Marc Márquez diz que “antes da lesão poderia brigar” pelo título com moto atual da Honda

Hexacampeão considerou que precisa de ajuda da moto, já que não consegue compensar deficiências sozinho. O piloto de 28 anos considerou que condição física atual não lhe permite fazer mágica

Marc Márquez avaliou que poderia briga pelo título da MotoGP com a moto atual da Honda se não tivesse sofrido uma fratura no braço direito no início do ano passado. O espanhol considerou que não poderia vencer tanto quanto em 2019, mas que seria presença frequente no pódio.

Em julho do ano passado, durante a primeira corrida da temporada 2020 ― que tardou a começar por causa da pandemia de Covid-19 ―, Marc caiu em Jerez e sofreu uma fratura no úmero direito ao ser atingido pela roda da RC213V. O piloto passou por uma cirurgia para estabilizar o osso que é o maior do membro superior humano e, seis dias depois, tentou voltar a correr.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Marc Márquez ressaltou que não está pronto para fazer milagres na MotoGP (Foto: Repsol)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

A dor impediu o piloto de disputar o GP da Andaluzia, mas não evitou os treinamentos físicos que se seguiram. A força acabou danificando a placa de titânio, o que forçou uma segunda intervenção. Sem melhora significativa, o irmão de Álex precisou passar por uma terceira cirurgia em dezembro passado, com direito a enxerto ósseo, o que adiou ainda mais o retorno às pistas, também por causa de uma infecção localizada pelos médicos.

No total, Marc passou nove meses afastado da MotoGP e voltou à ativa apenas no GP de Portugal, terceira etapa deste ano. Ainda assim, o hexacampeão da classe rainha não está na melhor forma e esteve no pódio uma única vez, quando venceu o GP da Alemanha, no anti-horário circuito de Sachsenring.

A longa ausência e a condição física ainda longe da ideal resultaram no maior jejum de vitórias da Honda desde o retorno à categoria, em 1982. Ainda assim, o espanhol de Cervera entende que seria possível brigar pelo título com a RC213V atual.

“Acho que o Marc antes da lesão poderia brigar pelo título com essa moto”, disse Márquez em entrevista à publicação inglesa Autosport. “Provavelmente não poderia vencer tantas quanto em 2019, mas poderia lutar pelo Mundial e estar no top-3 muito frequentemente”, seguiu.

“E acho isso por uma razão simples: nas pistas em que não senti limitação física ou onde senti menos, fui muito melhor”, considerou. “Mas não posso compensar sempre eu mesmo, a moto precisa me ajudar e ela não faz isso agora. Nem para mim e nem para os outros pilotos da Honda”, reconheceu.

“Agora o meu físico me permite pilotar a moto, não fazer mágica”, declarou. “Se eu estivesse muito atrás dos outros pilotos da marca, pensaria que algo está errado. Mas estou na frente apesar de ter perdido duas corridas”, concluiu.

MotoGP volta a acelerar no próximo dia 29 de agosto, com o GP da Grã-Bretanha, em Silverstone. O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades do Mundial de Motovelocidade 2021.

LEIA TAMBÉM
Aos 42, Rossi decide por aposentadoria e encerra história na MotoGP em 2021
Maior da história ou não, Rossi teve impacto transformador e popularizou MotoGP
Ídolo, referência e lenda: mundo do esporte a motor reage à aposentadoria de Rossi
Obrigada, Vale
Fim triste mostra que relação entre Viñales e Yamaha deveria ter acabado antes
Binder arrisca na chuva e encerra jejum de um ano com vitória corajosa na Áustria
De pódio à suspensão: Yamaha vai do céu ao inferno na rodada do Red Bull Ring
Suzuki põe atualizações para funcionar, e Mir ganha fôlego. Rins ainda titubeia
Bagnaia mostra força em briga por título, mas precisa encontrar primeira vitória
Zarco cai em momento crucial da temporada e se afasta da briga pelo título

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar