MotoGP estica corda com maior calendário da história para temporada 2022

Por mais que seja compreensível a entrada de alguns países no calendário, é preciso ressaltar que, além da exigência física e do custo pessoal de uma programação tão extensa, os pilotos acabam também com pouco tempo para recuperação de eventuais lesões

MOTO3 FLERTA COM TRAGÉDIA EM AUSTIN E ATÉ PILOTOS SUGEREM MUDANÇAS | GP às 10

A MotoGP divulgou nesta quinta-feira (7) o calendário de 2022, aquele que vem a ser o maior da história do Mundial de Motovelocidade. Ainda que seja uma versão provisória, a programação já sinaliza o rumo que o campeonato quer seguir: 21 etapas.

Em síntese, são três novidades: Indonésia, Finlândia e Portugal. Olhando de trás para frente, Portimão nem parece assim tão novo. Mas é que o traçado do Algarve só entrou na programação por conta das brechas resultantes da pandemia de Covid-19.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Calendário com 21 etapas foi divulgado pela FIM (Foto: Red Bull Content Pool)

WEB STORY
Como ficou o calendário provisório da temporada 2022 da MotoGP?
Como está o grid da MotoGP para a temporada 2022?

O caso finlandês combina muito com aquela música ‘Caviar’, do Zeca Pagodinho. A gente nunca viu e nem comeu, mas ouve muito falar. Afinal, o KymiRing vive aparecendo no calendário, mas a prova foi cancelada nos últimos anos. Pilotos de teste chegaram a provar a pista de Kausala, mas o novo coronavírus também barrou a volta do GP.

A Indonésia tem uma situação um pouco diferente. Trata-se de um dos mercados mais importantes para a indústria das motos e um dos países onde o público é mais apaixonado pelo esporte. Assim, a inclusão de Mandalika no calendário é um desejo das fábricas. E, por isso mesmo, talvez a novidade mais compreensível.

No entanto, ainda ficaram quatro etapas na Espanha: Jerez, Catalunha, Aragão e Valência. É fato que o país é uma enorme potência no esporte, mas, em determinados momentos, a Dorna apresentou a possibilidade de um revezamento entre essas etapas para que o calendário não ficasse tão dilatado. E seria uma saída justa.

O calendário da MotoGP, na ampla maioria, conta com praças que produzem boas corridas. Outras, como a Áustria, por exemplo, ainda que resulte em GPs atrativos ou interessantes, representa um grande problema de segurança. Ano passado, Johann Zarco, Franco Morbidelli, Valentino Rossi e Maverick Viñales escaparam de um dos acidentes mais assustadores que nós já vimos.

Austin, por sua vez, tem um problema recorrente com o asfalto. Até onde se sabe, é uma questão da movimentação constante do solo. A edição deste ano foi marcada por inúmeras queixas dos pilotos em relação às condições da pista e, segundo declarou Joan Mir, se o piso não for refeito, os pilotos não querem voltar.

Problemas de segurança à parte, outra questão de um calendário tão longo é o custo pessoal disso. E não só para os pilotos, mas também para engenheiros, técnicos, assessores e etc.

Considerando que o ano tem 52 fins de semana, 40,38% deles ficam comprometidos com etapas. Só que esses não os únicos dias de trabalho para quem participa do Mundial. Os pilotos vivem em constante treinamento, as viagens acontecem com antecedência, então são muitos dias fora de casa.

A MotoGP, aliás, vive hoje um ‘baby boom’. Álex Rins e Maverick Viñales acabaram de ser pais, Miguel Oliveira está esperando o primeiro filho. Aleix e Pol Espargaró são pais de crianças pequenas. Tanto tempo fora de casa tem um custo pessoal para todos eles.

Claro, eles escolheram uma profissão que demanda viagens. E todos eles sabiam disso. Mas isso não significa que este não seja um fator que deve ser considerado.

No caso das motos, é preciso ressaltar, também, que as lesões são frequentes e que um calendário tão dilatado diminui o tempo de que os pilotos têm disponível para recuperação.

No fim das contas, por mais que o fã goste de muitas corridas, é também preciso buscar um equilíbrio. O Mundial, ainda que conte com motos lotadas de tecnologia de ponta, é feito por humanos. Por pilotos, engenheiros, mecânicos, técnicos, jornalistas, administradores, médicos e etc. É importante, também, valorizar o impacto deste inchaço da programação na vida e até na saúde de todos eles.

MotoGP volta às pistas no próximo dia 24 de outubro para o GP do Feito na Itália e da Emília-Romanha, em Misano. O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades do Mundial de Motovelocidade 2021.

Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

LEIA TAMBÉM
Quartararo aumenta vantagem e tem primeiro match-point da MotoGP em Misano
Marc Márquez devora adversários e reestabelece reinado no Circuito das Américas
Dez fatores que explicam por que Quartararo está a caminho do título da MotoGP
Suzuki aparece irregular e longe das vitórias, e Mir vê defesa do título escapar
Marc Márquez 2011 x Raúl Fernández 2021: recordistas de vitórias na estreia na Moto2

TRAGÉDIAS NO MOTOCICLISMO PRECISAM GERAR REFLEXÕES | GP às 10

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar