F1

Alonso deixa porta aberta para retorno à F1, mas diz que decidiu sair porque “as corridas estão fracas”

Fernando Alonso falou à imprensa pela primeira vez desde o anúncio de que deixa a F1 ao fim de 2019. O piloto espanhol afirmou que outras oportunidades mexem mais com ele atualmente, visto que as corridas da F1 já não representam, de acordo com Alonso, a diversão de outros tempos
Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
 Fernando Alonso se prepara para ir à pista na Hungria (Foto: McLaren)
Dias após o anúncio de que deixa a F1 ao fim da temporada 2018, Fernando Alonso chegou a Silverstone para a etapa deste fim de semana do Mundial de Endurance e falou sobre o assunto com a imprensa pela primeira vez. Entre os motivos para deixar a categoria, citou a "ação pobre na pista" e disse que outros lugares oferecem a ele mais felicidade.
 
Alonso reiterou, no entanto, que está deixando a F1, mas não é uma aposentadoria do campeonato. O bicampeão faz questão de afirmar que ainda é jovem aos 37 anos e tem tempo de retornar caso tenha uma possibilidade especial de vencer corridas. 
 
"Estou pilotando em meu melhor nível. Por que fecharia as portas se posso ter uma boa oportunidade no futuro? Sou jovem, não tenho 45 anos, e me sinto forte. Este ano estou correndo 27 provas. Pensei [que era melhor] parar, por isso que fiz isso. Mas quem sabe...", afirmou.
 
Segundo ele, há outras oportunidades hoje em dia que apresentam mais divertimento a ele mesmo. 
 
"Como eu disse no vídeo, tenho outros desafios que me animam mais e que podem me oferecer mais que a F1 no momento. Vivi grandes momentos na F1 por 17 anos. Consegui mais que sonhava quando comecei em 2001", seguiu.
Fernando Alonso (Foto: McLaren)
"Neste momento, a ação na pista não é a que eu sonhava quando comecei na F1. A ação que eu vivi em outros tempos era diferente. Os últimos dois anos foram tristes e frustrantes pela falta de resultados. Parei porque as corridas estão bastante fracas", criticou. 
 
Alonso, que nunca escondeu o fato de se incomodar sobre ser questionado pelas mensagens ácidas que troca com sua equipe pelo rádio, voltou a alfinetar a forma como tais conversas viraram peça central no campeonato.
 
"Quando se fala mais de coisas que não acontecem na pista, de polêmicas e mensagens de rádio, se vê. Há outras opções que oferecem mais ação e felicidade, por isso tomei a decisão", argumentou.
 
Alonso disse que deve anunciar apenas em outubro o que fará prioritariamente em 2019 - ao lado do WEC. O GRANDE PRÊMIO, entretanto, já revelou que ele será piloto da Harding na temporada completa da Indy, em aliança que envolve a Andretti, a Chevrolet e a McLaren.
 
A F1 volta com o GP da Bélgica, no último fim de semana de agosto.