F1

Mercedes quer evitar risco de “se acostumar a vencer”. E crê em recordes para que Hamilton siga motivado

Com cinco títulos mundiais consecutivos entre os construtores, a Mercedes pretende encontrar formar de não tornar a vitória algo banal - é o que pensa Toto Wolff, chefe da equipe. E a mesma postura deve ser tomada para que Lewis Hamilton, pentacampeão, também não diminua a importância de seguir dominando a F1
Warm Up, de São Paulo / FELIPE NORONHA, de Interlagos / PEDRO HENRIQUE MARUM, de Interlagos
 Toto Wolff (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)

Após a festa pelo quinto título consecutivo da Mercedes no Mundial de Construtores, com a vitória de Lewis Hamilton no GP do Brasil no último domingo (11), Toto Wolff se posicionou para entrevista coletiva dentro da sala da equipe que comanda em Interlagos bem mais solto que o comum.

Até que foi questionado pelo GRANDE PRÊMIO sobre motivação para continuar vencendo. E, a partir daí, precisou respirar fundo para comentar sobre a "complexa situação psicológica" que é encontrar razões para seguir buscando o triunfo mesmo quando ele já veio diversas vezes.
Toto Wolff (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
Mas, para o chefe da atual pentacampeã do mundo, a Mercedes sabe como contornar esta barreira: "O risco é de se acostumar a vencer, e eu acho que essa equipe conseguiu ultrapassar esse obstáculo. Traçamos objetivos que nos motivam."

Wolff também apostou que, a cada ano, o desafio será ainda maior, ple evolução de cada rival: "Isso nos mantém indo em frente, mesmo nos dias difíceis. E o trabalho sempre ficará mais difícil, todo ano. No momento, somos nós que definimos a referência de qualidade, e nossos adversários voltarão com mais energia, mais motivados pelo nosso trabalho."

"Temos que entender as forças deles, compreender que podemos perder o título no próximo ano. Temos que respeitar o que eles podem atingir. Tudo começa do zero no próximo ano, temos que esquecer os cinco títulos. E nós vamos lutar pelo sexto, mas se vamos alcançá-lo ou não só saberemos ano que vem", completou.
Lewis Hamilton e Toto Wolff (Foto: AFP)
O GP também questionou o dirigente especificamente sobre como o principal piloto da Mercedes, Lewis Hamilton, pode encontrar motivação para buscar um sexto título mundial - ou o sétimo, que o colocaria ao lado de Michael Schumacher como o maior vencedor da história da F1. Para Wolff, o ponto é encontrar "o objetivo certo".

"Temos que um plano que queremos atingir e nos esforçarmos para chegar lá. E obviamente recordes são um objetivo interessante. Ele já venceu cinco títulos mundiais e está em segundo na lista, junto a Juan Manuel Fangio, de recordistas. É simplesmente incrível. É inacreditável ouvir o nome dele ao lado do de Fangio."

"Ele vai achar a motivação para o próximo título, mas antes do sétimo há o sexto. E eu posso te garantir que será muito difícil e complicado ano que vem", finalizou Wolff.

A Mercedes garantiu o título do Mundial de Construtores no Brasil ao alcançar 620 pontos, contra 553 da Ferrari. A F1 volta em duas semanas, no dia 25 de novembro, com o GP de Abu Dhabi.