Quartararo sai insatisfeito de teste, mas mostra fé na Yamaha: “Vai trabalhar muito”

Francês reconhece que não viu grandes melhoras nas novidades testadas pela casa de Iwata na atividade coletiva de Jerez e ainda alertou para a melhora da Ducati

PARCEIROS E RIVAIS: COMO GARDNER E RAÚL FERNÁNDEZ ENTRAM NA MOTOGP | GP às 10

Fabio Quartararo saiu insatisfeito com as evoluções levadas pela Yamaha para o teste coletivo de Jerez de la Frontera. O campeão de 2021 disse que viu pouca melhora nas novidades levadas à Espanha pela marca de Iwata, mas segue confiante de que os engenheiros podem conseguir avanços para a pré-temporada.

No resultado combinado dos dois dias de testes em Jerez, Quartararo ficou com o terceiro melhor tempo, 0s452 atrás de Francesco Bagnaia, o líder dos trabalhos.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Fabio Quartararo pressionou a Yamaha por evoluções para a YZR-M1 (Foto: Yamaha)

Apesar de conquistado o título de 2021, a MotoGP fechou a temporada ciente do crescimento da Ducati, especialmente com Bagnaia, que venceu quatro das últimas seis corridas do ano. Ainda assim, a Yamaha testou mais do mesmo em Jerez, já que se dedicou a avaliar os mesmos componentes que tinham sido experimentados em Misano, em setembro.

A Ducati, por outro lado, contou com novos motor, carenagem e sistema de escapamento, enquanto a Honda focou em uma moto completamente nova. A YZR-M1 tinha um novo chassi e uma nova carenagem para o segundo dia de testes, mas Quartararo não notou uma grande melhora.

“Não diria que estou preocupado, mas, claro, [a Ducati] parece super rápida”, disse Quartararo. “E nós não demos um passo. Isso é certo. Então espero que em Sepang a gente dê um passo, pois tentamos muitas coisas, mas não senti nenhuma melhora”, seguiu.

“A nova carenagem, para ser sincero, não dá para sentir. É mais uma questão de dados e tudo mais. Então é difícil dizer, mas, para mim, parece um pouco melhor!”, comentou. “Tinha um novo chassi, mas não senti nenhuma melhora. Estamos procurando um pouco mais de aderência, então é algo que definitivamente não encontramos hoje. Então não tem nada de superpositivo. Mas [a Yamaha] sabe onde precisa melhorar, então isso é o mais importante”, ponderou.

Questionado sobre a performance da Ducati, já que Jerez não conta com longas retas, Fabio considerou: “É bem estranho, pois, em Mugello, a diferença de velocidade é de cerca de 10 km/h e aqui hoje também foi de cerca de 10 km/h. Então não entendo, mas acho que a aerodinâmica que eles têm nesta moto é enorme, e acho que precisamos trabalhar muito nessa área, para ter um pouco mais de downforce. Acho que esta é uma das coisas mais importantes”.

“E, para mim, claramente, aquela época em que a Ducati não fazia curva por ser uma moto grande, não existe mais”, defendeu. “E acho que a Ducati agora, com combinação de pilotos ― não estou dizendo que é a moto que faz a diferença, pois odeio dizer que a moto é melhor ―, mas a moto precisa de um piloto e a combinação do piloto com a moto que é a Ducati faz com que eles sejam superfortes. Nós precisamos melhorar em muitas áreas”, assumiu.

“Mas, claro, [a Ducati] é super-rápida e eles parecem realmente fortes”, frisou.

Por fim, Fabio sublinhou que, embora o teste não tenha saído como esperado, ele está confiante de que a Yamaha vai trabalhar para resolver os problemas.

“Vou para casa como campeão mundial, vou para casa e vou curtir. Então não estou preocupado, a Yamaha vai trabalhar muito”, declarou. “Este não foi o teste que estávamos esperando, mas vou para casa e vou assistir o vídeo da premiação da FIM! Acho que todos na equipe vão felizes para casa, menos os engenheiros japoneses, que vão precisar trabalhar muito!” pressionou.

GRANDE PRÊMIO lança especial que celebra carreira de Valentino Rossi. ACESSE

VEJA MAIS
Rossi recebe visita surpresa do ídolo Ronaldo Fenômeno na despedida da MotoGP
Pupilos prestam homenagem e usam réplicas de capacetes de Rossi em Valência
F1 convoca pilotos e faz homenagem a Rossi em dia de aposentadoria da MotoGP
Rossi dá adeus em Valência e encerra trajetória que mudou história da MotoGP
Lenda e maior de todos: mundo do esporte agradece Rossi em dia de aposentadoria
Câmeras onboard da YZR-M1 registram última volta de Rossi na MotoGP em Valência

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar