Aprilia peita Ducati no calor de primeiro dia ‘tricolore’ da MotoGP em Mugello

No dia inicial de atividades da MotoGP na pista da Toscana, o top-6 foi dominado por fábricas da casa, com Aleix Espargaró furando a bolha da Ducati ao assegurar o topo da tabela com 0s049 de vantagem para Francesco Bagnaia

HOMENAGEM JUSTA OU DESNECESSÁRIA? MOTOGP APOSENTA #46 DE ROSSI EM MUGELLO

A Itália reinou soberana no primeiro dia de treinos para o GP da Itália de MotoGP, em Mugello. Em um esporte outrora conhecido pelo poderio das casas japonesas, o país de Leonardo da Vinci, Giorgio Armani e Monica Belucci viu o top-6 todo ocupado por motos locais, com Aprilia e Ducati se destacando na ponta.

A marca de Borgo Panigale chegou aos minutos finais de um TL2 muito quente ― pelo calor mesmo, que elevou a temperatura da pista para os 50°C ― formando um paredão no topo da folha de tempos, mas viu Aleix Espargaró virar 1min45s891 e roubar a primeira posição de Francesco Bagnaia por só 0s049.

WEB STORY
Como está o grid da MotoGP para a temporada 2023?

Aleix Espargaró ressaltou que a Ducati não é a única boa moto italiana (Foto: Divulgação/MotoGP)

O resultado na pista é mais um momento de destaque de uma Aprilia que tem sido protagonista do fim de semana em Mugello. Ainda na quinta-feira, a casa de Noale anunciou a ― mais do que merecida ― renovação do contrato de Aleix Espargaró e a pouco questionável permanência de Maverick Viñales até 2024. Mas os comandados de Massimo Rivola foram além. Se até outro dia a RS-GP era uma moto que ninguém queria, agora ela é o protótipo que fez a RNF trocar a Yamaha.

Em alta, a Aprilia chegou ao traçado italiano cheia de novidades, inclusive com uma asa traseira no maior estilo Fórmula 1. Além disso, a equipe técnica liderada por Romano Albesiano também preparou um novo motor, mais potente, aproveitando os últimos meses os privilégio de contar com concessões, um direito que perdeu graças ao cada vez melhor desempenho da moto.

“Estou contente, o fim de semana começou muito bem”, resumiu Aleix em entrevista à emissora italiana Sky. “O GP de Mugello talvez seja mais importante para mim do que o próximo, em Barcelona. É importante demonstrar que na Itália também existe a Aprilia”, defendeu.

“Antes, só falávamos da Ducati, e era compreensível, porque sempre fizeram um grande trabalho. [Mas] toda a fábrica merece um bom resultado aqui em Mugello”, defendeu.

Francesco Bagnaia foi a melhor entre as Ducati (Foto: Divulgação/MotoGP)

Perguntado pelo site da MotoGP sobre a dificuldade de lidar com o forte calor desta sexta-feira, Aleix respondeu: “Estava muito, muito quente. A pista não é fácil, mas a MotoGP é assim. Os tempos de volta foram rápidos desde o início, me senti bem especialmente com o pneu da corrida. Não esperava ser tão rápido com o macio, acho que fomos muito rápidos por rodar abaixo de 1min46s, então estou feliz”.

Em uma temporada onde os pilotos têm apontado para a dificuldade de ultrapassar, o mais velho dos Espargaró destacou que a situação na Itália é melhor do que na França, mas o confronto com a Ducati é sempre difícil.

“Em Mugello dá para ultrapassar um pouco mais do que em Le Mans, mas, de qualquer forma, não será fácil, principalmente porque as motos que temos de ultrapassar, são as Ducati”, apontou. “Se as Yamaha estão na frente, é um pouco mais fácil, falta a eles velocidade máxima, mas a Ducati é muito forte na reta, então não será fácil passar, mas a minha moto também não é ruim, então a classificação será importante. Vamos ver se podemos nos sair bem”, completou.

Só quatro centésimos mais lento do que Aleix, Bagnaia celebrou o trabalho da Ducati no primeiro dia na Itália e ressaltou que o clima vai mudar nos próximos dias, com temperaturas mais amenas e até a possibilidade de chuva na classificação.

“Estou satisfeito com este primeiro dia aqui em Mugello”, comentou Pecco. “É a minha corrida de casa, a minha sensação com a moto é muito boa e esta tarde nós conseguimos trabalhar bem durante o TL2”, continuou.

“Em comparação com hoje, as temperaturas devem baixar no domingo. As sessões de amanhã de manhã serão mais próximas das condições de domingo, então provavelmente serão cruciais para entendermos os detalhes finais”, indicou. “Na classificação, por outro lado, pode chover, mas tenho certeza de que posso ser competitivo mesmo que chova. Tomara que possamos seguir nessa tendência positiva com que começamos o fim de semana”, torceu.

Mesmo com duas quedas, Johann Zarco fechou o dia satisfeito (Foto: Divulgação/MotoGP)

Terceiro colocado em Mugello, Jack Miller destacou que sofreu no começo do dia, quando usou um jogo de pneus que já tinha sido aquecido anteriormente, mas depois encontrou um bom ritmo e agora se sente confiante para o fim de semana.

“Estou bem feliz com o resultado de hoje!”, comemorou Jack. “A moto está funcionando relativamente bem: de tarde, usamos um pneu pré-aquecido com o qual eu não conseguia ter uma boa sensação, mas assim que coloquei um macio, o feeling melhorou e subi meu ritmo”, relatou.

“Estou positive em relação à classificação de amanhã, mas ainda temos de trabalhar no ritmo de corrida”, reconheceu. “O clima de amanhã pode ser pior, mas não é algo que me preocupa. Correr em Mugello é sempre muito divertido e, no momento, temos um pacote realmente competitivo, como fica evidenciado pelo fato de que muitas Ducati foram rápidas hoje. Estou confiante”, concluiu.

0s458 atrás do pai dos gêmeos Max e Mia, Johann Zarco ficou com o quarto melhor tempo do dia, mas sofreu duas quedas na parte da tarde. Os tombos, porém, não abalaram a confiança do francês.

“Lamento muito pelas duas quedas”, disse Johann. “Mas, ao mesmo tempo, tenho de admitir que a sensação nesta sexta-feira é muito positiva. Teremos de analisar os dados para entender a razão das quedas e encontrar soluções para a classificação. No entanto, estou muito confiante”, assegurou.

Sob o olhar atento do irmão mais velho, que está em Mugello para a aposentadoria do lendário #46, Luca Marini aproveitou os conselhos de Valentino Rossi para fechar o dia na Toscana entre os ponteiros. 1min46s362, o #10 ficou com a quinta melhor marca.

“Definitivamente, foi um bom dia 1: estou bem confiante em termos de tempo de ataque. Demos um passo à frente no TL2, mas ainda não estou totalmente satisfeito”, reconheceu. “Podemos trabalhar no último setor, no freio motor e na sensação na entrada das curvas. Vamos dar uma olhada nos dados para a classificação”, avisou.

Terceiro colocado na classificação do Mundial, Enea Bastianini foi a sexta moto italiana do top-6 ― sendo a quinta Ducati ― e também saiu animado. Diferente dos outros quatro colegas, o piloto da Gresini é o único com a Desmosedici GP21, a moto do ano passado, mas isso não serviu para interferir com a confiança dele.

Fabio Quartararo não gostou do desempenho da Yamaha nas curvas (Foto: Divulgação/MotoGP)

“Estou bem feliz: tanto a sensação quanto o ritmo estavam lá desde o início, então não fizemos nenhum grande ajuste na moto”, relatou. “Estava realmente quente, não consigo me lembrar de um dia tão abafado quanto hoje em Mugello…”, comentou.

“Tivemos um pouco mais de dificuldades do que o esperado com os pneus, mas, no geral, estou feliz. Não acertamos tudo no nosso tempo de ataque, especialmente no setor três”, contou. “No momento, estamos no Q2, mas acho que amanhã de manhã as coisas vão melhorar muito. Estou com problemas para confiar na dianteira nas curvas ‘Arrabbiata’, mas fora isso, estamos em um bom lugar”, declarou.

Líder do Mundial, Fabio Quartararo fechou o primeiro dia de treinos para o GP da Itália com o nono tempo, 0s628 mais lento do que Aleix. O francês reconheceu que foi para Mugello esperando dificuldades, mas não as que sentiu nesta sexta.

“Estava esperando que este fosse um fim de semana difícil, mas de uma forma diferente”, começou Fabio. “Tive dificuldade na freada. Estava usando demais a pista e escapando demais. Então temos de encontrar uma solução para fazer a curva um pouco mais fechado”, indicou.

“Mas o mais importante hoje foi estar no top-10. Felizmente, estamos na nona colocação, embora eu esperasse mais”, admitiu. “Precisamos encontrar essa coisinha que nos falta. Sinto que podemos dar um grande passo. Acho que é possível brigar pelas duas primeiras filas, talvez até pela primeira”, opinou.

O TL3 da MotoGP para o GP da Itália, em Mugello, oitava etapa da temporada, acontece neste sábado às 4h55 (de Brasília). O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades do Mundial de Motovelocidade 2022.

LEIA TAMBÉM
# MotoGP cita tensão geopolítica e cancela GP da Finlândia na temporada 2022
# Biaggi é incluído no rol das Lendas da MotoGP em cerimônia em Mugello
# Márquez pede equilíbrio com tecnologia e diz: “Piloto deve fazer a diferença”

MOTOGP CUMPRE 1/3 DA TEMPORADA 2022 COM BASTIANINI E GRESINI EM EVIDÊNCIA
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Escanteio SP.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar