MotoGP

Márquez vê Honda forte para GP do Catar e garante que está “quase 100%” após cirurgia no ombro

Marc Márquez afirmou que já está quase 100% após operar o ombro esquerdo no fim do ano passado. O #93 considerou que a Honda chega forte para o GP do Catar, mas pediu evolução ao longo do ano

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
GUIA 2019

A espera finalmente acabou. Depois de alguns meses de férias, a MotoGP volta à ativa neste fim de semana para o GP do Catar, e com um Marc Márquez “quase 100%” após uma cirurgia no ombro em dezembro passado.
 
O #93 aproveitou o fim da temporada 2018 para passar por uma cirurgia no ombro esquerdo e resolver um problema que o acompanhou ao longo de todo o ano. Assim, o espanhol passou boa parte deste período em recuperação, o que afetou sua forma física nos testes.
Marc Márquez se disse "quase 100%" fisicamente após cirurgia (Foto: Repsol)
AS PIONEIRAS
❀ Danica Patrick – a primeira mulher a vencer uma corrida na Indy e a ser pole na Nascar
❀ Ana Carrasco – a primeira mulher a se tornar campeã mundial de motociclismo
❀ 
Jamie Chadwick - no automobilismo “por acidente” e 1ª campeã no MRF Challenge

Ainda assim, Márquez acredita que já está quase completamente recuperado e não vê sua condição física como um problema para a corrida deste fim de semana.
 
“Finalmente é hora de ir correr outra vez”, celebrou Márquez. “Este inverno foi muito diferente por causa da cirurgia, trabalhei duro com cinco horas de fisioterapia por dia com uma meta: chegar na melhor condição para a primeira corrida”, seguiu.
 
“No teste do Catar, eu me senti muito melhor do que no da Malásia e agora posso dizer que chego quase 100%”, garantiu. 
 
Ainda, Marc considerou que a Honda chega forte ao Catar, mas pediu que a montadora da asa dourada siga trabalhando para desenvolver a RC213V ao longo do ano.
 
“A Honda trabalhou muito para melhorar a moto e, no teste, nós estávamos nos sentindo fortes, especialmente para um circuito que normalmente não é o melhor para nós, mas nós temos de seguir melhorando”, ponderou. “O Catar é sempre uma etapa especial, não só porque é a primeira do ano, mas também por causa das condições. Nós teremos de prestar atenção especial à temperatura e considerar tudo antes da corrida”, concluiu.