F1 tem pré-temporada enxuta para mostrar carros e caras novas em 3 dias no Bahrein

Quase três meses depois do fim da temporada passada, a Fórmula 1 volta a acelerar no Oriente Médio para os ensaios mais curtos dos últimos anos. O circuito de Sakhir, no Bahrein, vai ser o palco de três dias de testes, período em que as equipes finalmente vão mostrar (ou não) se seus respectivos novos carros foram bem-nascidos

A Ferrari foi a última equipe a fazer o lançamento do seu carro, a SF21 (Vídeo: GP Notícias com Ferrari)

A espera dos fãs da Fórmula 1 para ver os carros finalmente de volta à pista está perto de acabar. A partir desta sexta-feira (12), às 4h (horário de Brasília), o circuito de Sakhir, no Bahrein, vai receber a sessão de testes de pré-temporada. Serão apenas três dias ao longo deste fim de semana em que pilotos e equipes vão ter a chance de testar os respectivos novos carros antes do início do campeonato, dois finais de semana depois, no mesmo traçado.

Trata-se da mais curta sessão de pré-temporada da Fórmula 1 nos últimos tempos. Os três dias de atividade de pista contrastam com os seis (divididos em duas sessões de três dias cada) do ano passado. Entre 2016 e 2019, foram duas sessões de quatro dias cada, enquanto no período entre 2012 e 2015 o tempo de pista era ainda melhor, 12 dias, divididos em três sessões. Em 2010 e 2011, portanto há uma década, a pré-temporada tomava praticamente o mês inteiro com quatro sessões de quatro dias cada.

Chegou ao Brasil a F1 TV Pro. Em parceria com o GRANDE PRÊMIO, a Fórmula 1 vai dar 25% de desconto na assinatura do plano que dá acesso aos testes da pré-temporada, às 23 corridas ao vivo e muito. Clique a página da F1 TV Pro por este link e digite o promo code F1TV25. Mas seja rápido: a promoção vai até 14 de março. 

MCLAREN; DANIEL RICCIARDO; LANDO NORRIS; TESTE; FÓRMULA 1; PRÉ-TEMPORADA;
A McLaren está pronta para os testes da F1 e tem em Daniel Ricciardo sua grande novidade para 2021 (Foto: Bahrain International Circuit)

As razões alegadas pela Fórmula 1 para um tempo de testes tão diminuto estão, principalmente, na manutenção de quase todo o regulamento técnico de um ano para outro, de forma que apenas mudanças pontuais na aerodinâmica, principalmente no assoalho e nos bargeboards e sidepods de cada um dos carros foi mudada na comparação com 2020. Outra preocupação da categoria, claro, está no quesito custos, ainda mais depois de um ano afetado pela pandemia, que ainda cerca o esporte a motor e a humanidade como um todo nesta nova temporada.

E diferente do que tem sido habitual nos últimos seis anos, a pré-temporada da Fórmula 1 volta a ter ao menos uma sessão realizada no Bahrein, como aconteceu em 2014, embora os testes quase em sua totalidade sejam realizados na Espanha, principalmente no circuito de Barcelona, pela facilidade logística e pelas temperaturas, mais amenas do que na Inglaterra no inverno europeu.

Ocorre que o Bahrein foi escolhido pela categoria em razão da mudança do calendário, que levou o GP da Austrália de março para outubro — alteração também por conta da pandemia —, enquanto o país insular agora vai receber a abertura do campeonato, em 28 de março. Desta forma, foi mais fácil, em razão da logística e também dos custos, encaixar os testes duas semanas antes do início da temporada.

Ative o despertador e acompanhe os testes

Entre sexta-feira e domingo, os pilotos vão à pista sem ter nenhum limite de voltas a percorrer, ou seja, está permitido acelerar o quanto for possível em Sakhir. Cada um dos dias de atividades de pista vai ser dividido em dois períodos.

Pela manhã, entre 4h e 8h (horário de Brasília), ou 10h e 14h locais, e depois da pausa para o almoço, entre 9h e 13h (de Brasília), ou 15h às 19h locais, com as sessões se encerrando já com luz artificial e no período noturno em Sakhir.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

WEB STORIES: Tudo sobre os lançamentos dos carros da F1 2021

As novidades e as chaves da pré-temporada: o que observar nos testes

Há uma natural expectativa para o que está por vir neste fim de semana. Sete das dez equipes do grid tiveram pelo menos uma mudança na sua dupla de pilotos, enquanto apenas Mercedes, Alfa Romeo e Williams mantiveram suas formações em relação ao ano passado. E duas equipes chegam com nova roupagem e rebatizadas: a icônica marca britânica Aston Martin, que assume a inscrição da Racing Point, e a Alpine, novo nome da Renault.

Entre os pilotos, a ansiedade é grande para ver o que vão apresentar aqueles pilotos que estão de casa nova ou que vão debutar na Fórmula 1 em 2021. O tetracampeão Sebastian Vettel, depois de seis anos correndo pela Ferrari, vai debutar pela Aston Martin. Já Carlos Sainz substitui o alemão na equipe de Maranello como novo companheiro de equipe de Charles Leclerc. Daniel Ricciardo deixou a Renault depois de dois anos para ser o novo piloto da McLaren, formando parceria com Lando Norris, enquanto Sergio Pérez tem a chance da vida na Red Bull, que tem finalmente a perspectiva de ter dois carros competitivos em uma dupla das mais fortes com Max Verstappen.

Sergio Pérez é um dos muitos pilotos que estão em casa nova na Fórmula 1 em 2021 (Foto: Red Bull Content Pool)

Destaque também para a volta do bicampeão Fernando Alonso à Fórmula 1. O regresso se dá pela organização por onde o asturiano de 39 anos foi mais feliz, a Alpine, nova alcunha da Renault, mas ainda baseada em Enstone, na Inglaterra. Depois de dois anos em que fez de tudo, desde vitórias em Le Mans e Daytona e até uma participação no Dakar, Alonso volta para formar dupla com Esteban Ocon.

Entre os novatos, fica a curiosidade para ver a performance dos pilotos oriundos da Fórmula 2. Mick Schumacher chega à Haas trazendo o peso do enorme sobrenome consagrado por Michael Schumacher, heptacampeão mundial de Fórmula 1, mas o jovem alemão também carrega consigo a capacidade demonstrada na campanha do título da categoria de acesso.

Já seu novo companheiro de equipe, Nikita Mazepin, desembarca na F1 com muita desconfiança, sobretudo pelo caso de assédio sexual que protagonizou no fim do ano passado. O russo tem como trunfo o dinheiro quase infinito levado pelo pai, Dimitry Mazepin, que se converteu em principal patrocinador da Haas por meio da empresa de fertilizantes UralKali. Por sua vez, vale destaque também para Yuki Tsunoda, dono de forte temporada da F2, com três vitórias e o primeiro piloto nascido nos anos 2000 no grid da F1. O japonês é o novo reforço da AlphaTauri, que já conta com o excelente Pierre Gasly nos seus boxes.

SEBASTIAN VETTEL; ASTON MARTIN; FÓRMULA 1; F1 2021;
A Aston Martin é uma das grandes novidades para a temporada 2021 da Fórmula 1 (Foto: Aston Martin)

Mesmo a Mercedes, que manteve Valtteri Bottas e conseguiu renovar contrato com o heptacampeão Lewis Hamilton depois de uma longa novela, também traz novidades. A base da campanha vitoriosa de 2020 foi mantida no novo W12 E Performance, mas elementos importantes do carro do ano passado, o W11, como o DAS, foram retirados por força do regulamento para a nova temporada.

A equipe de Brackley foi uma das poucas que não fez o shakedown do carro novo, procedimento de praxe nos últimos anos, antes do embarque para os testes de pré-temporada. McLaren, Red Bull, AlphaTauri, Aston Martin, Alpine e Alfa Romeo levaram os bólidos da temporada 2021 para algumas voltas em dias de filmagem para terem as primeiras impressões dos novos projetos ainda na Europa, enquanto Haas e a Ferrari estrearam seus respectivos carros nesta quinta-feira em Sakhir.

Sobre os testes em si, não se engane pela tabela de tempos que pode aparecer ao longo dos próximos dias. Em 2020, por exemplo, Robert Kubica e Kimi Räikkönen, com a Alfa Romeo, e Sebastian Vettel, com a Ferrari, chegaram a liderar dias de pré-temporada em Barcelona. Mas os testes do ano passado deixaram claro que a escuderia italiana viveria um ano difícil e que a Mercedes continuava como força dominante, o que de fato se confirmou, assim como a fraqueza da equipe de Hinwil.

O que cabe observar, no fim das contas, é sobre como cada carro consegue se desenvolver de maneira consistente em ritmo de classificação e de corrida e com tipos semelhantes de pneus. Outro ponto a observar é a confiabilidade de cada conjunto carro e motor, embora, neste último ano de uma geração de carros, a tendência é que quebras sejam raras. Em tempos cada vez mais restritos de testes, cada volta vale ouro.

LEWIS HAMILTON; MERCEDES; W12; FÓRMULA 1; F1 2021;
A caminho do octa? Lewis Hamilton é o homem a ser batido na Fórmula 1 em 2021 (Foto: Mercedes)

Boa parte das atenções no Bahrein vai se voltar para o desempenho do novo motor Ferrari. Depois de uma desastrosa temporada passada, a pior desde 1980, a equipe liderada por Mattia Binotto construiu uma unidade motriz completamente nova para tentar dar a volta por cima e, pelo menos, ser mais competitiva em 2021.

Olho também na Aston Martin depois do ano vencedor da antecessora, a Racing Point. Com Vettel e Lance Stroll e um belo carro, o AMR21, que nasceu com traços do Mercedes W11, mas também com sua identidade própria, a equipe de propriedade de Lawrence Stroll coloca a lendária marca britânica no grid com o propósito de ser ainda melhor que a antiga equipe rosa e, quem sabe, buscar o top-3 da Fórmula 1. Mas as adversárias diretas da Aston Martin, como McLaren, agora reforçada também pelo motor Mercedes, Alpine, com Alonso pra lá de motivado, e a já citada Ferrari, prometem endurecer o jogo, assim como a AlphaTauri.

Já a Red Bull costuma esconder o jogo durante os testes e prioriza o uso dos pneus mais duros na maior parte das suas voltas. Portanto, não se impressione se os novos carros de Verstappen e Pérez não aparecerem nas primeiras posições da tabela de tempos. Mas uma vez que a base de um carro muito bom foi mantida para o novo RB16B, é muito pouco provável que haja uma queda acentuada de performance.

Já a Williams tenta, mesmo com a continuidade mostrada ao apresentar o FW43B, chegar mais perto das suas concorrentes diretas da rabeira do grid, Haas e Alfa Romeo, embora as equipes impulsionadas pelo motor Ferrari cheguem com a esperança de dar um grande salto de qualidade justamente por conta do novo motor construído em Maranello.

Onde assistir?

A F1 TV Pro, grande novidade no serviço oficial de streaming da Fórmula 1 para o fã brasileiro em 2021, vai transmitir ao vivo as atividades de pista durante os testes de pré-temporada no Bahrein ao longo dos três dias de testes.

O GRANDE PRÊMIO prepara uma cobertura pra lá de especial. Ainda durante a madrugada, desde o início das atividades de pista, com a transmissão em tempo real, além de análises e vídeos. E, ao fim de cada um dos dias de teste, vai ao ar o BRIEFING, programa AO VIVO na GP TV, o canal do GRANDE PRÊMIO no YouTube, com Victor Martins, Evelyn Guimarães e Pedro Henrique Marum presentes à mesa virtual com o debate completo sobre a pré-temporada da Fórmula 1.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube