Miller e Bagnaia são acerto da Ducati. Mas saem de férias ofuscados por Zarco

Promovidos à equipe oficial da casa de Bolonha em 2021, os pilotos fizeram uma boa primeira parte de temporada e mostraram a boa performance da Desmosedici neste ano, mas foram para as cinco semanas de descanso atrás de Johann Zarco na classificação do Mundial de Pilotos

Por mais que as saídas de Danilo Petrucci e Andrea Dovizioso não tenham sido um primor de delicadeza, difícil contestar a decisão da Ducati de promover Jack Miller e Francesco Bagnaia à equipe de fábrica na temporada 2021 da MotoGP. Com a estrutura renovada ― tanto no time principal quanto nos satélites ―, a casa de Borgo Panigale deu um importante salto de performance e lançou um firme desafio para a Yamaha na briga pelo título.

É fato que a Ducati vinha em uma fase crescente nos últimos anos, mas 2021 se destaca pela firme presença de vários pilotos da marca na parte de cima da tabela. Depois de nove corridas, são três os competidores equipados pela casa de Borgo Panigale no top-5 da classificação: Johann Zarco é o segundo colocado, Francesco Bagnaia ocupa a terceira colocação e Jack Miller é o quinto.

Jack Miller e Francesco Bagnaia formam uma boa dupla para a temporada 2021 da MotoGP (Foto: Michelin)

LEIA TAMBÉM
# Yamaha precisa de solução caseira e eficiente para vaga de Viñales em 2022: Morbidelli
Aos 42 anos, Rossi vê competitividade minguar e se aproxima da aposentadoria da MotoGP
Razgatlioglu e Gerloff largam na frente por vaga na SRT. Mas estão prontos para MotoGP?
Pedrosa correr como wildcard ainda na temporada 2021 é bom negócio para KTM e MotoGP
Quartararo mostra velocidade e maturidade para protagonizar primeira metade de 2021

É importante dizer, porém, que Miller decepcionou um pouco. O australiano de Townsville começou o campeonato com o rótulo de favorito depois de liderar os testes de pré-temporada, mas iniciou a disputa com dois nonos lugares e um abandono, somando apenas 14 pontos. O piloto de 26 anos, contudo, conseguiu dar a volta por cima ― graças também ao apoio de Lucy, a esposa de Cal Crutchlow, e suas ligações motivacionais. Nas três corridas seguintes, Jack somou 60 pontos, mais de quatro vezes mais do que a pontuação da primeira trinca de GPs.

Assim, Miller conseguiu descontar o prejuízo da performance ruim das três primeiras corridas e se instalar firmemente na parte de cima da tabela. Para brigar com Fabio Quartararo, o atual líder da classificação, Jack vai precisar de consistência, mas já com 56 pontos de atraso na classificação, terá de também aumentar a conta de vitórias.

Bagnaia, por outro lado, começou o ano melhor, com três pódios nas primeiras quatro corridas. O italiano de Torino, que já no ano passado sonhou com o primeiro triunfo, ainda não conseguiu vencer, mas, no que tange a tabela de classificação, é o mais bem colocado entre os pilotos do duo oficial de Bolonha.

Ao longo desta primeira metade de campeonato, Bagnaia mostrou que tem ritmo para obter um bom resultado mesmo largando mais atrás, mas se quiser ser um desafiante mais sólido na briga pelo título, uma performance constante na classificação será mais do que bem-vinda.

Apesar de alguns tropicões aqui e ali, a avaliação geral da parceria entre Bagnaia e Miller é positiva. Só que os dois não enfrentam apenas a concorrência externa. E têm um inimigo quase em casa: Johann Zarco.

Rápido e constante, Johann Zarco coloca pressão no duo de fábrica da Ducati (Foto: Pramac)

O francês da Pramac vem conseguindo reconstruir a carreira depois de uma intempestiva saída da KTM em meados de 2019 e encaixou muito bem com o protótipo da Ducati. A passagem pela Avintia já tinha sido positiva, já que ele conquistou os melhores resultados da história da equipe, mas o casamento com a Pramac vive dias gloriosos.

Zarco já mostrou outras vezes que é um bom piloto. Com a Ducati, vai ainda mais longe. Nas nove corridas disputadas em 2021, o francês de Cannes conquistou seis top-4, sendo quatro pódios pelo segundo lugar, foi duas vezes oitavo e registrou um abandono. Assim, o piloto da moto #5 soma 122 pontos, 34 a menos que Quartararo.

Com pelo menos dez corridas pela frente ― ao menos de acordo com a programação confirmada até agora pela FIM (Federação Internacional de Motociclismo) ―, a distância em relação ao líder não é determinante, mas tem um tamanho bastante importante.

Salvo algumas exceções, Zarco tem sido constante, mas vencer será importante para encarar Quartararo, que já triunfou quatro vezes no ano. A grande diferença é que, ao menos na distribuição dos papéis, o piloto de 31 anos deveria ser um coadjuvante. Com atuação de protagonista, Johann aumenta a pressão em cima de Miller e Bagnaia e, acima de tudo, valoriza o próprio passe.

A Ducati, claramente, escolheu muito bem seu plantel de pilotos para 2021. Veremos qual deles vai chegar primeiro na temporada de premiações.

MotoGP está de férias por cinco semanas e volta a correr apenas no dia 8 de agosto, no Red Bull Ring, para o GP da Estíria. Acompanhe a cobertura do GRANDE PRÊMIO sobre o Mundial de Motovelocidade.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar