3º, Bagnaia diz que conseguiu máximo possível em Austin: “Não podemos ficar desapontados”

Italiano contou que sofreu com a falta de aderência no início do GP das Américas e reconheceu que Marc Márquez e Fabio Quartararo eram mais rápidos no traçado do Texas

Grave acidente envolveu diversos pilotos da Moto3 e encerrou a prova (Vídeo: Reprodução/DAZN)

Francesco Bagnaia avaliou que conseguiu o máximo possível no GP das Américas de MotoGP. O piloto da Ducati relatou falta de aderência no início da corrida de domingo (3) e considerou que não pode sair desapontado com o terceiro lugar em Austin.

O piloto de Torino conquistou nos Estados Unidos a terceira pole consecutiva da temporada 2021 ― a quarta dele no ano ―, mas despencou para o sétimo lugar ainda no início da corrida. Aos poucos, Pecco foi se recuperando até receber a bandeirada em terceiro, 8s547 atrás de Marc Márquez, o vencedor.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Francesco Bagnaia celebrou com a Ducati o pódio em Austin (Foto: Ducati)

LEIA TAMBÉM
# Quartararo aumenta vantagem e tem primeiro match-point da MotoGP em Misano
# Marc Márquez devora adversários e reestabelece reinado no Circuito das Américas

Com Fabio Quartararo no segundo lugar em Austin, Bagnaia cedeu mais quatro pontos ao francês e agora vai para Misano com 52 pontos de atraso na classificação. Assim, o piloto da Yamaha terá no GP do Feito na Itália e da Emília Romanha a primeira chance de conquistar o título deste ano.

“Estou muito feliz, muito feliz, pois fizemos o máximo”, disse Bagnaia. “Fabio e Marc foram mais rápidos do que nós, então mais do que isso era muito difícil. Não podemos ficar desapontados. A pole-position, em uma pista onde sempre tivemos dificuldade já foi um grande resultado, mas o pódio é outra história e estou muito feliz”, seguiu.

“Tentei tudo, mas tive dificuldades no início com baixa aderência na traseira. Meu pneu traseiro não estava pronto”, relatou. “Falei com Fabio e Marc e eles me disseram que tiveram em Misano o problema que eu tive hoje. Em Misano, eu comecei com aderência máxima e estava tudo perfeito, mas para eles, não. Desta vez, estava ok para eles, mas não para mim. Daí eu vi que os pilotos na minha frente estavam com um pouco de dificuldade e percebi que o pódio estava ali. A última parte da corrida não foi fácil, mas, no fim, alcançamos o pódio”, completou.

MotoGP volta às pistas no próximo dia 24 de outubro para o GP do Feito na Itália e da Emília-Romanha, em Misano. O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades do Mundial de Motovelocidade 2021.

Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar