da nova geração. O estrago para o mexicano foi grande, perdendo ritmo e lugares para Felix Rosenqvist, Marco Andretti e Sébastien Bourdais.

Com o pelotão da frente já levemente distanciado, começava a chamar a atenção ali pela volta 12 o início das estratégias diferentes. Enquanto as duas Dale Coyne passavam Andretti e colavam no top-10, Ed Jones e Tony Kanaan resolviam investir em três pit-stops e buscavam os boxes.
 
Impressionava o ritmo imposto por Rossi que, tirando a largada e relargada, sequer viu Dixon no retrovisor. Eram 5s1 em coisa de 20 voltas, com a briga se acirrando pelo quarto lugar entre Newgarden, Rahal e Hunter-Reay.
 
Só que o ritmo de Dixon também caía consideravelmente. Ainda que Rossi estivesse bem rápido, o neozelandês parecia começar a poupar equipamento, com a vantagem para Power diminuindo 2s em duas voltas.
 

Na volta 25, abriu-se, de fato, a primeira janela de paradas. Hinchcliffe e Bourdais, buscando o top-10, entravam primeiro, com Hunter-Reay indo aos boxes no 26º giro e Rossi e Dixon fazendo o mesmo no giro seguinte.
 
Power parou na volta 28 e deixou a liderança nas mãos de Newgarden, que quase que viu sua estratégia ser comprometida. Isso porque o americano pararia no giro seguinte e, no meio desse caminho, aparecia Ferrucci atravessado na pista. Em outros tempos, certamente apareceria uma bandeira amarela ali.
 
Só que Ferrucci voltou e tudo deu extremamente certo para Newgarden. A volta extra funcionou e o líder do campeonato ganhou as posições de Power e Dixon. O australiano também superou o neozelandês, com boa ultrapassagem na saída dos boxes. Reposicionados, na volta 30, Rossi liderava com 5s2 para Newgarden, com Power, Dixon, Rahal, Hunter-Reay, Pagenaud, Sato, Rosenqvist e Hinch fechando o top-10.


A briga atrás de Newgarden começava a pegar fogo, ainda que o americano conseguisse ter respiros ao deixar retardatários na frente dos rivais. Quando Rahal apertou Dixon, forçou o neozelandês a partir para cima de Power e os dois ficaram lado a lado. Will parecia ter se defendido bem, mas perdeu o ponto para fazer a curva e passou reto, despencando para oitavo. E piorando sua péssima fase.
 
A transmissão recuperava também o pit-stop de Herta e explicava a queda do americano para 12º. Mais uma vez, a Harding deixou seu piloto na mão e perdeu muito tempo, com troca lenta e demora para soltar o carro. 

Rossi continuava voando na pista e ignorando qualquer tipo de redução para se poupar. O americano já abria 11s7 para Newgarden, 13s4 para Dixon, 14s3 para Rahal e 15s3 para Hunter-Reay. Lá atrás, Hinchcliffe ia tentando passar um complicado Power, enquanto Kanaan já parava pela segunda vez, voltando em 20º, com Leist em 17º.
 

Já fora da briga, Herta teve um acidente típico de corrida na rua. O novato subiu na zebra, perdeu o controle e foi de lado direto no muro, entrando nos boxes com a asa dianteira danificada e muito mais. Parecia suspensão, era fim de prova para ele.
 
Todos os líderes foram parando nos boxes a partir da volta 54 e, mais uma vez, o último a fazer seu pit-stop foi Newgarden, cumprindo a parada no giro de número 58, junto com Power. Só que quem sofreria com problema dessa vez seria Dixon. A mangueira emperrou no carro #9 e lá se foram vários segundos e algumas posições para o neozelandês.
 
Rossi, mesmo preso atrás de Ericsson no retorno à pista, ficou com 9s2 de frente para Newgarden, com Rahal herdando o lugar de Dixon no pódio após 60 voltas. Hunter-Reay era outro a superar o atual campeão, com Pagenaud, Power, Sato, Hinch e Rosenqvist também no top-10.

A prova não engrenava mesmo no stint final e muito pouco acontecia. Para se ter uma ideia, a principal atração era ver Rossi passando e xingando retardatários, ainda que Hunter-Reay estivesse bem perto de Rahal no que poderia ser um duelo pelo lugar mais baixo do pódio.


Só que Dixon havia deixado algo para o final. O neozelandês resolveu acelerar tudo e ser mais ousado. Foi assim que tirou Hunter-Reay de sua frente e partiu para cima de Rahal. Os dois foram se enroscando até a linha de chegada, com o americano na frente. 

Rossi e Newgarden, cada um em sua realidade, chegaram ao final sem maiores problemas, com o piloto da Andretti triunfando e o da Penske em segundo. Só que o terceiro lugar de Rahal caiu, com uma punição por bloqueio que levou Dixon ao pódio.

Indy, GP de Long Beach, final:

1 A ROSSI Andretti Honda   85 voltas
2 J NEWGARDEN Penske Chevrolet +20.236  
3 S DIXON Ganassi Honda +25.575  
4 G RAHAL RLL Honda +25.576  
5 R HUNTER-REAY Andretti Honda +29.345  
6 S PAGENAUD Penske Chevrolet +31.519  
7 W POWER Penske Chevrolet +33.053  
8 T SATO RLL Honda +34.288  
9 J HINCHCLIFFE SPM Honda +40.464  
10 F ROSENQVIST Ganassi Honda +41.324  
11 S BOURDAIS Dale Coyne Honda +49.911  
12 P O'WARD Carlin Chevrolet +1 volta  
13 M ANDRETTI Andretti Honda +1 volta  
14 M CHILTON Carlin Chevrolet +1 volta  
15 M LEIST Foyt Chevrolet +1 volta  
16 E JONES Carpenter Chevrolet +1 volta  
17 Z VEACH Andretti Honda +1 volta  
18 S PIGOT Carpenter Chevrolet +1 volta  
19 T KANAAN Foyt Chevrolet +2 voltas  
20 M ERICSSON SPM Honda +2 voltas  
21 S FERRUCCI Dale Coyne Honda +2 voltas  
22 J HARVEY Meyer Shank Honda +3 voltas  
23 C HERTA Harding Honda +35 voltas NC

 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.