AlphaTauri teme novo limite do teto orçamentário da F1: “Pode ser um problema”

Com um limite orçamentário de US$ 140 milhões — R$ 776 milhões — em 2022, Franz Tost, chefe de equipe da AlphaTauri, crê que o time de Faenza precisará de muita cautela e cálculos para não ultrapassar seu orçamento

AS NOVIDADES DA F1 2022: O QUE ESPERAR DE ALBON E ZHOU?

No ano passado, a Fórmula 1 anunciou uma redução no teto orçamentário do campeonato. A partir de 2021, as equipes tiveram um limite de US$ 145 milhões (R$ 803 milhões), que caiu para US$ 140 milhões (R$ 776 milhões) em 2022. Entre 2023 e 2024, o teto vai ser ainda menor, de US$ 135 milhões (R$ 748 milhões). E, pensando no regulamento desta temporada e os possíveis equipamentos que irão ter de comprar da Red Bull, Franz Tost, chefe de equipe da AlphaTauri, acredita que será difícil gerenciar os valores e ressalta que o time de Faenza precisará de muita cautela para não ultrapassar o limite permitido.

“Este ano acho que será o mais difícil para nós no que diz respeito ao teto orçamentário”, disse Tost, em entrevista ao site italiano Autosprint. “Em 2021 estávamos bem abaixo do limite orçamentário e não foi um problema, mas em 2022 o teto é deUS$ 140 milhões e a compra de novas peças da tecnologia da Red Bull nos levará ao limite”, acrescentou.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Pierre Gasly chegou aos 110 pontos em 2021 e esteve quase sempre entre os ponteiros (Foto: Andrej Isakovic/AFP)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram
Hamilton dentro ou fora? Demora em ‘acordão’ Mercedes-FIA cria dúvida sobre futuro na F1

“Portanto, teremos de fazer os cálculos muito bem desde o início, porque essa situação pode nos dar problemas”, seguiu Tost.

Em relação ao teto, também há de se ressaltar que ele não atinge certos gastos, como salários de pilotos e marketing. O corte foi realizado para ajudar as equipes no período de dificuldade financeira por conta do atraso do início do campeonato causado pela pandemia do novo coronavírus.

Além disso, num calendário de 23 corridas, as equipes poderão ter uma pequena ‘folga’ — caso nenhuma corrida, por conta da pandemia, seja cancelada, claro. Isso porque, a partir da 21ª prova do campeonato, a F1 permitirá que um valor extra de US$ 1,2 milhão (ou seja, R$ 7 milhões) seja utilizado. Assim, a AlphaTauri poderá gastar um valor extra de US$ 2,4 milhões (R$ 13 milhões) nas duas últimas etapas da temporada.

Outro ponto a ser destacado é em relação às corridas de classificação. No ano passado, as equipes receberam um subsídio de US$ 450 mil (equivalente a mais de R$ 2 milhões) para participar das três provas sprint do ano, além de US$ 100 mil (ou seja, R$ 558 mil) para possíveis acidentes ou danos. Agora, em 2022, seis GPs irão receber o novo formato: Bahrein, Emília-Romanha, Canadá, Áustria, Holanda e São Paulo.

OS PILOTOS QUE METERAM BEDELHO ONDE NÃO FORAM CHAMADOS

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar