Indy

Rossi vence 500 Milhas de Pocono afetadas por acidente assustador de Wickens. Dixon é 3º

A etapa de Pocono da Indy foi bastante decepcionante. Sem muitas ultrapassagens, a corrida viu Alexander Rossi vencer - e aparecer firme na briga pelo título - após um acidente horroroso com Robert Wickens, que decolou e arrebentou parte da grade de proteção do oval. Matheus Leist foi 11º, Tony Kanaan e Pietro Fittipaldi abandonaram
Warm Up / GABRIEL CURTY, de São Paulo
 Alexander Rossi (Foto: IndyCar)
Faltou emoção na interminável edição de 2018 das 500 Milhas de Pocono. Neste domingo (19), Alexander Rossi venceu uma corrida marcada pela ausência de boas disputas de pista e, principalmente, um acidente horrível com Robert Wickens logo na largada, que tocou com Ryan Hunter-Reay, decolou e foi parar na grade de proteção.

Rossi chegou ao primeiro lugar na base da boa largada. Nas duas vezes que os pilotos partiram, o americano superou Josef Newgarden e, depois, Will Power. Chegou a perder a liderança para o australiano, mas retomou sem maiores problemas. 

A verdade é que, além dos novos kits aerodinâmicos, pareceu que faltou ação para basicamente todo mundo. Scott Dixon, por exemplo, chegou na terceira posição e não foi exatamente pressionado por Sébastien Bourdais em momento algum, mesmo com o francês mais rápido.

Entre os candidatos ao título, Josef Newgarden foi o grande perdedor, chegando na quinta colocação sem um bom ritmo a corrida toda. Zach Veach, Marco Andretti, Simon Pagenaud, Charlie Kimball e Ed Carpenter completaram o top-10. Matheus Leist foi o 11º, batendo na trave para conseguir a primeira prova entre os dez primeiros da carreira na Indy.

Apesar da falta de informações detalhadas sobre o estado de saúde, Wickens deixou o autódromo de helicóptero acordado e consciente. Pietro Fittipaldi e James Hinchcliffe, também envolvidos no acidente, foram liberados sem lesões.
Alexander Rossi venceu em Pocono (Foto: IndyCar)
Confira como foram as 500 Milhas de Pocono

A bandeira verde para as 500 Milhas de Pocono viria 15h15 (em Brasília), mas antes de qualquer coisa já veio a primeira batida. Graham Rahal tentou antecipar o movimento da largada, saiu lançado e acertou em cheio Spencer Pigot, que rodou e foi para o muro. Rahal quebrou a asa dianteira, mas Pigot já abandonava antes mesmo de abrir a primeira volta.
 
Lá na frente, Alexander Rossi passava Josef Newgarden, mas dava a impressão de que os pilotos teriam de realinhar como o grid de largada para a primeira bandeira verde de fato.
 
Os boxes foram abertos e bastante gente entrou para dar bote em estratégia, com Rahal tendo muito trabalho para tentar acertar a roda que ficou deformada pela batida com Pigot.
 


Veio a bandeira verde na volta 7 com Rossi pulando para a ponta e Newgarden despencando para quinto. Wickens saía com muita ação e passava o americano. Quando Wickens foi para cima de Ryan Hunter-Reay, os dois tocaram rodas, Ryan foi para o muro e Robert decolou, arrebentando a grade de proteção e voltando com força para o chão.

A pancada absurda ainda acabou envolvendo Pietro Fittipaldi, James Hinchcliffe e Takuma Sato, que pareciam também ter de abandonar a corrida. Aliás, Pietro e Hinch também bateram feio tentando desviar e, com a grade toda arrebentada, no mínimo a corrida teria de ser bem atrasada.

Depois de bons 20 minutos, Wickens foi removido da pista e deixou o traçado de helicóptero, ainda sem informações sobre seu estado de saúde, como frisou até Hunter-Reay - que se defendeu da culpa pelo acidente -. Enquanto isso, a grade nova chegava, mas não parecia ser uma solução rápida. Logo depois, a Indy anunciou que precisaria de mais, pelo menos, uma hora para reparar a proteção.
A batida em Pocono (Foto: Reprodução/Twitter)
Uma hora depois do acidente, Wickens foi removido da pista de helicóptero para o hospital Lehigh Valley Medical. A categoria informou que o canadense deixou o traçado acordado e consciente. Enquanto isso, Pietro e Hinch seguiam no Centro Médico passando por radiografias, com o brasileiro tendo machucado o tornozelo em recuperação pelo acidente no WEC. Ambos foram liberados para correr minutos depois.

Quando os relógios marcavam 16h45 (em Brasília), a Indy soltou um novo comunicado sobre os reparos da pista e informou que uma nova tentativa de largada estava prevista, desta vez, para 17h15.

Duas horas depois da interrupção, tudo certo para uma nova relargada na nona volta. A bandeira amarela voltou oficialmente às 17h24, com quatro voltas antes da bandeira verde. Rahal perdia dois giros por ter mexido no carro fora da hora.
Pietro Fittipaldi também se envolveu na batida (Foto: Reprodução)
Tão logo os carros voltaram a rodar e os boxes abriram, vários pilotos pararam para reparos. Pagenaud, Dixon, Chilton, Jones, Kimball e Daly não perderam tempo. Assim, a relargada teria: Rossi, Power, Newgarden, Veach, Bourdais, Andretti, Carpenter, Kanaan, Leist e Chilton.

A relargada aconteceu na 13ª volta às 17h31, com Rossi saindo muito bem e Power ficando, mas segurando Newgarden e Veach. Andretti foi quem cresceu com isso, pulando para quinto e colando nos líderes. Atrás, Dixon já era nono de pneus novos.
 
Enquanto Daly passava raspando no muro e quase causava nova batida, Kanaan já tinha novos problemas com sua Foyt. E aparentemente era algo mecânico, mais uma vez. Lá na frente, Rossi abria 2s para Power e 4s para Newgarden, com Dixon pintando em oitavo.

Pigot conseguia passar todos os carros que haviam abandonado - incluindo Tony - e aí era missão cumprida. O carro seguia danificado e o americano recolheu na volta 30. Rossi ampliava a vantagem para Power para 5s1, que estava 1s9 na frente de Newgarden. Veach e Andretti andavam juntos e próximos do americano da Penske.
 
Os pilotos começaram a parar na volta 38, com Leist indo aos boxes após um bom stint em que abriu boa margem para Pagenaud. O último dos primeiros colocados a parar foi Dixon, na volta 42. Rossi aparecia 7s5 na frente de Power, que tinha 3s9 para Newgarden. Veach vinha apenas 0s9 distante de Josef, com Bourdais, Andretti, Carpenter e Dixon próximos. Leist aparecia 4s5 atrás e tinha 6s5 de frente para Pagenaud, que fechava o top-10.

A corrida entrava no segundo quarto das 200 voltas de forma absolutamente modorrenta após um começo que dava sinais de que seria um dia caótico. Rossi até perdeu parte da vantagem para Power, mas logo a reconstruiu quando o australiano foi enfrentando retardatários.

Finalmente veio uma ultrapassagem na volta 66, quando Bourdais superou Veach. Curiosamente, no giro seguinte, a outra manobra foi justamente o troco de Zach, voltando para quarto.
 
Veio a nova janela de paradas e Andretti se deu muito bem. O americano antecipou um pouquinho os rivais e, junto com Dixon - que antecipou um pouco menos -, escalou o pelotão. Rossi voltou 11s3 na frente de Power, com Andretti e Dixon passando Newgarden nos boxes. Bourdais, Veach, Pagenaud, Carpenter e Leist também estavam no top-10.

Veio a metade da corrida e Carpenter abria a janela de paradas, seguido por Andretti e Leist. Matheus, aliás, vinha segurando Rossi e isso voltou Power para a briga real pela vitória, já que apenas 2s9 separavam os dois. 
 
Rossi e Power pararam juntos e voltaram ainda mais próximos, no meio de retardatários e separados por apenas 0s7. A briga pelo lugar mais baixo do pódio também pegava fogo, com Andretti aproveitando ação maior na volta para a pista e mantendo a posição contra Dixon. 
 
Newgarden é quem tinha o cenário mais nebuloso do momento e seguia perdendo posições. Não demorou para que o americano ficasse atrás de Bourdais na rodada de paradas. 
 
Andretti estava muito longe dos dois ponteiros, então, sua meta virava apenas entrar certinho numa tática ideal de paradas. E isso causava a formação de um grande pelotão com Dixon, Bourdais, Newgarden e Veach, todos muito próximos.

A nova janela de paradas veio com muitas mudanças significativas na classificação da corrida. Power se deu bem parando uma volta depois de Rossi e finalmente tomou a liderança, enquanto Andretti desabou para sexto, preso atrás de Newgarden.

No entanto, inacreditavelmente, numa corrida de tão difícil ultrapassagem, Power vacilou quando menos podia, escapou na volta 141 e abriu o caminho para que Rossi desse o troco. A corrida voltava ao controle do americano.

Enquanto Rossi voltava a fugir na liderança da corrida e Bourdais apertava bastante o ritmo para cima de Dixon atrás do pódio, Veach tirava o companheiro Andretti da frente para virar sexto. Lá atrás, Leist tentava segurar Kimball pelo primeiro top-10 na carreira.
 
Leist abria a última janela na volta 164 e dificilmente conseguiria levar o carro até o final. Outro que parou foi Daly, mas este porque deu no muro e teve sorte de não abandonar ali mesmo. 

Rossi foi aos boxes um giro antes de Power e voltou muito à frente do australiano que, mais uma vez, errou no traçado e quase foi parar no muro antes do pit-stop. 6s6 separavam os dois e a corrida parecia definida com 26 voltas pela frente. Dixon abria para Bourdais, que tinha folga para Newgarden, acompanhado por Marco e Veach.

O stint final foi extremamente parado, mantendo bem a tônica da corrida. Rossi só foi abrindo para Power e marchou, assim, para sua terceira vitória no ano, quinta na Indy. O americano segue vivo atrás do título, mas Dixon, em terceiro, saiu forte de Pocono com uma Ganassi muito limitada.

Indy, 500 Milhas de Pocono, Classificação Final

1 A ROSSI Andretti Honda 4:32:00.000 200 voltas
2 W POWER Penske Chevrolet +4.498  
3 S DIXON Ganassi Honda +41.356  
4 S BOURDAIS Dale Coyne Honda +42.012  
5 J NEWGARDEN Penske Chevrolet +1 volta  
6 Z VEACH Andretti Honda +1 volta  
7 M ANDRETTI Andretti Honda +1 volta  
8 S PAGENAUD Penske Chevrolet +1 volta  
9 C KIMBALL Carlin Chevrolet +2 voltas  
10 E CARPENTER Carpenter Chevrolet +3 voltas  
11 M LEIST Foyt Chevrolet +3 voltas  
12 E JONES Ganassi Honda +3 voltas  
13 M CHILTON Carlin Chevrolet +4 voltas  
14 G RAHAL RLL Honda +4 voltas  
15 C DALY Harding Chevrolet +38 voltas NC
16 S PIGOT Carpenter Chevrolet +183 voltas NC
17 T KANAAN Foyt Chevrolet +184 voltas NC
18 R HUNTER-REAY Andretti Honda +194 voltas NC
19 R WICKENS SPM Honda +194 voltas NC
20 J HINCHCLIFFE SPM Honda +194 voltas NC
21 T SATO RLL Honda +194 voltas NC
22 P FITTIPALDI Dale Coyne Honda +194 voltas NC