Rossi segue em queda na MotoGP e acumula piores resultados da gloriosa carreira

Valentino Rossi sofre na SRT em 2021. Sem encontrar o acerto ideal da moto, briga sempre nas últimas posições do grid, raramente consegue entrar na zona de pontuação e cria uma mancha na vitoriosa carreira que construiu na MotoGP

Valentino Rossi não é um qualquer no grid da MotoGP, muito longe disso. Afinal, são nove títulos no Mundial de Motovelocidade, sendo sete apenas na principal classe. Desde 2009, porém, não conquista nada. E se você olhar com calma os resultados obtidos pelo italiano na atual temporada, parece apenas um fantasma do piloto que já foi um dia.

É normal pensar que os resultados ruins de Rossi são por conta da nova equipe, já que a SRT é satélite da Yamaha. É possível apontar que existem dificuldades pela mudança de time, mas se olharmos bem, a má fase o acompanha há um bom tempo. Sua última vitória foi em 2017, na Holanda, e o último campeonato em alto nível foi 2018. Desde então, queda livre.

Sétimo em 2019, 15º em 2020 e agora uma modesta 19ª colocação no certame. Quem vê Rossi brigando com a moto nas últimas posições no grid não consegue imaginar que é o mesmo piloto que dominou o Mundial no início do século e é um dos maiores pilotos da história. Em 2021, alguns de seus piores resultados apareceram.

Valentino Rossi em ação durante o GP da Itália (Foto: SRT)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

Rossi conseguiu pontuar em apenas quatro das nove etapas disputadas até o momento: 12º no Catar — depois de largar em quarto —, 11º na França, 10º na Itália e 14º na Alemanha. Pouco, muito pouco para quem ainda quer manter um alto nível na categoria. Por isso, os rumores da aposentadoria no fim da temporada parecem cada vez mais firmes.

Além das muitas quedas e abandonos, o ponto mais baixo de Rossi talvez tenha sido a penúltima posição no grid para o GP de Doha. Foi a pior posição de grid do piloto da SRT sem punições ou acidentes na classificação. Um sinal amarelo bem claro de que algo não está funcionando.

A pontuação não esconde o desempenho ruim de Rossi. Pelo contrário, amplifica ainda mais a situação. Desde que chegou ao Mundial de Motovelocidade, em 1996, essa é apenas a segunda vez que o ‘Doutor’ chega ao nono GP sem pelo menos um pódio. A primeira foi no ano de estreia, a segunda agora em 2021. A diferença é que nas 125cc, Valentino pontuou com frequência entre os primeiros colocados e quebrou o tabu logo depois, na décima etapa. Atualmente, não há essa perspectiva.

Estamos próximos do fim da carreira de Rossi? (Foto: Divulgação/MotoGP)

A aposentadoria parece a saída mais óbvia, ainda que não seja a mais simples. Sair nunca é o caminho mais fácil para um atleta, ainda mais para quem já viveu anos e anos de glórias, acostumado a brilhar no lugar mais alto do pódio.

“Ainda não decidi. Vou pensar mais profundamente durante as férias. Também preciso falar com a Yamaha e com a equipe. Queremos tentar uma performance melhor e melhores resultados, claro. O início da temporada até aqui não foi fantástico sob esse ponto de vista. Acho que será muito difícil que eu corra também no próximo ano”, afirmou.

“Minha decisão em relação ao ano que vem depende muito dos resultados. E os resultados da primeira metade da temporada não são o que esperávamos. Esperávamos ser mais fortes, lutar por posições melhores, então o resultado não nos ajuda”, seguiu.

A decisão sobre o futuro de Rossi está próxima, deve sair após as férias de verão da MotoGP, em agosto. É bem provável que vamos acompanhar as últimas corridas do veterano de 42 anos no Mundial. De certa forma, um alívio, melhor que seja assim do que se arrastando no fim do pelotão. Que fiquem as glórias, não os momentos ruins.

A MotoGP está de férias por cinco semanas e volta a correr apenas no dia 8 de agosto, no Red Bull Ring, para o GP da Estíria. Acompanhe a cobertura do GRANDE PRÊMIO sobre o Mundial de Motovelocidade.

LEIA TAMBÉM
# Yamaha precisa de solução caseira e eficiente para vaga de Viñales em 2022: Morbidelli
Aos 42 anos, Rossi vê competitividade minguar e se aproxima da aposentadoria da MotoGP
Razgatlioglu e Gerloff largam na frente por vaga na SRT. Mas estão prontos para MotoGP?
Pedrosa correr como wildcard ainda na temporada 2021 é bom negócio para KTM e MotoGP
Quartararo mostra velocidade e maturidade para protagonizar primeira metade de 2021
Miller e Bagnaia são acerto da Ducati. Mas saem de férias ofuscados por Zarco
Estagnado, Petrucci sofre na Tech3 e inicia dura missão de seguir na MotoGP em 2022
Aleix Espargaró aproveita evolução da Aprilia e chega mais perto do sonho do pódio
Oliveira se impõe na KTM e bate Binder na primeira parte da temporada 2021 da MotoGP
LCR segue queda da Honda e corta embalo de Álex Márquez e Nakagami em 2021
Lado a Lado: Joan Mir 2020 x Joan Mir 2021
Pol Espargaró sofre com Honda apagada e sai frustrado da primeira metade da MotoGP
Mesmo em primeira metade difícil, novatos da MotoGP salvam brilharecos em 2021
Com M1 defasada, Morbidelli vê performance despencar. E em momento chave para Yamaha
Marc Márquez volta mais ou menos, mas prova na Alemanha que campeão ainda está lá
Rins erra muito e decepciona na primeira parte da temporada 2021 da MotoGP

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar