Rins revela 1º passo com Yamaha e comenta saída da Honda: “Gostaria de mais apoio”

Álex Rins diz que pesou na decisão de deixar a LCR Honda o tratamento que vinha recebendo da HRC durante a temporada 2023 da MotoGP. Espanhol considerou que a chance de defender a Yamaha é uma oportunidade única

Álex Rins revelou que foi ele quem procurou a Yamaha para checar se havia uma oportunidade na equipe para a temporada 2024. Espanhol revelou que já tinha buscado a casa de Iwata quando da saída da Suzuki da MotoGP, mas voltou a insistir nesta temporada.

No início do mês, a Yamaha confirmou que a relação com Franco Morbidelli chegaria ao fim no encerramento do campeonato deste ano e, pouco depois, anunciou a chegada de Rins para formar par com Fabio Quartararo.

Álex Rins foi o único a vencer com a Honda em 2023 (Foto: MotoGP)

Relacionadas


▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Nas primeiras declarações após o anúncio, Rins explicou que o tratamento que vinha recebendo a Honda motivou a saída. Ao longo do ano, o espanhol reclamou publicamente das poucas oportunidades que vinha recebendo da HRC, que ficou em Marc Márquez e Joan Mir o teste das novas peças, ainda que o #42 fosse contratado diretamente pela gigante japonesa.

“O que mais pesou foi o que eu vi corrida a corrida”, disse Rins ao serviço de streaming DAZN. “No fim, a Honda, a HRC, preferiu dar ao time de fábrica as novas peças para testar mesmo que eu seja um piloto competitivo”, seguiu.

“Bom, eu gostaria que eles tivessem me dado um pouco mais de apoio”, assumiu. “Lamento, pois a relação com Lucio Cecchinello é espetacular, nunca tive isso antes com nenhum chefe de equipe e as vibrações nos boxes são imaculadas”, comentou.

Rins explicou, ainda, que, por causa da boa relação com Lucio Cecchinello, chefe da LCR, a decisão foi dificultada, mas o próprio dirigente entendeu a posição do espanhol.

“Eu pensei em sair ou não, mas não deu para recusar. Disse a Lucio que até me sentia mal, foi um duro golpe, mas ele me disse que entendia perfeitamente”, contou. “É uma oportunidade única, uma equipe de fábrica e acho que é algo que e mereço. Depois de tantos dias ruins, o anúncio de que assinei com a Yamaha foi incrível. Estou muito feliz”, declarou.

Por fim, Rins revelou que foi ele quem buscou a Yamaha, repetindo um movimento que tinha feito após o anúncio da retirada da Suzuki da MotoGP.

“Depois que a Suzuki saiu, ficamos perdidos, batemos em todas as portas e um das portas em que batemos foi a Yamaha, mas eles nos disseram que naquele momento não dava, que já tinham Morbidelli e Quartararo”, contou. “No fim, fomos para Honda e, vendo como tudo ocorreu, a posição que estávamos… perguntamos mais uma vez para ver se tínhamos alguma sorte, e tivemos”, revelou.

“Estou ansioso para isso. É um projeto em uma equipe de fábrica, que é algo que eu estava buscando, e estou muito empolgado, mas vou terminar essa temporada com o mesmo entusiasmo com que comecei”, encerrou.

MotoGP retoma suas atividades no fim de semana do dia 20 de agosto, com o GP da Áustria, a ser disputado no Red Bull Ring. O GRANDE PRÊMIO faz a cobertura completa do evento, assim como das satélites Moto2Moto3 e MotoE.

Aprilia cresce nas férias e pressiona KTM por rótulo de segunda força da MotoGP
Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da MotoGP direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.