Pérez sofre com adaptação, fica longe de convencer e já entra na air fryer da Red Bull

Não durou mais que dois meses a lua-de-mel entre Red Bull e Sergio Pérez. O mexicano, ainda em fase de adaptação ao RB16B, está longe de entregar os resultados esperados e já é fritado publicamente por Max Verstappen, Helmut Marko e Christian Horner por não desempenhar papel importante na briga entre os taurinos e a Mercedes

Hamilton pega Verstappen na tática e vence: assista aos melhores momentos do GP da Espanha (GRANDE PRÊMIO com Reuters)

Sergio Pérez chegou à Red Bull como representante de uma mudança importante de filosofia dentro da equipe. Desde a saída de Sebastian Vettel, ao fim de 2014, os taurinos apostaram nos jovens forjados no seu Red Bull Junior Team. Deu certo com Daniel Ricciardo e mais ainda com Max Verstappen, mas Daniil Kvyat, Pierre Gasly e Alexander Albon não conseguiram se encaixar. ‘Checo’, após fazer uma temporada vitoriosa com a Racing Point, se viu sem vaga, mas foi salvo da fila do desemprego ao ter sido escolhido por Christian Horner e Helmut Marko para o segundo carro em 2021. A opção pelo mexicano foi justa e merecida, mas, depois de quatro corridas, Pérez ainda não conseguiu deslanchar. Pior ainda, já começa a ser fritado na conhecida air fryer que é a Red Bull quando um piloto está sob pressão e não consegue grandes resultados.

Antes de tudo, é preciso levantar alguns pontos. Pérez, assim como todos os pilotos que mudaram de equipe em 2021 — Carlos Sainz, da McLaren para a Ferrari; Daniel Ricciardo, da Renault para a McLaren; e Sebastian Vettel, da Ferrari para a Aston Martin — e o mesmo vale para Fernando Alonso, que voltou à F1 como piloto da Alpine depois de dois anos fora do grid, ainda não renderam o esperado neste princípio de temporada. Todos os citados são bastante tarimbados e, mesmo assim, sofrem neste começo de ciclo com suas respectivas novas equipes e, principalmente, a novos carros, com exigências distintas em termos de estilo de pilotagem.

Sergio Pérez está sob pressão na Red Bull (Foto: Red Bull Content Pool/Getty Images)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

É natural que se leve algum tempo para atingir a maior adaptação e que seja possível adquirir a confiança a bordo de um carro completamente novo. ‘Checo’ Pérez, por exemplo, pediu cinco corridas para ‘vestir’ por completo o RB16B. O GP da Espanha do último domingo foi o quarto da temporada 2021 da Fórmula 1.

O caso do mexicano, no entanto, é um pouco diferente de Vettel, Sainz, Ricciardo e Alonso. Pérez foi contratado pela segunda melhor equipe do grid. Conhecida por impor um nível de pressão absurdo a todos os seus pilotos, com exceção da estrela Max Verstappen, a Red Bull construiu um carro que, em conjunto com o motor Honda, mostrou potencial logo de cara lutar pelo título com a Mercedes, impressionou nos testes de pré-temporada e confirmou o desempenho notável nas primeiras corridas do ano.

‘Checo’, mesmo com o pedido de cinco corridas para se adaptar, precisou entregar performance de maneira imediata para ser um elemento decisivo dos taurinos na luta contra a equipe anglo-alemã. Em princípio, parecia que não haveria grandes problemas: um grande pacote, um piloto cheio de cancha e ainda motivado pela grande temporada em 2020. Não tinha como dar errado.

SERGIO PÉREZ; DANIEL RICCIARDO; RED BULL; GP DA ESPANHA; F1;
Sergio Pérez sofreu para passar Daniel Ricciardo e terminar em quinto na Espanha (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)

Mas o começo da jornada de Pérez pela Red Bull não é bom. Claro que é preciso levar em conta, por exemplo, a pane antes da largada do GP do Bahrein — e a grande reação ao sair de último para terminar em quinto — e o fato de o piloto ter passado mal no sábado da classificação do último GP da Espanha, o que determinou por completo o resultado da sua corrida, também quinto, em Barcelona. Mas ‘Checo’ foi muito mal e sequer pontuou no GP da Emília-Romanha, onde teve sua melhor chance ao conquistar o segundo lugar no grid em Ímola, e conquistou o resultado mais ok no ano quando largou e terminou em quarto lugar no GP de Portugal.

Os resultados acima são aceitáveis e muito bons quando você pilota por uma equipe de meio de grid, como era a Racing Point ano passado. Mas para quem representa a Red Bull, dona do segundo melhor carro do grid e que almeja voltar ao topo da F1 depois de oito anos, é pouco.

Entretanto, é muito cedo para afirmar que Pérez na Red Bull não deu certo e que é uma decepção completa. Foram, novamente, só quatro corridas disputadas, de modo que é preciso ter um pouco de calma. Só que a Red Bull não tem tempo a perder e “precisa desesperadamente” do mexicano, como disse Horner depois do GP da Espanha. Horner, Marko e Max Verstappen reclamaram publicamente de Pérez porque sentiram falta do latino-americano mais à frente na corrida para tentar atrapalhar Lewis Hamilton na sua caça ao holandês. Max disparou e disse que está “sozinho nessa luta”.

SERGIO PÉREZ; HELMUT MARKO; RED BULL; GP DA EMÍLIA-ROMANHA; ÍMOLA;
Um dos artífices da airfryer taurina contra Pérez é Helmut Marko (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)

Diferente dos seus antecessores mais recentes, Gasly e Albon, Pérez tem maturidade suficiente para lidar com a situação sem se abalar e tomar tudo isso como impulso para dar a volta por cima. Ocorre que o piloto nascido em Guadalajara há tempos não se depara com um cenário de tamanha pressão, desde 2013, quando vivenciou sua primeira experiência em uma equipe de ponta, a McLaren, e não deu certo. O Pérez de 2021 é muito diferente daquele menino de 20 e poucos anos e é cascudo o bastante para suportar uma pressão muito mais forte que a imposta naquele tempo por Ron Dennis e Martin Whitmarsh.

A grande chance de Pérez ganhar um alívio na airfryer incansável da Red Bull está já neste próximo fim de semana, em Mônaco, onde foi pódio em 2016 pela Force India. A equipe taurina costuma andar muito bem no circuito urbano do Principado e, mesmo com a melhora importante da Mercedes nas últimas corridas, desponta com chances reais de vitória. No olho do furacão, ‘Checo’ sabe que não tem saída.

Na corrida que vai marcar o fim do prazo dado para se adaptar por completo ao RB16B, o mexicano só alternativa para evitar a fritura: é preciso entregar o que a Red Bull deseja e ser peça fundamental na batalha de Verstappen contra Hamilton pelo título.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar