Novo carro da Red Bull ainda precisa ser submetido ao teste de impacto da FIA, revela site italiano

De acordo com o site italiano 'Omnicorse', a Red Bull ainda não submeteu o seu RB11 aos testes de impacto da FIA. A equipe austríaca pretende enfrentar o teste nesta quinta-feira (29)

O RB11, o modelo 2015 da Red Bull na F1, ainda não foi aprovado nos testes obrigatórios de impacto da FIA (Federação Internacional de Automobilismo). A informação é do site italiano 'Omnicorse'.

Chefe da equipe austríaca, Christian Horner, reconheceu nesta semana, durante um evento da marca, que o novo carro "ainda não está pronto" e que o time ainda "terá muito trabalho até domingo", para deixar tudo preparado para a primeira semana de treinos coletivos, em Jerez de la Frontera.

De acordo com a publicação, o último projeto 100% criado sob a batuta de Adrian Newey deverá ser submetido ao crash-test nesta quinta-feira (28), apenas três dias antes do início das atividades no sul da Espanha, que vão acontecer entre os dias 1º e 4 de fevereiro.

Christian Horner diz que tempo de preparação em 2015 foi curto (Foto: Getty Images)

O motivo do atraso, segundo o 'Omnicorse', não foi alguma falha no projeto, mas, sim, o pouco tempo para a execução dos trabalhos durante o inverno europeu.

A esquadra pretende apresentar o carro na manhã do primeiro dia de testes. E um porta-voz da Red Bull, consultado pelo site, disse que a equipe está confiante de que tudo será feito conforme a programação.

Também em declarações recentes, Horner afirmou que o tempo tem sido um grande inimigo na preparação do time. "Este é provavelmente o mais curto tempo de preparação, produção e montagem que já tivemos em dez anos de competição. É inacreditável o que fábrica conseguiu até agora", explicou.

Enquanto a irmã Toro Rosso mostra as linhas do novo projeto no sábado, a Red Bull, a Mercedes e a Williams têm planos de revelar seus modelos pouco antes do começo da temporada. Já nesta quinta a McLaren exibe o seu MP4-30. A Ferrari e a Sauber lançam seus carros nesta sexta-feira (30).

FELIZES NO WEC
Anthony Davidson e Sébastien Buemi têm muito em comum.
 
Para um, a carreira na F1 durou 24 GPs entre 2002 e 2008 com Minardi, BAR e Super Aguri. Para o outro, foram 55 corridas consecutivas de 2009 a 2011 pela Toro Rosso. Ambos tiveram o apoio de grandes companhias para chegar à principal categoria do planeta e foram considerados bons pilotos diante dos carros com os quais correram. E ambos viram a porta da F1 fechar em suas caras, fazendo com que tivessem de caçar outros rumos.
 
O sonho que eles tinham também era o mesmo: poder acrescentar as palavras “campeão mundial” no currículo. Sonho este que foi alcançado de forma conjunta em 2014 — no outro Mundial.

Leia a matéria especial no GRANDE PRÊMIO. 

QUATRO DIAS A MENOS 
A Force India anunciou que não vai participar da primeira bateria de testes da pré-temporada em 2015, como havia previsto inicialmente. A equipe indiana havia programado andar em Jerez de la Frontera, entre os dias 1º e 4 de fevereiro, ainda com o carro de 2014. 
 
A esquadra comanda por Vijay Mallya optou por pular as atividades no sul da Espanha por "aprendizagem limitada" e agora vai concentrar todo o seu esforço para os treinos coletivos em Barcelona, que recebe as duas últimas sessões da preparação da F1 para o campeonato que começa em 15 de março, na Austrália.

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO. 

A NOVA M1
A Yamaha se tornou nesta quarta-feira (28) a primeira equipe da MotoGP a apresentar a versão 2015 do protótipo para o Mundial que começa no Catar, em 29 de março. Em um evento em Madri, a equipe japonesa revelou ao mundo as cores e o layout de sua M1, que será pilotada novamente pelo italiano Valentino Rossi, dono de sete títulos na classe rainha, e o espanhol Jorge Lorenzo, que já soma duas taças na principal categoria do motociclismo.
 
Nesta temporada, a meta da esquadra nipônica é tentar quebrar o domínio imposto pelo jovem prodígio Marc Márquez e a poderosa Honda. No ano passado, enquanto Márquez celebrou seu segundo campeonato do mundo na MotoGP, Rossi e Lorenzo completaram o campeonato na segunda e na terceira colocações, respectivamente. Juntos, os dois conquistaram apenas quatro vitórias. 

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO. 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar