Yamaha vetou acerto entre SRT e Álex Márquez: “Foi por causa de Marc e 2015”

Fundador da SRT, Razlan Razali revelou que chegou a assinar com Álex Márquez, mas a presença do espanhol na equipe da MotoGP foi vetada pela Yamaha. Malaio ressaltou que a casa de Iwata levou os eventos da temporada 2015 para o lado pessoal

A família Márquez não é bem-vinda na Yamaha. Fundador da SRT — que depois virou RNF e acabou barrada da temporada 2024 —, Razlan Razali revelou que chegou a assinar com Álex Márquez, mas teve o acerto barrado pela fábrica dos três diapasões.

O imbróglio entre os espanhóis de Cervera e a casa de Iwata data de 2015, quando Valentino Rossi acusou Marc de atuar em favor de Jorge Lorenzo na luta pelo título. A acusação resultou em um confronto feroz entre os dois no GP da Malásia daquele ano, que culminou em um toque que colocou o #93 no chão e uma punição ao italiano, que teve de largar em último na corrida seguinte e foi derrotado pelo companheiro de equipe no Mundial de Pilotos por só cinco pontos.

Relacionadas


Em um documentário sobre a carreira do caçula produzido pelo serviço de streaming espanhol DAZN, Álex admite que teve uma oferta da SRT para saltar à MotoGP antes do acordo com a Honda — o #73 foi escalado pela marca da asa dourada para substituir Lorenzo em 2020, mas antes mesmo de começar a correr pela equipe de fábrica, teve o rebaixamento para a satélite LCR anunciado para o ano seguinte.

“Era meu quinto ano na Moto2, tinha sido criticado por isso”, disse Álex. “Há anos eu queria chegar na MotoGP. Na metade do ano, em Brno, tive uma oferta para fazer um ano na Moto2 e acho que eram dois anos na MotoGP com a Petronas Yamaha”, revelou.

Álex Márquez não pôde saltar para a MotoGP com a SRT por causa do irmão (Foto: Gold & Goose/ Red Bull Content Pool)

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Fabio Quartararo estava na frente, lutando com Marc [em 2019], e era uma moto que eu gostava. Achava que era boa para o meu estilo de pilotagem, mas acabou não dando certo por uma razão ‘x’”, contou.

Fundador da SRT, Razlan Razali confirmou a oferta a Álex, mas contou que o acordo foi barrado pela Yamaha, justamente por causa da confusão de 2015.

“Em 2019, nós tínhamos uma moto na Moto2, mas a Dorna nos deu outro assento para 2020”, recordou Razali. “Gosto de Álex e ele estava na minha lista. Então tivemos algumas reuniões secretas e assinamos no motorhome dos Márquez para ele estar conosco por um ano na Moto2 e, em 2021, quando Quartararo fosse para a equipe de fábrica, subir Álex para a MotoGP conosco”, seguiu.

“E eu tenho uma foto aqui [no celular], porque eu assinei e aí Marc e Álex apareceram”, relatou. “Nós de fato assinamos um contrato para Álex estar conosco. Isso aconteceu em agosto de 2019, às 22h”, precisou.

“Eu disse à Yamaha que queria assinar com Álex para a Moto2 e aí para a MotoGP. E a Yamaha disse: ‘Não, nenhum membro da família Márquez pode estar na Yamaha’”, confessou. “Eu disse: ‘O que? É a minha equipe’. Foi por causa de Marc e do que aconteceu em 2015. Virou pessoal para eles”, encerrou.

MotoGP volta a acelerar entre 6 e 8 de fevereiro de 2024, com os testes de pré-temporada na Malásia, no circuito de Sepang. O GRANDE PRÊMIO faz a cobertura completa do evento, assim como das outras classes do Mundial de Motovelocidade durante todo o ano.

🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da MotoGP direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra, Escanteio SP e Teleguiado.