Confira declarações dos pilotos após a sexta-feira de treinos livres do GP da Inglaterra 2020

Lance Stroll surpreendeu ao fechar a sexta-feira de treinos livres em Silverstone como o mais rápido. Alexander Albon e Valtteri Bottas seguiram o canadense no top-3

Os primeiros treinos livres para o GP da Inglaterra, realizados nesta sexta-feira (31), marcaram um cenário diferente. Com ventos fortes na primeira sessão e bastante calor na segunda, a Mercedes se viu fora da primeira posição nas duas atividades.

Na parte da manhã, a liderança ficou com Max Verstappen, da Red Bull. Já no treino da tarde, melhor para o canadense Lance Stroll, da Racing Point, que foi o mais rápido do dia, seguido por Alex Albon, Valtteri Bottas, Charles Leclerc, Lewis Hamilton, Carlos Sainz, Nico Hülkenberg, Pierre Gasly, Daniel Ricciardo e Kimi Räikkönen, que fecharam o top-10.

GRANDE PRÊMIO transmite ao vivo e em tempo real todas as atividades do GP da Inglaterra, quarta etapa do campeonato da Fórmula 1 2020.

Confira as declarações:

Lance Stroll, primeiro: Líder do TL2, Stroll mira “muitos pontos” em Silverstone que “casa” com Racing Point

Alexander Albon, segundo: Albon se surpreende com Red Bull em Silverstone: “Acho que demos um passo”

Valtteri Bottas, terceiro: “Sem preocupação”: Bottas vê Mercedes capaz de virar jogo após dia fora da ponta

Charles Leclerc, quarto: Leclerc relata falta de equilíbrio do carro: “Muito difícil não cometer um erro”

Leclerc ficou com 1min27s570. O tempo foi suficiente para ficar à frente de Lewis Hamilton (Foto: AFP)

Lewis Hamilton, quinto: Hamilton cita dia complicado com acerto do carro, mas afirma: “Não foi um desastre”

Carlos Sainz, sexto: Sainz minimiza bom resultado no TL2 em Silverstone: “Carro ainda não está lá”

Nico Hülkenberg, sétimo: Hülkenberg vê dia “louco” com molde de banco na madrugada, mas diz: “Valeu a pena”

Pierre Gasly, oitavo: “É ótimo estar de volta a Silverstone, que é uma das melhores pistas da temporada. No geral, foi um bom começo para nós com muitas voltas e testes. Porém, sinto que não coloquei o carro onde deveria estar, então estou confiante que faremos os ajustes corretos na noite. Tem mais performance a vir amanhã”.

Daniel Ricciardo, nono: “É um pouco diferente pilotar aqui sem os fãs, já que é um dos lugares onde você mais sente a presença deles. É uma pista legal de pilotar, gostei de passar nas curvas de alta que o circuito oferecem. Mostramos sinais promissores, mas da minha parte, faltou um pouco de consistência. Em alguns stints, me senti mais feliz que em outros, então temos trabalho a fazer. Como sempre, é uma distância pequena entre um grupo de carros. A temperatura vai cair amanhã, o que pode mudar um pouco”.

Kimi Räikkönen, décimo: “Foi uma sexta-feira movimentada, mas até aqui, tudo bem. Os tempos parecem mais promissores, mas é apenas sexta-feira, não dá para tirar conclusões. O que sabemos é que temos trabalhar muito para tirar o máximo deste fim de semana. As atualizações parecem responder como o esperado, mas ainda é cedo. Não sabemos o que o amanhã vai trazer, especialmente com o clima. Temos que apenas ir lá, fazer o que temos de fazer e espero estar em uma posição melhor que antes”.

Lando Norris, 11º: “Tivemos um dia decente em termos de completar nosso programa. O TL2 foi difícil, um problema no fim significou que eu poderia dar apenas duas ou três voltas com muito combustível, o que foi frustrante. Apesar disso, trabalhamos com as atualizações e algumas das mudanças no carro entender melhor o que temos. No geral, foi um dia difícil com o vento afetando muito o carro. Tornou as coisas complicadas, mas apesar disso, foi positivo passar por tudo que precisávamos”.

Com capacete desenhado por uma menina de 6 anos, Lando Norris foi 11º no TL2 (Foto: McLaren)

Esteban Ocon, 12º: “Foi um dia bem decente, eu diria. Foi bom testar atualizações e sentir o carro em uma pista rápida, com várias curvas de alta velocidade. Achei interessante testar o carro em condições diferentes com o calor e vento forte. No geral, tudo funcionou bem, temos um pouco de ritmo para a classificação. Vamos olhar os dados e estar preparados para amanhã, que é o dia que importa”.

Antonio Giovinazzi, 13º: “Estou bem satisfeito com o que mostramos hoje, mesmo que ainda seja cedo no fim de semana. Não podemos nos acomodar. A manhã foi complicada com o vento, mas fomos muito melhores na tarde. Sinto que demos alguns passos, tanto em termos de classificação e corrida, e as atualizações parecem trabalhar bem, então espero trabalhar nisso. Amanhã, as condições serão diferentes, então precisamos estar prontos para o que vier. Precisamos nos manter calmos e trabalhar”.

Max Verstappen, 14º: Verstappen reclama de Grosjean, mas foca em análise do carro: “Parece melhor”.

Daniil Kvyat, 15º: “Eu acho que foi um dia produtivo mesmo com a bandeira vermelha prejudicando minha sessão quando usava pneus novos. Tive de abortar a volta e fui para a pista com pneus usados, isso foi infeliz. Além disso, trabalhamos em boas coisas, estou satisfeito com o equilíbrio. Temos de analisar tudo e ver o que podemos melhorar amanhã”.

Romain Grosjean, 16º: “Foi um dia positivo pelo comportamento do carro. Acho que fizemos boas mudanças de acerto que me fizeram me sentir melhor no carro na tarde, o que é ótimo. O desafio para o resto do fim de semana é que não veremos estas temperaturas altas de novo, então tudo o que fizemos hoje precisa ser extrapolado para o que pensamos que será o domingo. O equilíbrio esteve OK e estamos tirando o melhor do carro, mas após ficar em 16º e 19º, fica claro que não é o ideal. Gostaríamos de estar em uma posição melhor, mas apenas precisamos fazer o melhor que pudermos. Esperamos colocar um carro no Q2 amanhã, e a médio prazo, ambos. Na corrida, esperamos ter desgaste de pneus melhor que os outros”.

George Russell, 17º: “Foi difícil. O ritmo era OK, provavelmente onde esperávamos estar. Como equipe, este circuito não é bom para o nosso carro como a Hungria. A Alfa Romeo parece rápida, então estaremos em competição com a Haas neste fim de semana. Estamos tentando achar o melhor acerto entre downforce e arrasto. Temos muitas retas aqui, mas várias curvas de alta. Precisamos passar sem nos comprometer por Copse, Maggots e Becketts. Silverstone é minha corrida de casa, ano passado foi bem barulhento com os fãs, e é uma pena não tê-los neste ano. Entretanto, o nível de animosidade é mais pelo ritmo do carro. Não estamos onde queríamos estar, mas temos uma pequena chance de lutar”.

Um dos ingleses do grid, George Russell terminou o dia com a 17ª posição (Foto: Williams)

Sebastian Vettel, 18º: “Foi um dia perdido. Tivemos um problema com o pedal de freio e precisamos parar para consertar aquilo. Então, foi difícil ganhar ritmo, mas acho que temos pequenas coisas para aprender e levar para amanhã”.

Kevin Magnussen, 19º: “Hoje foi um dia quente, o que tornou as coisas complicadas, os pneus superaquecem. Nesta pista, com as curvas de alta, é muito fácil superaquecer os pneus com este calor. Foi um dia interessante e será também ver se as temperaturas mais leves serão melhores para nós. Será outro elemento do aprendizado do VF-20. Não parecemos rápidos, mas esperamos isso e estamos tentando trabalhar com o que temos. Acho que existe um pouco mais a encontrar, mas veremos”.

Nicholas Latifi, 20º: “No geral, gostei bastante da experiência de pilotar. É a minha pista favorita do calendário, então estava ansioso para pilotar aqui. É divertido pela alta velocidade. No TL1, nossos primeiros stints não foram tão ruins, aí tivemos um problema que tirou tempo do nosso programa. Tentamos coisas no TL2 que não funcionaram. Não estive no ritmo que queria, estava com dificuldades em manter consistência, especialmente nos stints cheios de combustível. Acho que temos uma ideia do porquê foi tão difícil, mas ainda precisamos analisar muitas coisas nesta noite”.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube