Longa estadia no Catar afeta termômetro, mas MotoGP 2021 é estonteante

Embora a performance, especialmente no GP de Doha, seja um reflexo da permanência prolongada em Losail, a MotoGP tem em 2021 um grid competitivo, com pilotos renomados e jovens talentos que enchem os olhos

Assista aos melhores momentos do GP de Doha de MotoGP (Vídeo: GRANDE PRÊMIO com Reuters)

A MotoGP 2021 é estonteante. As duas primeiras corridas da temporada deram uma pincelada do que vem por aí e, embora alguns fatos ainda careçam de comprovação, é justo dizer que os GPs do Catar e de Doha serviram para encher os olhos e até causar inveja em categorias menos competitivas.

É fato que a performance da atualidade é um sinal do tempo. Não é de hoje que a classe rainha do Mundial de Motovelocidade se empenha em aproximar o grid. Tampouco é novidade que a MotoGP tenha um pelotão bastante mais próximo do que o que vimos há alguns anos.

MotoGP saiu bem da rodada dupla do Catar (Foto: Divulgação/MotoGP)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

O que é novo para 2021 é a Aprilia. Embora não tenha vencido ou feito a pole, a casa de Noale apareceu bastante mais forte neste ano, inclusive com Aleix Espargaró liderando treinos. Resta ver se a chegada à Europa não vai tirar o embalo dos italianos. A julgar pela animação do catalão, a nova RS-GP é para valer.

Entre as fábricas, a maior preocupação foi mesmo a KTM, que foi só discreta nas duas rodadas no Catar. Ainda assim, a RC16 não tem um grande histórico por lá, então ninguém aparentou estar excessivamente preocupado, já que a aposta é por uma reação. O GP de Portugal, aliás, vai dar o diagnóstico, uma vez que Miguel Oliveira foi dominante por lá no ano passado.

A Honda não esteve tão alegre e saltitante no continente asiático, mas tem motivos para ter esperança, já que Marc Márquez está em contagem regressiva para voltar a subir na RC213V.

Yamaha, Ducati e Suzuki, por outro lado, foram mais do que felizes em Losail. A YZR-M1 parece ter sanado parte dos problemas que marcaram 2020 e venceu duas vezes. Bolonha botou um motão na pista, forte, rápida e confiável. A GSX-RR manteve o perfil discreto: não causa escândalo na classificação, mas vai de menos para mais nas corridas.

Só que o Mundial não é feito só de máquinas. E tem um elenco digno dos grandes blockbusters de Hollywood. Dos 22 pilotos oficiais ― ou seja, contando Marc Márquez ao invés de Stefan Bradl ―, são 12 campeões mundiais ― o que iguala as marcas de 2015, 2018 e 2020 ―, reunindo 30 títulos entre eles, um a mais do que no ano passado.

Além disso, metade dos pilotos MotoGP 2021 soma ao menos uma vitória na classe rainha, com 19 deles com triunfos em ao menos uma das categorias do Mundial de Motovelocidade, uma a menos do que na composição do elenco do ano passado.

Embora a performance do Catar tenha lá algumas ressalvas, o nível de competitividade da MotoGP é inconteste. A pandemia do novo coronavírus segue assombrando o calendário, mas não há razão para desconfiarmos que não será um campeonato e tanto.

Com Marc Márquez de volta à pista, as coisas prometem esquentar na MotoGP 2021. Mas é justo dizer que, mesmo desfalcado da grande estrela do momento, o elenco deu conta de segurar um baita espetáculo.

LEIA TAMBÉM
⇝ Série à la ‘Drive to Survive’ é impulso necessário para expansão da MotoGP
⇝ WEB STORIE – Pedro Acosta: a nova pérola do Mundial de Motovelocidade
⇝ Zarco acerta ao confiar na Ducati e dá volta por cima após saída tumultuada da KTM
⇝ Miller sucumbe à pressão e derrete favoritismo em rodada dupla da MotoGP no Catar
⇝ Espargaró começa oscilante e deixa Honda longe de Yamaha, Ducati e Suzuki no Catar
Dupla talentosa e poucos erros: como Pramac superou Ducati na rodada dupla no Catar

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube