“Orgulhoso”, Barrichello fecha participação no Sertões 2020 com top-10 e promete voltar

Rubens Barrichello fez apenas duas especiais na 28ª edição do maior rali das Américas, mas encerrou sua jornada sendo um dos grandes destaques da prova, arrancando elogios do navegador, Edu Bampi, e do chefe da RMattheis, Rodolpho Mattheis

Uma das grandes expectativas para a edição 2020 do Sertões era sobre a participação de Rubens Barrichello. O duas vezes vice-campeão mundial de Fórmula 1 e campeão da Stock Car em 2014 foi inscrito em uma equipe de pilotos convidados, em trio que originalmente contava também com Felipe Fraga e Thiago Camilo. Aos 48 anos, Barrichello fez duas especiais — a etapa de terça-feira foi cancelada em virtude do mau tempo no norte de Goiás — ao lado do navegador Edu Bampi a bordo do buggy V8 4×2 da Giaffone Racing preparado pela equipe RMattheis. E o piloto encerrou sua participação sendo um dos grandes destaques da prova, sendo reverenciado pela caravana do rali.

Na segunda-feira, horas depois de ter aterrissado em Brasília após ter competido em Córdoba, na Argentina, pelo Super TC2000 no fim de semana, Barrichello encarou uma das especiais mais duras dos 28 anos de história de Sertões. Um trecho cronometrado de 353 km muito completo e difícil até mesmo para nomes experientes do rali foi concluído por Rubens e Edu Bampi em pouco mais de 6h20min de prova e teve muita lama, chuva e, para completar, a travessia pelo temido Rio Bagagem.

ASSISTAEmoção com Barrichello, maratona e sorteio: live Motul no Sertões 2020

RUBENS BARRICHELLO; SERTÕES; EDU BAMPI;
Edu Bampi exaltou o trabalho feito por Barrichello no Sertões (Foto: Thiago Diz/Mídias Sertões)

Dentre 38 pilotos que largaram, Barrichello terminou a etapa na 12ª colocação. Ao chegar na zona de meta localizada na cidade goiana de Minaçu, Rubens foi aplaudido pelas pessoas que já haviam chegado à bolha, como o pentacampeão do Sertões Guilherme Spinelli.

Na noite daquela segunda-feira, Barrichello experimentou algo que era comum nos seus tempos de criança. O piloto dormiu no acampamento do Sertões junto com vários outros competidores à espera da segunda parte da etapa Maratona — em que os pilotos e navegadores não podem recorrer ao auxílio externo das equipes de apoio.

Mas com o cancelamento da especial da terça-feira por conta do mau tempo, o Sertões fez o deslocamento rumo a Campos Belos, ainda em Goiás, e se preparou para a etapa de quarta-feira, que marcou a despedida de Barrichello da prova. Novamente, o piloto conseguiu uma grande performance e concluiu em décimo lugar entre os carros na etapa.

Leia também: De Mogi Guaçu a Barreirinhas e etapa Maratona no início: o roteiro do Sertões 2020
Da luta contra morte ao renascimento: Helena Soares coroa história de um milagre no Sertões
Jutta Kleinschmidt acompanha Sertões 2020 “feliz por ser inspiração para tantas mulheres”

Antes de embarcar de Palmas rumo a Curitiba para acelerar com a rodada tripla da Stock Car no próximo fim de semana, Barrichello exaltou a chance ímpar de disputar uma prova como o Sertões.

“Que baita experiência. Aprendendo a cada momento. Estou curtindo muito o Sertões, seja nas especiais, seja pelo ambiente. Voltei à infância ontem dormindo no acampamento, foi demais”, destacou o piloto na última quarta-feira. Rubens lembrou um momento de ‘perrengue’ quando acelerava durante a quarta especial da prova e enfrentou problemas no câmbio.

RUBENS BARRICHELLO; SERTÕES; EDU BAMPI;
Barrichello e Bampi terminaram em décimo a especial da última quarta-feira (Foto: Marcelo Maragni/Mídias Sertões)

“O rali tem muito de inesperado, e o inesperado traz uma adrenalina que é o que eu mais curto. Teve um momento em que a gente estava muito bem, muito entrosado, o motor começou a falhar com 40 km de especial, mas alguma coisa me dizia ‘respeita a natureza que a gente vai chegar’. Estava num limite gostoso, me divertindo e fui me adaptando aos problemas, e isso foi muito legal”, descreveu.

Leia também: Motul une forças com Sertões, traz expertise de lubrificantes e batiza categoria dos fortes

“Perdemos um pouco de tempo por isso, mas a diversão foi muito grande. O Edu me agradeceu por ter vivido a emoção de andar sem perigo. Ainda não sei qual é esse perigo, algumas vezes quase bateu, mas isso é normal de um rali. Saio daqui orgulhoso. Já levei uma P10 em minha primeira visita”, comemorou Barrichello. Nas suas redes sociais, o piloto garantiu: vai voltar ao Sertões.

Acostumado ao universo do Sertões e dono de décadas de experiência, Edu Bampi ressaltou a chance de navegar para Barrichello.

RUBENS BARRICHELLO; SERTÕES;
Barrichello acelerou o ‘buggão’ da Giaffone Racing ao lado do navegador Edu Bampi (Foto: Thiago Diz/Mídias Sertões)

“Começamos bem o dia, o Rubinho pegou rapidamente o jeito da prova. Ela começou rápida, mas entrou em um trecho travado em que fomos desenvolvendo bem o nosso ritmo. Ele fez uma pilotagem segura e rápida, e nós fomos progredindo no grid, fizemos parciais bem boas. Tivemos alguns problemas com o carro, falha de motor, alavanca do câmbio e até na bomba de combustível no final, mas foi uma especial bem gostosa de correr. Alguns trechos de alta e que exigiram bastante da navegação”, explicou.

“O Rubinho se empolgou e ele me disse que a prova tinha o jeito dele. Acredito que o ‘bichinho’ do rali o pegou”, completou.

Quem também destacou a participação do piloto no Sertões foi Rodolpho Mattheis, chefe da equipe que, assim como Barrichello, está envolvido também na Stock Car como chefe e dono do time pelo qual correm Gabriel Casagrande e Pedro Cardoso.

Leia no GRANDE PREMIUM
Como Sertões almeja superar Dakar e ser o maior rali do mundo
A galeria com todos os campeões e as lendas do Sertões

“O Rubens surpreendeu. Impressionante como se adaptou rápido ao rali. O entrosamento com o Bampi foi rápido também. Impressionante o amor que ele tem pelas quatro rodas. Ele se superou no primeiro dia, encarando o Rio Bagagem sem nunca ter atravessado um rio antes. O nível de água estava alto e com correnteza. Superou muita chuva, muita lama e muita pedra”, lembrou o carioca.

Barrichello agora volta ao Toyota Corolla #111 da equipe Full Time para disputar a rodada tripla de Curitiba neste fim de semana. O piloto está em quarto lugar no campeonato e soma 149 pontos, contra 172 do atual líder, César Ramos, da equipe Ipiranga/A.Mattheis.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube