Na Garagem: Pedrosa usa força da Honda na China e vence na 4ª corrida na MotoGP

Há 15 anos, o espanhol assegurou a primeira vitória na classe rainha do Mundial de Motovelocidade ao bater Nicky Hayden por 1s505. Colin Edward completou o pódio em Xangai

Jack Miller celebrou a vitória com os integrantes da Ducati (Vídeo: MotoGP)

HÁ 15 ANOS, DANI PEDROSA VIVEU UM DIA HISTÓRICO NO CHINA. Apenas na quarta corrida da carreira na MotoGP, o espanhol de Sabadell se valeu da força da Honda para conquistar a primeira vitória da carreira na classe rainha do Mundial de Motovelocidade.

No já distante ano de 2006, Dani chegou à categoria principal do Mundial trazendo na bagagem três títulos mundiais ― um nas 125cc e dois nas 250cc. Contratado pela Honda, Pedrosa chegou já com o pé na porta, uma vez que conquistou o segundo lugar já no GP da Espanha, primeira etapa do campeonato. Na corrida seguinte, no Catar, o piloto conhecido pelo #26 foi sexto e, depois, na Turquia, 14º.

Dani Pedrosa venceu pela primeira vez aos 20 anos (Foto: Repsol)

LEIA MAIS
⇝ Sorte sorri para Miller, que apazigua críticos e sai protagonista do GP do Espanha
⇝ Falta de segurança irrita pilotos e coloca futuro da MotoGP em Jerez em xeque
⇝ Red Bull Rookies Cup: a categoria de base de ouro do Mundial de Motovelocidade
⇝ Pol Espargaró escancara frustração após quatro GPs e se mostra perdido na Honda
⇝ Ducati consegue raro desempenho em Jerez e se permite sonhar com título em 2021
⇝ Lado a lado: as vitórias de Jack Miller na classe rainha do Mundial de Motovelocidade
⇝ Azar desprestigia Morbidelli em 2021. Mas Yamaha tem obrigação de corrigir futuro
⇝ KTM sofre com novos pneus e desmancha evolução obtida em 2020 após quatro etapas

Em Xangai, Pedrosa teve um dia positivo já no sábado, quando estreou não só na primeira fila, mas também na pole-position. Com o tempo de 1min59s009, o então titular da Honda assegurou o lugar de honra no grid, superando John Hopkins por 0s346.

Naquele 14 de maio, Dani largou bem, mas escapou da linha na curva 1 e acabou caindo para terceiro, atrás de Colin Edwards e John Hopkins. Pouco depois, Loris Capirossi também superou o espanhol, que escorregou para a quarta colocação.

Dani, porém, se lançou ao ataque, passou Capirossi e começou a perseguir Hopkins, que, de Suzuki, vinha colado na Yamaha de Edwards. Pedrosa ensaiou a ultrapassagens algumas vezes, mas John foi muito bem na defesa até ceder a posição na volta 9.

Sem muita demora, Pedrosa aproveitou a reta de Xangai para tomar a liderança de Edwards, que agora era pressionado por Hayden. Uma vez na frente, o espanhol não foi mais incomodado e, aos 20 anos, seguiu em frente para receber a bandeirada na primeira posição. Edwards fechou o pódio chinês.

Dani Pedrosa venceu em dobradinha da Honda com Nicky Hayden (Foto: Repsol)

Hopkins acabou em quarto, 19s265 atrás de Pedrosa. Casey Stoner ficou com o quinto posto, com Makoto Tamada, Marco Melandri, Loris Capirossi, Sete Gibernau e Shinya Nakano completaram o top-10. Valentino Rossi, que defendia o título, não completou aquela corrida,

Dani seguiu na MotoGP até 2018, sempre correndo pela Honda. No total, o espanhol conseguiu 153 pódios, 112 deles na MotoGP, 24 nas 250cc e 17 nas 125cc. Na classe rainha, o espanhol alcançou 31 poles e venceu 31 corridas.

Pedrosa foi três vezes vice-campeão: 2007, 2010 e 2013. Mas apesar de ter chegado perto algumas vezes, nunca conseguiu alcançar o sonho do título. Dani se aposentou no fim de 2018 e logo foi incluído na lista de Lendas da MotoGP. Hoje, o espanhol atua como piloto de testes da KTM e tem sido peça chave na evolução da RC16.

A MotoGP volta à ação no dia 16 de maio, com o GP da França, quinta etapa do calendário. Acompanhe a cobertura do GRANDE PRÊMIO sobre o Mundial de Motovelocidade.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar