Rossi agradece confiança de ex-campeões, mas diz que não lê especulações sobre futuro

Piloto da SRT Yamaha voltou a destacar que a permanência na MotoGP em 2022 será definida pelos resultados. Italiano lamentou a ausência dos fãs em Mugello

Jack Miller se aventurou com os slicks no fim do TL1 em Le Mans (Vídeo: MotoGP)

Valentino Rossi afirmou que não lê as especulações da imprensa sobre o futuro na MotoGP já há 15 anos. O piloto da SRT Yamaha, no entanto, admitiu que às vezes tem contato com este conteúdo pelas redes sociais e agradeceu as palavras gentis que recebeu de Kevin Schwantz e Carl Fogarty.

Semana passada, em uma participação no podcast Tank Slappers, da publicação britânica Autosport, Schwantz lamentou a atual situação de Rossi na MotoGP, mas disse ter certeza de que “o #46 vai lutar outra vez”.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

VALENTINO ROSSI; YAMAHA; SRT; MOTOGP; JEREZ;
Valentino Rossi frisou que resultados vão definir futuro na MotoGP (Foto: SRT Yamaha Petronas)

WEB STORY
⇝ Fatos e curiosidades sobre o GP da França de MotoGP

Com contrato de apenas um ano com a equipe malaia, Rossi ainda não decidiu se estará na MotoGP em 2022. O piloto de Tavullia completou 42 anos em meados de fevereiro.

Questionado se vê a especulação da imprensa sobre o que fará no futuro, Rossi respondeu: “Eu não leio nada, nunca. Mas é assim há uns 15 anos!”.

“Mas, às vezes, vejo coisas no Instagram. Alguns falam bem de mim, outros menos! Vi boas palavras de Kevin [Schwantz] e [Carl] Fogarty. Tenho de dizer obrigado aos ex-campeões que falaram bem”, seguiu. “Gosto que Kevin disse que ainda confia em mim e que ainda tenho alguma luta em mim. Concordo com ele e vou tentar demonstrar”, avisou.

Rossi, que reconheceu que a equipe saiu do GP da Espanha com o moral baixo, encontrou algumas soluções no teste realizado em Jerez logo após a corrida e agora torce para confirmar o avanço em Le Mans, mesmo que a previsão do tempo não seja das melhores.

“É uma pena, pois gosto de Le Mans e, historicamente, também é uma pista boa para a Yamaha, então torço por um fim de semana seco também para entender se o trabalho que fizemos no teste de segunda-feira em Jerez pode nos ajudar a sermos mais fortes aqui”, comentou. “Mas o clima é esse e vamos ver. Será importante tentar ser competitivo em todas as condições, porque o clima muda a cada dez minutos”, observou.

Por fim, Rossi lamentou a ausência da torcida no GP da Itália, mas ressaltou que a decisão de seguir ou não na MotoGP em 2022 será influenciada pelos resultados.

“Acho que Mugello é um lugar em que não ter os fãs é um grande problema, pois a pista é um estádio natural. Talvez Jerez seja assim, ou Assen. Mas em Mugello você vê as pessoas quando pilota, é uma das únicas pistas”, contou. “É uma grande pena não ter os fãs também neste ano, mas vai depender muito dos resultados se continuo em 2022”, completou.

A MotoGP volta à ação no dia 16 de maio, com o GP da França, quinta etapa do calendário. Acompanhe a cobertura do GRANDE PRÊMIO sobre o Mundial de Motovelocidade.

LEIA MAIS
⇝ Sorte sorri para Miller, que apazigua críticos e sai protagonista do GP do Espanha
⇝ Falta de segurança irrita pilotos e coloca futuro da MotoGP em Jerez em xeque
⇝ Red Bull Rookies Cup: a categoria de base de ouro do Mundial de Motovelocidade
⇝ Pol Espargaró escancara frustração após quatro GPs e se mostra perdido na Honda
⇝ Ducati consegue raro desempenho em Jerez e se permite sonhar com título em 2021
⇝ Lado a lado: as vitórias de Jack Miller na classe rainha do Mundial de Motovelocidade
⇝ Azar desprestigia Morbidelli em 2021. Mas Yamaha tem obrigação de corrigir futuro
⇝ KTM sofre com novos pneus e desmancha evolução obtida em 2020 após quatro etapas
⇝ Na Garagem: Pedrosa usa força da Honda na China e vence na 4ª corrida na MotoGP

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar