Filme da F1 com Brad Pitt vive crise na produção e planeja reiniciar gravações do zero

Com problemas de roteiro e financeiro, novo filme que tem Fórmula 1 como plano de fundo terá gravações reiniciadas e material feito totalmente descartado. Brad Pitt também é alvo de críticas

A produção de um filme com a Fórmula 1 de plano de fundo, que ainda não tem nome definido e terá Brad Pitt como um dos protagonistas, vive crise. Uma reportagem da revista Business F1 apontou diversos grandes problemas que o longa tem passado em sua produção e em todos os aspectos do filme, inclusive na parte financeira.

O filme foi anunciado oficialmente em junho de 2022 e teve o heptacampeão mundial Lewis Hamilton anunciado como um dos produtores executivos. No GP da Inglaterra deste ano, a fictícia APXGP apareceu pela primeira vez no paddock da F1, com um carro réplica participando de sessões especiais durante o fim de semana de corrida.

Segundo a reportagem, todo material já filmado será descartado, e a decisão é de começar tudo novamente porque o trabalho feito anteriormente “era muito confuso e não fazia sentido algum”.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Brad Pitt em Silverstone, F1 2023
Brad Pitt e Damson Idris começaram filmagens reais em Silverstone (Foto: AFP)

O roteiro da produção também virou alvo de críticas. O nome escolhido para escrever a história é o de Ehren Kruger, que não teve experiência alguma na construção de dramas. Sem livro ou história de base, Kruger precisou escrever um roteiro do zero, longe de sua especialidade, que é de longas de ação ou ficção científica, como ‘Top Gun: Maverick’ e ‘Ghost in the Shell’.

O financeiro também virou um problema para o filme. US$ 20 milhões (cerca de R$ 98 milhões) foram gastos na produção de um grid inteiro de réplicas de Fórmula 1. Os bólidos eram inspirados em carros de F3 e F4, mas idênticos aos de F1. A construção dos carros foi supervisionada por Trevor Carlin, antigo dono da equipe que leva seu sobrenome e atua nos grids de F2 e F3. Por ter tirado o contrato das mãos do time, que agora tem David Dicker como dono, Trevor e a esposa Stephanie foram dispensados por “traição”.

Cerca de US$ 30 milhões (cerca de R$ 147 milhões) foram gastos nas filmagens já realizadas e que serão descartadas. Uma fonte da Business F1 apontou que um dos problemas seria o da troca de patrocinadores, já que novos nomes começaram a apoiar a produção e não apareciam. Um dos chefes de equipe da F1 apontou que não entendeu a decisão de replicar todo o grid, já que algumas gravações aconteciam durante finais de semana de corridas do Mundial, o que poderia ajudar a reduzir os custos.

Os gastos desnecessários estão perto de ultrapassar o orçamento de US$ 100 milhões (cerca de R$ 492 milhoes) dado pela Apple, que hospedará o filme em sua plataforma de streaming. Os produtores vão precisar pedir mais dinheiro para a empresa.

Protagonista da produção, Brad Pitt vive momento cercado de polêmicas que estão afetando sua saúde mental. Um de seus filhos adotivos, Pax, fez uma publicação nas redes sociais o chamando de “babaca” e “pessoa terrível” por conta dos problemas do ator com o alcoolismo. Pitt também recebeu fortes críticas por ter parado as atividades do filme durante a greve dos atores de Hollywood, já que a produção estava sendo filmada na Hungria.

🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da Fórmula 1 direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra, Escanteio SP e Teleguiado.