Verstappen ignora chove-não-molha no GP da Bélgica e vence 8ª seguida na F1 2023

Max Verstappen fez o que quis no GP da Bélgica deste domingo (30), cruzando a linha de chegada mais de 20s à frente de Sergio Pérez. Charles Leclerc completou o pódio

Seja na chuva, no sol ou mesmo com o tempo completamente indefinido, não tem para ninguém na Fórmula 1 2023: Max Verstappen ultrapassou os adversários como quis e venceu o GP da Bélgica deste domingo (30), a décima vitória em 12 corridas realizadas até aqui.

Se o sábado foi totalmente comprometido pelo aguaceiro que caiu sobre Spa-Francorchamps, a corrida de domingo foi marcada por um chove-não-molha que causou zero impacto nas estratégias de pista. Mesmo no momento em que as câmeras da transmissão já mostravam alguns pingos, os pilotos que entravam nos boxes optavam pelos slicks.

Relacionadas


De fato, não havia sentido em arriscar intermediários com a pista ainda seca. Para completar, o sol ainda surgiu forte nas 20 voltas finais, e Verstappen só teve o trabalho de cuidar dos pneus para levar o carro até mais uma bandeirada — a oitava consecutiva, ficando a uma de igualar o recorde de Sebastian Vettel.

Sergio Pérez completou a dobradinha da Red Bull, com Charles Leclerc vencendo a acirrada disputa dos taurinos para baixo e ficando com o terceiro. Lewis Hamilton terminou na quarta colocação, à frente de Fernando Alonso. George Russell ficou em sexto, com Lando Norris em sétimo. Esteban Ocon, Lance Stroll e Yuki Tsunoda completaram o top-10.

A Fórmula 1 entra nas tradicionais férias de verão na Europa e retorna de 25 a 27 de agosto em Zandvoort, na Holanda, para a disputa da 13ª etapa da temporada 2023. O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades AO VIVO e em TEMPO REAL. Aos sábados e domingos, há ainda a transmissão em segunda tela, no canal 1 do GP no YouTube, em parceria com a Voz do Esporte.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Charles Leclerc segurou a ponta na largada, mas por pouco tempo (Foto: Ferrari)

Confira como foi o GP da Bélgica da F1:

Após um sábado totalmente comprometido pela chuva, com atraso total de mais de 1h até a largada da corrida sprint, a Fórmula 1encontrou pela frente no domingo um clima ainda bastante incerto antes da largada. Cerca de 15 minutos antes do previsto, quando os carros já estavam no grid se parando para o início da prova, a transmissão oficial da categoria já relatava uma leve garoa em Spa-Francorchamps, apesar do céu em parte azul. De fato, a previsão do tempo apontava para um risco de 60% de chance de chuva durante a corrida, enquanto os termômetros marcavam 18°C, com o asfalto em 28°C e a umidade relativa em 63%.

No grid, apenas uma mudança: Nico Hülkenberg, que já era o último colocado, alinhou do pit-lane após a Haas optar pela troca da unidade de potência do carro #27. Mas não sem antes um belo susto, com a traseira do carro soltando uma fumaça estranha ainda nos boxes apesar do motor novo em folha. Verstappen, que fez o melhor tempo, já sabia desde a sexta-feira que teria de alinhar em sexto por conta da troca de câmbio do RB19.

Com isso, Leclerc tomou a posição de honra, tendo ao seu lado Pérez. Hamilton e Carlos Sainz vinham logo atrás, e os quatro optaram pelos macios para a primeira perna da corrida, ao contrário de Oscar Piastri, quinto colocado, calçado com os médios.

Verstappen, por sua vez, escolheu a mesma estratégia dos ponteiros e partiu com os de faixa vermelha. Luzes apagadas, Leclerc até manteve a ponta, mas logo foi superado por Pérez na Kemmel, que colocou por fora e ganhou a posição na freada da Les Combes. Hamilton, por sua vez, conseguiu defender o terceiro posto e evitar o ataque de quem vinha de trás.

Já Piastri, que tentou tracionar por dentro na La Source, foi tocado por Sainz totalmente perdido na freada da curva 1 e levou a pior, despencando no grid. Com o carro avariado, arrastou-se pelos intermináveis 7 km do circuito belga em direção aos boxes, mas parou pelo meio do caminho antes num ponto que não exigiu entrada do safety-car.

Após breve período com os setores 2 e 3 sob bandeira amarela, a pista foi novamente liberada para o pelotão acelerar, puxados por Pérez, com Leclerc já a 2s1 de distância. Hamilton e Verstappen, separados por apenas 0s5, vinham na sequência, enquanto Alonso superava Sainz — com um buraco na lateral direita da SF-23 — e assumia o quinto posto.

Oscar Piastri abandonou o GP da Bélgica logo na largada (Vídeo: F1 TV).

Sem rendimento por conta dos danos, Carlos logo foi superado também por Tsunoda e Alexander Albon, caindo para oitavo. Pouco mais à frente, no giro 6, Verstappen aproveitava o DRS para trazer o seu RB19 para a linha de dentro e ganhar posição sobre Hamilton na freada da Les Combes. Depois, emendou a volta mais rápida e começou a buscar Leclerc.

Na volta 7, alguns pilotos já partiram para a parada obrigatória, com destaque para Norris, que foi um dos que largaram com médios, porém decidiu mudar para a gama mais dura da Pirelli. Sainz também veio no giro seguinte, ainda seguindo na corrida.

Enquanto isso, a Mercedes informava a Hamilton que havia “chance potencial de chuva em 20 minutos”, ao que Verstappen, sem o menor conhecimento, passava por Leclerc na Kemmel da maneira como bem entendeu. Sem ter absolutamente nada a fazer, o monegasco apenas assistiu de camarote à velocidade impressionante do RB19 em reta.

Mais uma rodada de pits, e Alonso colocou os compostos duros, retornando à frente de Hülkenberg, num impressionante nono lugar após largar dos boxes. Com os pneus mais aquecidos, o alemão efetuou a ultrapassagem sobre o representante da Aston Martin sem dificuldades, porém ainda tendo de parar.

Do primeiro, Pérez, ao oitavo, Hülkenberg, nenhum ainda havia parado. Alonso era o primeiro da fila já com uma troca efetuada, e o #14 conseguiu retomar o posto sobre o alemão da Haas no giro 12, também na Kemmel.

Hamilton, então, fez a sua troca e voltou em quarto, entre Leclerc e Stroll, ambos ainda sem paradas. A Red Bull, em seguida, chamou Pérez, e Leclerc entrou junto.

Max, então, questionou a equipe sobre a hora de entrar nos boxes em um momento ‘DR’ com o engenheiro Gianpiero Lambiase. Enquanto o #1 insistia sobre a estratégia de Pérez, ouviu de Lambiase um seco “use a cabeça, siga minhas instruções, por favor”. O holandês efetuou o pit-stop no giro 14 e voltou muito próximo do companheiro de equipe, conseguindo a ultrapassagem na volta 17, no início da Kemmel.

Assim, que passou, a diferença para Sergio subiu para 1s5 e aumentando a cada metro. Só que a prometida chuva começou a cair ligeira na curva 1, segundo Sainz. A torcida nas arquibancadas também já se agitava buscando os guarda-chuvas, porém a água era insuficiente para causar movimentação nos boxes.

No giro 20, os únicos ainda sem paradas eram Russell, em sexto, Pierre Gasly, em oitavo, e Stroll, preparando-se para trocar a borracha, mas foi de compostos macios. Mais duas voltas, e as câmeras da transmissão já mostravam tímidas gotas. Russell, então, foi para sua troca, mas foi outro a insistir nos slicks, uma vez que a chuva era insuficiente para exigir intermediários.

Charles Leclerc conquistou o pódio no GP da Bélgica (Foto: AFP).

Posições restabelecidas após a parada de Gasly, Verstappen vinha com 6s3 de frente para Pérez, com 7s1 para Leclerc. Hamilton, Alonso, Tsunoda, Ocon, Kevin Magnussen, Valtteri Bottas e Hülkenberg fechavam o top-10, enquanto Sainz recolhia o carro, abandonando de vez.

Na volta 26, do nada, o sol brilhou forte, jogando a chuva para escanteio de vez. Os pilotos, então, foram pouco a pouco para mais uma rodada de pits, cada um seguindo a sua referida estratégia. Verstappen, por exemplo, trocou novamente para os macios e retornou à pista ainda com 9s4 de vantagem sobre Pérez.

Enquanto isso, em mais um capítulo da novela Lambiase/Verstappen, o holandês dizia pelo rádio que os pneus tinham apresentado um desgaste razoável no primeiro stint, enquanto ouvia novamente “Você pode usar um pouco a cabeça, por favor?”. Só que Max, provavelmente entediado, sugeriu um pit-stop extra “para treinamento”. Lambiase apenas limitou-se a um “não dessa vez”. A questão é que Max já tinha dado uma bela escorregada na Eau Rouge, portanto não estava nada ganho, por mais fácil que parecesse.

No mais, a corrida ainda viu uma bela ultrapassagem de Ocon sobre Tsunoda, válida pelo nono lugar. Depois, o francês ainda superou Stroll, ganhando mais um posto, enquanto Hamilton parou para uma última troca e conseguiu a volta mais rápida, encostando de vez em Alonso na briga pelo terceiro lugar do campeonato.

F1 2023, GP da Bélgica, Spa-Francorchamps, Final:

1M VERSTAPPENRed Bull Honda44 voltas 
2S PÉREZRed Bull Honda+22.305 
3C LECLERCFerrari+32.259 
4L HAMILTONMercedes+49.671 
5F ALONSOAston Martin Mercedes+56.184 
6G RUSSELLMercedes+63.101 
7L NORRISMcLaren Mercedes+73.719 
8E OCONAlpine+74.719 
9L STROLLAston Martin Mercedes+79.340 
10Y TSUNODAAlphaTauri Honda+80.221 
11P GASLYAlpine+83.084 
12V BOTTASAlfa Romeo Ferrari+85.191 
13G ZHOUAlfa Romeo Ferrari+95.441 
14A ALBONWilliams Mercedes+96.184 
15K MAGNUSSENHaas Ferrari+101.754 
16D RICCIARDOAlphaTauri Honda+103.081 
17L SARGEANTWilliams Mercedes+104.476 
18N HÜLKENBERGHaas Ferrari+110.450 
 C SAINZ JRFerrari NC
 O PIASTRIMcLaren Mercedes NC
Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da Fórmula 1 direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.