Rins abusa de quedas em momentos cruciais e sai da briga pelo título da MotoGP

Álex Rins caiu nas últimas quatro corridas da MotoGP em 2021, sempre quando ocupava as primeiras posições. Por isso, caiu para 13º no campeonato e viu Joan Mir tomar novamente o protagonismo na Suzuki

MotoGP preparou vídeo com imagens da carreira em tributo a Jason Dupasquier (Vídeo: MotoGP)

Quando a temporada 2020 acabou, muitos sentiram que Álex Rins era o principal nome da Suzuki para levar o título, mas demorou para reagir no campeonato, com uma vitória e quatro pódios nas últimas corridas. Com isso, viu o companheiro Joan Mir sagrar-se campeão mundial da MotoGP. Quem olha para a tabela de pontos em 2021, no entanto, vê um cenário bem diferente e que pode enganar aqueles que só observam resultados.

Passadas seis etapas da MotoGP em 2021, Rins ocupa uma modesta 13ª posição, com 23 pontos conquistados na rodada dupla da categoria no Catar. Ou seja, nas duas primeiras corridas do ano. Depois, acumulou um 20º na Espanha e três abandonos. O que todos esses resultados possuem em comum? Quedas em momentos decisivos, que poderiam gerar mais pontos no campeonato.

A sequência negativa começou em Portugal. Rins era o segundo colocado e pressionava o líder Fabio Quartararo, mas perdeu o controle da Suzuki a poucas voltas do fim e abandonou. Menos 20 pontos para o bolso. Na corrida seguinte, na Espanha, disputava um lugar no pódio, forçou uma ultrapassagem em Franco Morbidelli e caiu. Ainda voltou, mas no fim do pelotão. Considerando que o italiano fechou no pódio, mais uma boa chances desperdiçada.

Álex RIns conta com três abandonos na temporada 2021 (Foto: Divulgação/MotoGP)

LEIA TAMBÉM
⇝ Com apenas 19 anos, Dupasquier morre após grave acidente da Moto3 em Mugello
⇝ Jason Dupasquier, 2001 – 2021
⇝ “Talentoso e promissor”: mundo do esporte a motor reage à morte de Dupasquier

Na França, o problema de Rins foi na chuva. O espanhol parou para trocar de moto, como todos os outros pilotos, mas perdeu o controle na saída dos boxes e abandonou metros depois. Novamente brigava por um lugar no pódio e perdeu tudo. Na última corrida, em Mugello, recuperou-se de um início ruim e tentava o terceiro lugar na disputa com Joan Mir e Johann Zarco. Outro tombo, outro resultado positivo no chão.

Enquanto isso, Joan Mir vai pontuando. Mesmo sem brilhar, o companheiro de equipe na Suzuki já conseguiu pódios em Portugal e Itália, especialmente aproveitando-se das falhas de Rins. O campeão mundial aparece nq quinta posição do certame, com 65 pontos, 40 a menos que o líder Quartararo. Ainda está longe de um sonho com bicampeonato, mas podemos diz que ocupa o lugar que deveria ser da moto #42.

Álex Rins caiu e abandonou o GP da França (Foto: Suzuki)

Rins possui um talento inegável, até por isso tem mostrado força em todas as corridas da temporada com o ainda instável conjunto da Suzuki. Suas quedas, porém, o colocam distante do título e cercado de dúvidas. Seria ele capaz de um dia alcançar o feito de Mir e chegar no topo da classe rainha do Mundial? Para chegar na frente do resto, completar as corridas em cima do equipamento é requisito básico, algo que Rins não consegue cumprir atualmente.

Agora, um dos principais nomes da pré-temporada não consegue mais sequer ficar no top-10 da MotoGP. Sem bom desempenho, Rins vai se apagando aos poucos em uma temporada tão difícil e dominada por Yamaha e Ducati. Aos poucos, cai da moto e também na tabela de pontos. Seu favoritismo, um dia cogitado, vai conhecendo o chão, assim como o espanhol em cada circuito do calendário. Com tudo isso, por resultados, o desempenho do piloto da Suzuki não pode ser julgado, mas é bom as quedas pararem, ou o jogo pode virar rapidamente.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar