MotoGP

GUIA 2019: Moto3 traz nova classificação, volta de Fenati, estreia da equipe de Biaggi e promessa Öncü

A temporada 2019 do Mundial de Motovelocidade começa no final de semana e traz junto toda a expectativa de mais um ano começando. Na Moto3, as novidades, apesar de poucas, são grandiosas, como a mudança da classificação e a volta de Romano Fenati, e prometem mais um ano movimentado na classe

Grande Prêmio / NATHALIA DE VIVO, de São Paulo

O final de semana vai marcar, enfim, o retorno do Mundial de Motovelocidade. As três classes desembarcar no Catar para o pontapé inicial da temporada 2019, e a Moto3 promete mais uma vez um ano agitado e bastante disputado.
 
Apesar de não contar com grandes novidades para o campeonato, ainda assim vai ter uma enorme mudança. A partir deste ano, a classe vai contar com um novo estilo de classificação, que segue o modelo usado pela MotoGP.
 
Para a tomada de tempos, os 14 pilotos com os melhores tempos combinados dos três treinos livres vão avançar direto para a fase final, o Q2. Enquanto isso, o restante do pelotão vai disputar o Q1 para tentar conseguir as quatro últimas vagas. Depois, os 18 nomes vão brigar pela pole-position.
Can Öncü (Foto: Red Bull KTM Ajo)
O objetivo da mudança foi, segundo a organização, para já treinar os pilotos para a MotoGP, tornando o salto menos brusco quando atingirem a classe rainha. Entretanto, há também o motivo de que a classificação da Moto3 ser um tanto arriscada, pois os pilotos sempre esperavam o adversário ir na frente para pegar o vácuo.

Mas certamente o que vai chamar a atenção na Moto3 é o retorno de Romano Fenati. Depois da suspensão e da chuva de críticas que recebeu por ter apertado o freio de Stefano Manzi em Misano, o italiano agora recebe uma terceira chance no Mundial pela Snipers. E se seguir a forma que apresentou durante a pré-temporada, voltou para incomodar.
 
E o piloto não é a única grande notícia do grid. Na temporada 2019, o grid vai ter a estreia da Max Racing, equipe comandada por ninguém menos que Max Biaggi. O tetracampeão se aliou a Peter Oettl e vai ter Arón Canet como titular.
 
Como muitos dos protagonistas de 2018 acabaram recebendo a promoção de subida para a Moto2, a classe menor agora vem cheia de estreantes, como Ai Ogura, Riccardo Rossi, Filip Salac e Sergio Garcia – que já sofreu o primeiro revés e não vai poder disputar a primeira etapa por conta de sua pouca idade. 
Gabriel Rodrigo (Foto: Divulgação/MotoGP)
❀ Tatiana Calderón – pilota de testes da Alfa Romeo e primeira mulher a correr na F2
❀ Bruna Tomaselli - do kart em Santa Catarina à seleção na W Series e no Road to Indy

A Moto3 também vai ter a estreia em tempo integral de Can Öncü, que disputou a última etapa do campeonato passado e já chegou como um meteoro, vencendo com a KTM. Para este ano, vai ter que se adaptar – durante a pré-temporada mostrou desempenho discreto.

Mas dos antigos nomes já conhecidos da classe menor do Mundial, vale a pena acompanhar Dennis Foggia e Celestino Vietti, ambos pilotos da VR46, além de Gabriel Rodrigo, Lorenzo Dalla Porta e Tony Arbolino, todos andando bem durante a pré-temporada e mostrando que, se seguirem assim, são favoritos na briga pelo título.
 
Apesar de pouco poder se concluir das atividades antes da temporada começar, uma coisa já é sabida: a Moto3 sempre entrega campeonatos disputados e bastante divertidos de se assistir. E com os elementos elencados acima, tudo se desenha para mais um bom ano.