Verstappen já considera “pilotar pela Red Bull em toda a minha carreira na Fórmula 1”

Ainda que sejam inúmeros os rumores sobre uma eventual ida para a Mercedes em algum momento no futuro, Max Verstappen disse que “pode muito bem” seguir na Red Bull até o fim da sua trajetória na F1. Mas vai depender “do quanto seremos competitivos e do quanto serei competitivo”, disse o piloto

Trailer dos personagens clássicos do game F1 2021 (Vídeo: Codemasters)

Lá em 2014, meses antes de ter sua entrada confirmada na Fórmula 1, Max Verstappen chegou a ser alvo da disputa entre Mercedes e Red Bull. Os taurinos levaram a melhor e, por meio da Toro Rosso (hoje, AlphaTauri), seduziram o então adolescente com uma vaga no Mundial a partir de 2015, quando o piloto tinha somente 17 anos. Desde então, Max virou um fenômeno do esporte, foi promovido para a Red Bull em 2015 e hoje é um dos grandes protagonistas do grid, além de lutar pelo título contra o heptacampeão Lewis Hamilton.

Verstappen tem a carreira toda na Fórmula 1 impulsionada pela Red Bull, mas sua trajetória sempre foi recheada de rumores sobre uma eventual ida para a Mercedes em algum momento no futuro. Com contrato em vigor com a empresa dos energéticos até 2023, Max considera desenvolver uma trajetória diferente de Sebastian Vettel e Daniel Ricciardo, por exemplo, que deixaram a equipe de Milton Keynes em busca de outros ares na F1.

“Talvez continue a pilotar pela Red Bull em toda a minha carreira na F1”, afirmou o piloto de 23 anos em entrevista ao site holandês RacingNews365.com. Contudo, para seguir nas garagens da Red Bull, Max impôs uma condição vital. “Pode muito bem ser. Depende do quanto tempo seremos competitivos e do quanto serei competitivo, claro. Vencer me motiva, ou melhor, somente a chance de vencer”, disse.

Max Verstappen cogita até continuar na Red Bull ao longo de toda a sua carreira. Mas com uma condição (Foto: Red Bull Content Pool)

LEIA TAMBÉM
+Aston Martin patina em 2021 porque não é capaz de desenvolver ‘Mercedes verde’
+AlphaTauri vira decepção em 2021 e passa a depender do brilho de Gasly para reagir
+Ocon cresce e carrega Alpine nas costas enquanto Alonso tenta se reencontrar na F1
+Russell sofre com volta da ameaça Ocon em ano que prometia ser desfile rumo à Mercedes

Dono do recorde de precocidade ao ser o vencedor mais jovem da história da F1, com 18 anos, sete meses e 15 dias, Verstappen já coleciona 11 triunfos no Mundial ao longo de uma carreira de 123 GPs disputados. Entretanto, muito em razão do domínio da Mercedes desde o início da era híbrida de motores, em 2014, o holandês nunca conseguiu passar do terceiro lugar no campeonato, colocação obtida em 2019 e 2020.

No fim das contas, é a busca por vitórias e por títulos que motiva Verstappen a fazer parte da Fórmula 1.

“Preferiria vencer o maior número possível de títulos, mas isso depende do pacote [que você tem]. Às vezes, você tem sorte, e isso é bom para períodos mais longos, e às vezes você não tem sorte. Espero ganhar alguns títulos, mas nunca se sabe”, comentou o dono do carro #33.

Questionado pela publicação se teria a mesma motivação se os títulos não vierem ou se der o azar de ter um carro que não seja capaz de lutar além do meio do pelotão da Fórmula 1, Verstappen deixou claro que não veria motivos para continuar.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

“Vou parar com isso em algum momento. Claro que é uma história completamente diferente se você está lutando pelas posições de ponta. Se estivesse bem atrás, chegaria a um ponto em que isso não faria sentido”, declarou.

Da mesma forma, o holandês não se imagina seguindo os passos de Kimi Räikkönen, que estreou na F1 em 2001, interrompeu sua trajetória na principal categoria do automobilismo no fim de 2009 e voltou em 2012. O ‘Homem de Gelo’ é o recordista de largadas, com 334 GPS disputados, e está na sua 19ª temporada no Mundial. “Quero seguir correndo até quando sentir que gosto disso”, respondeu.

Ao ser perguntado sobre o que faria se deixasse a Fórmula 1, Max descartou seguir seu envolvimento com a categoria, mas não com o automobilismo em si. “Ainda tenho muito o que fazer. Mas faria corridas de carro mesmo assim, mas em particular. Passo muito tempo com os amigos. Não compraria uma equipe ou um carro de F1 ou qualquer coisa do tipo. Partiria para um tipo diferente de carro”.

Por fim, Verstappen falou sobre como leva a sério também a vida no automobilismo virtual. O piloto representa a Team Redline e é presença constante em corridas como as 24 Horas de Le Mans virtuais. Tanto no simulador quanto no real, o desejo de Max é um só: o topo do pódio.

“Comecei no PlayStation e, especialmente nos últimos anos, tenho levado isso muito a sério. Tenho a mesma mentalidade que tenho na Fórmula 1. Gosto muito disso, especialmente se tiver a chance de vencer. Isso torna tudo ainda mais agradável”, concluiu.

Max Verstappen é uma das atrações do GP de Mônaco, quinta etapa da temporada 2021 do Mundial de Fórmula 1, que acontece neste fim de semana, com treinos livres a partir desta quinta-feira. O GRANDE PRÊMIO acompanha tudo AO VIVO e em TEMPO REAL.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar