GUIA 2021: VR46 dá primeiro passo na MotoGP ainda sem dizer se veio para ficar

Em uma aliança com Ducati e Avintia, a VR46 entra na classe rainha do Mundial de Motovelocidade neste ano para correr com Luca Marini. Mas a equipe ainda não disse se veio para ficar

As voltas virtuais no novo autódromo da Hungria (Vídeo: Dromo design)

A VR46 VAI DAR O PRIMEIRO PASSO NA MOTOGP EM 2021. A equipe é endereço certo dos integrantes da Academia de Pilotos homônima e é justamente assim que chega à classe principal: com Luca Marini.

A história da VR46 no Mundial de Motovelocidade começou há sete anos, quando Valentino Rossi se uniu a emissora italiana Sky para ajudar a fomentar o motociclismo na Itália. Na época, a Espanha era a maior potência no esporte, tomando um lugar que outrora tinha sido da Itália.

Luca Marini e Valentino Rossi vão correr juntos na MotoGP em 2021 (Foto: VR46)

GUIA MOTOGP 2021
⇝ MotoGP chega igual, mas diferente em campeonato condicionado por pandemia
⇝ Conheça quem são as equipes e pilotos para a temporada 2021 da MotoGP
⇝ Suzuki segue vida sem Brivio e tenta feito do bicampeonato na MotoGP em 2021
⇝ MotoGP volta com mistério: Marc Márquez retorna após três cirurgias? E como?
⇝ Honda aposta em encaixe de Pol Espargaró por encerramento de série de insucessos
⇝ Mir defende título da MotoGP para mostrar que conquista de 2020 não foi acaso
⇝ Quartararo precisará de regularidade e cabeça no lugar para substituir Rossi
⇝ Bastianini, Marini e Martín sobem para MotoGP com promessa de briga parelha
⇝ Yamaha rejuvenesce com Viñales e Quartararo e busca consistência na M1
⇝ Aos 42 anos, Rossi tem recomeço na MotoGP com SRT. Mas qual será o futuro?
⇝ Pol Espargaró tem chance da vida na MotoGP. Assustar Márquez é outra história
⇝ Equilíbrio também deve ser a marca nas categorias de apoio à MotoGP
Ducati faz mudanças arriscadas para deixar decepções de 2020 no passado
Aprilia ‘inventa’ Savadori e coloca tudo nas costas de Aleix Espargaró

A equipe na Moto3 veio primeiro, mas o salto para a Moto2 tampouco tardou. A classe intermediária, aliás, viu os primeiros títulos dos pupilos de Rossi: Franco Morbidelli em 2017 e Francesco Bagnaia em 2018.

A entrada na classe rainha, porém, sempre foi aguardada, especialmente por se tratar de Valentino. Diretor-executivo da Dorna, a promotora do Mundial, Carmelo Ezpeleta sempre disse que Rossi teria uma equipe na MotoGP quando quisesse, mas a VR46 sempre se pôs cautelosa antes de tomar essa decisão.

Só que no fim do ano passado, o cenário mudou. A VR46 passou a negociar o salto de Marini para a classe rainha e, por isso, fez uma parceria com a Avintia e a Ducati. Dono da equipe, Raúl Romero fez um ligeiro escândalo ao longo do ano passado, dizendo que Valentino poderia comprar a vaga se quisesse um lugar para o irmão.

No fim, a aliança saiu do papel, garantindo um lugar para Luca e também despachando Tito Rabat para o Mundial de Superbike. A organização da equipe, contudo, ainda é um pouco difícil de entender.

A Avintia terá dois pilotos em 2021 ― Marini e Enea Bastianini ―, mas cada um deles com uma cor diferente. Enquanto o campeão do ano passado da Moto2 vai carregar a marca da escuderia, Luca vai vestir as cores do irmão e também terá a companhia de alguns dos integrantes da VR46 nos boxes.

Rubén Xaus seguirá sendo o dirigente da equipe, mas Pablo Nieto será o responsável por tudo que envolve Luca e a parceria com a Avintia. Roberto Locatelli vai atuar como coach de pilotagem de Marini. Christian Dionigi e Gianluca Falconi serão os mecânicos do piloto de 23 anos.

O passo parece um indício claro de que a VR46 chegou para ficar, mas a equipe se mantém no discurso de cautela. No início do mês, Nieto conversou com o GRANDE PRÊMIO e disse que ainda era “cedo” para dizer se esse era um passo definitivo.

“Precisamos trabalhar muito e aí veremos o que acontece”, falou Pablo.

É certo que a MotoGP é um mundo diferente de Moto3 e Moto2, mas parece difícil imaginar que a VR46 não vai seguir por este caminho. Especialmente por que a Avintia já deu indícios de que pretende encerrar a equipe no fim do ano. Assim, nem precisaria de muito esforço para arranjar uma vaga para a escuderia italiana.

Rossi é uma cria do Mundial de Motovelocidade e vem trabalhando nos últimos anos no desenvolvimento de outros pilotos que começam a avançar mais e mais. É um passo natural entrar de vez na MotoGP. E isso não deve nem demorar.

https://open.spotify.com/episode/56EWZtjjXZerTSc5mEGdpr?si=dXJwGloaQQ6ZEGdY1gUInQ&nd=1

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube