Retrospectiva 2020: Verstappen leva Red Bull nas costas, e 3º lugar não reflete auge

Com 11 pódios nas 12 corridas que completou, Max Verstappen teve uma temporada 2020 que beirou a perfeição. A perda do vice-campeonato para Valtteri Bottas foi um resultado cruel diante do que ambos produziram durante o campeonato

Max Verstappen teve uma temporada 2020 praticamente impecável na Fórmula 1. Dono de uma tocada extremamente agressiva, o holandês tem sido cada vez mais seguro e, assim, temporada após temporada vai se tornando um piloto mais completo. Hoje, considerando a fase de baixa de Sebastian Vettel, é, indiscutivelmente, o segundo maior talento no grid, atrás apenas do heptacampeão Lewis Hamilton.

Em 2020, Verstappen atingiu o ápice da maturidade dentro das pistas. É verdade que tal movimento é algo que vem acontecendo desde 2019, quando Max parece ter tido uma virada de chave após bater com o retardatário Esteban Ocon em um GP do Brasil que estava em suas mãos. Mesmo assim, na temporada que se encerrou no início do mês, o holandês conseguiu ser ainda mais eficiente.

O que mais impressiona em Max é como um piloto teoricamente ainda em formação, aos 23 anos de idade, consegue aliar tão bem um arrojo e uma tocada extremamente ousada com a conquista de tantos resultados bons, com tanto oportunismo. Verstappen, ao menos na versão 2019/20, é a mescla perfeita de agressividade e eficiência.

Leia também
+Retrospectiva 2020: F1 dribla pandemia e entrega temporada de grandes histórias
+Retrospectiva 2020: Gigante dentro e fora das pistas, Hamilton vira o maior de todos na F1
+Retrospectiva 2020: Mercedes fica perto da perfeição. Mas ainda peca por manter Bottas
+Retrospectiva 2020: McLaren acerta e colhe frutos por confiar na dupla Sainz-Norris

Max Verstappen e o pódio: uma relação de amor (Foto: Red Bull Content Pool)

E tudo isso acontece em um momento em que a Red Bull passa bem longe de ter um carro dominante. Em alguns momentos, inclusive, foi bastante inferior no comparativo com a Mercedes e isso passa pelo bólido e pelo motor Honda, que, é verdade, evoluiu.

Em geral, foram duas temporadas em que a equipe austríaca tinha o segundo carro do pelotão, especialmente em 2020, já que a Ferrari despencou na fila, mas os desempenhos de Alexander Albon e Pierre Gasly como companheiros mostravam que Max estava em outra liga. Para não sermos totalmente injustos com a Red Bull, é justo dizer que o carro, ainda que fosse limitado, era, é e vai seguir sendo feito exatamente sob medida para a forma que Verstappen gosta de guiar.

Mas voltemos a apontar problemas com o time taurino, pois. Ainda que o carro tivesse lá suas qualidades e fosse feito para Verstappen, apresentou um defeito seríssimo de confiabilidade, algo que custou a Max o vice-campeonato. Sim, apesar da diferença grande entre as equipes, Verstappen podia ter batido facilmente Valtteri Bottas em 2020 não fossem as falhas do equipamento. E isso foi cruel, o holandês merecia o segundo posto.

Leia também
+Retrospectiva 2020: F1 acerta em cheio com pistas novas e faz calendário funcionar
+Retrospectiva 2020: Versão 3.0 de Bottas fracassa miseravelmente. E nem vice salva ano
+Retrospectiva 2020: Verstappen leva Red Bull nas costas, e 3º lugar não reflete auge em 2020

MAX VERSTAPPEN; GP DE ABU DHABI; F1; FÓRMULA 1;
Max Verstappen, quando a Red Bull permitiu, bateu Valtteri Bottas (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)

Para ilustrar em números o tamanho da temporada do holandês, possivelmente o melhor deles é o aproveitamento em provas completadas. É que Max abandonou cinco vezes nas 17 corridas, todas por falhas no equipamento, inclusive na Toscana, em que se envolveu em um acidente simplesmente por falta de potência verificada ainda antes da largada. Mas vamos lá: foram 11 pódios em 12 provas concluídas, 92% de aproveitamento, o melhor do grid.

Para efeito de comparação, Hamilton, que teve um ano basicamente perfeito, foi ao pódio em 14 das 16 corridas que completou, o que dá 88% de aproveitamento. Bottas, o vice, então, não deu nem para o cheiro no duelo: 10 de 16, 63% de aproveitamento, isso com uma Mercedes, enquanto Verstappen estava de Red Bull. Falando no time austríaco, a porcentagem de Albon ficou em 13%, com dois pódios em 16 corridas concluídas.

A única exibição realmente abaixo de Max na temporada aconteceu na Turquia, em uma pista completamente sem aderência e molhada, em que o holandês errou bastante, foi apenas sexto e sabe que perdeu uma oportunidade importante de brigar até por um triunfo, dada a forma como Hamilton venceu a corrida.

Mas os erros em Istambul são muito pequenos diante de tudo que Verstappen fez em 2020. Os 11 poles, as duas vitórias, a pole, foi tudo muito perto do limite do que era possível fazer. Ou melhor, do que seria possível se fazer sendo um fora de série. E, dentro das pistas, é isso que Max é, um fora de série.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar