Retrospectiva 2020: Lesão vira desastre e impõe derrota e ausência a Marc Márquez

Uma fratura no braço direito ainda na primeira corrida do ano tirou o piloto da Honda da temporada 2020. E, pior, segue ameaçando até mesmo o próximo campeonato

Uma palavra define a temporada 2020 de Marc Márquez: desastre. O piloto da Honda fraturou o braço direito em um acidente ainda na primeira etapa do campeonato, perdeu todo o ano e, no início de dezembro, passou por uma terceira cirurgia, o que anula qualquer certeza em relação à recuperação do hexacampeão.

O piloto de Cervera chegou à Espanha em meados do ano garantindo que a Honda tinha encontrado um caminho depois de a RC213V aparentar dificuldades na pré-temporada. Na primeira das corridas de Jerez, porém, o espanhol despencou no grid depois de cometer um erro, mas, com um ritmo bastante superior, vinha escalando o pelotão. Já no finzinho da corrida, Marc caiu, foi atingido no braço pela roda da moto e acabou com uma fratura no úmero. E aí começa a novela.

Marc Márquez fez flexões ainda no hospital após cirurgia (Foto: Repodução)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Operado pelo Dr. Xavier Mir, Márquez decidiu tentar correr no GP da Andaluzia, marcado apenas para sete dias após a lesão. Ainda no hospital após os médicos instalarem uma placa de titânio fixada com parafusos, o piloto se meteu a fazer flexões, o que sabia que seria necessário para o exame médico.

De volta ao circuito apenas quatro dias após o acidente, o irmão de Álex passou por uma dura avaliação médica e conseguiu a aprovação para correr. O titular da Honda, então, se poupou na sexta-feira e entrou na pista apenas no TL3, quando sentiu algum desconforto. O hexacampeão da classe rainha decidiu subir na moto mais uma vez para o Q1, mas ciente de que abandonaria a etapa se voltasse a se sentir mal.

No fim, Márquez desistiu de correr em Andaluzia e focou na recuperação para Brno, palco da terceira prova do ano. Durante esse intervalo, o espanhol seguiu fazendo exercícios, inclusive com peso.

Tal qual um filme milimetricamente estruturado, Márquez sofreu um novo revés: o esforço desmedido provocou danos à placa, o que forçou uma segunda cirurgia. Desde o início, a Honda alegou que não tinha sido alertada pelos médicos sobre o risco de danos ao reforço de titânio.

Depois da segunda operação, a marca da asa dourada adotou o discurso da cautela, garantindo que o mais velho dos Márquez só voltaria à pista quando estivesse 100%. A recuperação, contudo, não aconteceu. O filho de Roser e Julià desenvolveu pseudoartrose, uma condição onde o osso não se consolida como deveria.

Desta vez, Marc optou por um novo cirurgião e trocou Barcelona por Madri. Só que a operação foi mais complexa, já que o piloto precisou de um enxerto ósseo. Além disso, os médicos localizaram a infecção no osso, o resultou em uma internação prolongada por causa do uso de antibióticos.

Agora, Marc já está de volta em casa, mas precisa, pelo menos desta vez, encarar a recuperação com a devida calma. Por enquanto, ninguém falou em prazos, mas sabe-se que a infecção no osso pode retardar ainda mais o processo.

Seja como for, o piloto da moto #93 tem alguns meses de recuperação pela frente e, mesmo quando voltar, vai precisar correr atrás do prejuízo, já que com certeza não estará no auge da forma física.

RETROSPECTIVA 2020
+ Pandemia tumultua, mas MotoGP entrega temporada divertida
+ Suzuki faz melhor moto do ano e celebra centenário com título
+ Mir usa ano imprevisível para entrar para história da Suzuki
+ Sem Marc Márquez, Honda despenca ao se ver sem opções
+ Aprilia naufraga a espera de Iannone, perde ano e já põe 2021 em risco

Ouça os programas do GRANDE PRÊMIO no formato de podcast:
Anchor | Apple | Spotify | Google | Pocket Cast | Radio Public | Breaker

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube