MotoGP

MV Agusta condena “comportamento perigoso” em Misano e rompe contrato com Fenati para 2019

Depois de o presidente Giovanni Castiglioni condenar a ação de Romano Fenati em um post no Instagram, a MV Agusta emitiu um comunicado à imprensa nesta segunda-feira (10) anunciando a quebra do contrato do piloto para 2019

Warm Up / JULIANA TESSER, de São Paulo

Romano Fenati conseguiu mesmo abalar seu futuro profissional. Horas depois de ter sido dispensado pela Snipers, o italiano também teve seu contrato com a MV Agusta anulado. No último dia 26 de agosto, a Forward tinha anunciado que o #13 seria o piloto do time na Moto2 em 2019 no retorno da lendária marca ao Mundial de Motovelocidade.
 
No GP de San Marino e da Riviera de Rimini de Moto2, o piloto da Snipers vinha disputando posição com o rival da Forward, mas, com três voltas para o fim da corrida em Misano, pressionou a alavanca do freio dianteiro da Suter do rival. Manzi até conseguiu se manter na pista, mas caiu pouco depois e não completou a prova.
 
Fenati, então, foi sancionado pelo Painel de Comissários da FIM (Federação Internacional de Motociclismo), que aplicou uma bandeira preta e desclassificou o italiano. Depois, a entidade máxima do esporte anunciou a suspensão de Romano por duas corridas, em Aragão e Tailândia, no caso.
 
Romano Fenati não vai mais vestir as cores da MV Agusta (Foto: Forward)
Ainda no início da manhã, Giovanni Castilgioni, presidente da MV Agusta, tinha descartado contar com Fenati em 2019 em um post no Instagram.
 
“Esta foi a pior e mais triste coisa que já vi numa corrida de moto”, escreveu Castiglioni. “Verdadeiros esportistas jamais agiriam assim”, disparou.
 
“Se eu fosse a Dorna, eu o baniria do Mundial”, frisou. “Em relação ao contrato para uma futura posição como piloto da MV Agusta na Moto2, vou me opor de todas as maneiras para impedir isso. Não vai acontecer. Ele não representa os valores de nossa companhia”, completou o dirigente.
 
Em um comunicado enviado à imprensa, a MV Agusta afirmou que a “grave falha de conduta de Romano Fenati com Stefano Manzi durante a corrida na Moto2 no GP de San Marino e da Riviera de Rimini, que aconteceu no Circuito Marco Simoncelli, em Misano Adriático, vai ter repercussões no futuro, além da bandeira preta mostrada a Fenati e a suspensão por duas corridas imposta pela direção de prova”.
 
“A MV Agusta não será representada por Fenati em 2019, o ano em que veremos o retorno da fábrica de Varese ao mais alto nível do motociclismo e ao Mundial de Moto2. O acordo entre a equipe MV Agusta Reparto Corse FOrward Racing e Romano Fenati foi encerrado”, anunciou.
 
Assim como fez nas redes sociais, Castiglioni condenou o “comportamento perigoso” de Fenati. “Em todos os meus anos assistindo ao esporte nunca vi um comportamento tão perigoso quanto esse. Um piloto que pode agir assim jamais pode representar os valores da nossa companhia para a nossa marca”, alegou Castiglioni. “Por esta razão, não queremos que ele seja o piloto com o qual a MV Agusta vai fazer seu retorno ao Mundial de Motovelocidade”, completou.
 
Dono da Forward, Giovanni Cuzari afirmou que é impossível manter a colaboração com Fenati depois do “episódio vergonhoso” de Misano.
 
“Depois do episodio vergonhoso entre Romano Fenati e Stefano Manzi, é impossível para o time manter sua colaboração com o piloto de Ascoli para a temporada 2019”, afirmou Cuzari. “O comportamento de Fenati é incompatível com os valores esportivos da Forward Racing e da MV Agusta”, frisou.
 
“Por esta razão, embora profundamente arrependidos, somos forçados a cancelar nosso projeto com Fenati”, declarou. “Nosso esporte já é extremamente perigoso e qualquer ato que aumente os riscos envolvidos para os pilotos é intolerável. Não podemos aceitar um comportamento como este de um de nossos futuros pilotos”, concluiu.