Ofuscado em 2019, Morbidelli vira jogo e chega ao fim de 2020 melhor que Quartararo

Depois de ser ofuscado pelo jovem estreante em 2019, o ítalo-brasileiro vai para a final da temporada brigando pelo vice-campeonato e empatado em três vitórias com o companheiro de SRT Yamaha

Depois de ser surpreendido por Fabio Quartararo na temporada 2019 da MotoGP, Franco Morbidelli conseguiu virar o jogo e vai para a última corrida do ano em melhor condição no campeonato. Embora a dupla da SRT Yamaha esteja empatada no quesito vitórias, com três para cada, o ítalo-brasileiro tem o que pode ser chamado de um conjunto melhor da obra em 2020.

No ano passado, Franco foi recrutado para ser o piloto principal da equipe comandada por Razlan Razali, mas acabou pego de surpresa pelo então estreante francês. Ao longo do ano, o italiano de Roma foi duplamente derrotado pelo companheiro de equipe. E com placares elásticos. Em termos de classificação, foi uma lavada: Quartararo 16 x 3 Morbidelli. Nas corridas, um equilíbrio um pouco maior, ainda que favorável ao caçula, que largou 11 vezes na frente do integrante de Academia de Pilotos VR46 em 19 corridas.

Além disso, Fabio largou na pole em seis oportunidades, ao passo que Franco não o fez nenhuma vez. A situação, aliás, se repetiu no quesito pódios, já que o competidor de Nice esteve no top-3 e em sete ocasiões.

Morbidelli venceu pela terceira vez na temporada em Valência (Foto: SRT)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

Ao fim do campeonato, o estreante ficou com a quinta colocação na classificação, com 192 pontos, 228 a menos que o campeão Marc Márquez. Morbidelli, que estava no segundo ano na classe rainha e contando com uma moto como a de fábrica ― diferente de Fabio, que tinha uma versão menos potente da YZR-M1 ―, foi só décimo, 305 pontos atrás do vencedor.

O cenário mudou os planos na Yamaha. Quartararo acabou ganhando uma moto de fábrica para 2020, enquanto Morbidelli teve de se contentar com uma especificação de 2019. No início do campeonato, por exemplo, o italiano não contava com o dispositivo de altera a altura da suspensão traseira, mas conseguiu convencer a casa de Iwata em meados do caminho e hoje já tem o chamado holeshot.

Mas não foi só isso. Se chegou com o estigma de futuro sucessor de Rossi, Morbidelli viu a Yamaha contratar Quartararo para formar dupla com Maverick Viñales nos próximos dois anos e vai seguir com a escuderia satélite, mas, ao menos no campeonato seguinte, com a companhia do amigo e mentor. E contando, mais uma vez, com a moto de 2019.

Franco nunca escondeu que sentiu a derrota para o companheiro de equipe. E admitiu isso logo no início do ano.

“A temporada 2019 foi também uma lição importante. Talvez tenha sido a primeira vez que fui batido pelo meu companheiro de equipe e, acredite em mim, isso dói”, disse Morbidelli em abril passado. “Ter Quartararo como companheiro de equipe é uma fonte de pressão, mas também de constante motivação para crescer. Aprendi com Fabio a dura ética de trabalho dele”, seguiu.

“Ao longo do inverno, treinei mais duro do que nunca na moto e aumentei o número de horas na academia. Também coloquei minha vida em ordem, mudando pequenos, mas importantes hábitos. Encarei a preparação de inverno com mais foco e determinação”, avisou.

O trabalho, porém, deu resultados. Faltando apenas uma prova para o encerramento da temporada, Morbidelli ainda perde para Quartararo em termos de classificação, já que saiu apenas cinco vezes na frente do francês em 13 etapas. Nas corridas, porém, a vantagem é de Franco: 7 a 6.

Se fizermos uma média dos resultados de ambos em todas as corridas desde ano, Morbidelli fica com a quarta colocação, ao passo que Fabio ficou só em sexto.

Depois de conquistar no GP da Comunidade Valenciana a terceira vitória do ano, Morbidelli vai desembarcar em Portimão com a vice-liderança o Mundial, com 142 pontos, enquanto Quartararo, o quinto colocado, tem 17 pontos de atraso.

Com 25 ainda em disputa, Fabio permanece com chances de encostar, mas, aconteça o que acontecer no traçado português, o que fica de 2020 é um jogo bastante mais equilibrado. A partida pode até terminar em empate, mas a atuação do italiano, na totalidade do jogo, foi mais atrativa.

LEIA TAMBÉM
Mir dribla tumultos, prima pela regularidade e entra em seleta lista de campeões pela Suzuki
Suzuki se agiganta no ano do centenário e recupera título após duas décadas de jejum
Aos 23 anos, Mir passa Lorenzo e é 7º campeão mais jovem da classe rainha
Mir é campeão com menor número de vitórias em uma temporada na MotoGP

Ouça os programas do GRANDE PRÊMIO no formato de podcast:
Anchor | Apple | Spotify | Google | Pocket Cast | Radio Public | Breaker

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube