Novos talentos e velhos conhecidos: MotoGP une experiência e frescor no grid de 2021

Com nomes como Valentino Rossi, Aleix Espargaró e Marc Márquez, a MotoGP tem uma importante dose de quilometragem acumulada. Mas a chegada de pilotos como Enea Bastianini e Jorge Martín traz também a novidade necessária para validar a estrutura de formação do Mundial

O grid de 2021 da MotoGP segue tomando forma. Ainda que em um ritmo mais lento do que o já visto anteriormente, a composição da próxima temporada foi se consolidando aos poucos e, mesmo que ainda restem três ― ou eventualmente quatro ― vagas em aberto, uma coisa é certa: a classe rainha vai combinar experiência e juventude no próximo ano.

Por enquanto, apenas Aprilia, LCR e Avintia têm vagas em aberto. No caso da casa de Noale, a decisão segue pendente pelo menos até o próximo dia 15, quando Andrea Iannone será julgado pelo Tribunal Arbitral do Esporte no caso da condenação de suspensão por 18 meses por doping. Se for liberado ou tiver a pena imposta pela FIM (Federação Internacional de Motociclismo) reduzida o bastante, o italiano deve ser confirmado ao lado de Aleix Espargaró. Mas, caso a Agência Mundial Antidoping leve a melhor no julgamento em Lausanne, na Suíça, o time comandado por Massimo Rivola vai partir para o plano B, que pode ser a contratação de Cal Crutchlow ou até mesmo de Andrea Dovizioso ― embora o italiano já tenha declarado que não se interessa por uma vaga onde não possa ser competitivo.

Jorge Martín é uma das novidades no grid da MotoGP em 2021 (Foto: Ajo)

LEIA TAMBÉM
Peter Pan, Rossi ainda tem espaço na MotoGP. Mesmo aos 41 anos
Viñales mostra velocidade e talento de Top Gun, mas decepciona com irregularidade
Dovizioso desperdiça chance de ouro e nem experiência parece ajudar na busca do título
27 anos após Schwantz x Rainey, Suzuki e Yamaha reeditam rivalidade na MotoGP

No caso da escuderia de Lucio Cecchinello, Takaaki Nakagami ainda não teve o contrato renovado para formar par com Álex Márquez ― rebaixado para dar lugar a Pol Espargaró antes mesmo do início da temporada ―, mas não existem grandes motivos para que isso não aconteça. Mesmo correndo com uma RC213V do ano passado, o japonês de Chiba tem sido o melhor entre os pilotos Honda na ausência de Marc Márquez e mostrou bastante evolução em comparação com a performance do ano passado.

O caso da Avintia é ligeiramente mais complicado. Com Johann Zarco de mudança para a Pramac ― ocupando o lugar que hoje é de Francesco Bagnaia ―, onde vai formar dupla com o estreante Jorge Martín, abre uma vaga, que deve ser preenchida por Enea Bastianini. Hoje vice-líder da Moto2, o italiano já confirmou o acordo com a Ducati, mas na época, disse que ainda não sabia apontar a equipe. Como a casa de Bolonha já confirmou a composição do time de fábrica e da Pramac, resta apenas essa opção.

O impasse, porém, está do outro lado da garagem. Tito Rabat tem contrato para 2021, mas o lugar do espanhol é atrativo para Luca Marini, líder da Moto2 e irmão de Valentino Rossi. O lugar do campeão de 2014 da classe intermediária tem sido defendido pela Avintia, que depende do patrocínio levado pelo piloto de Barcelona, mas a falta de competitividade incomoda também a Tito, daí a indefinição.

Com três ou quatro vagas em aberto, já é certo que o grid do próximo ano vai equilibrar experiência e juventude. Com mais de 20 temporadas na MotoGP no currículo, Valentino Rossi vai defender a SRT Yamaha no próximo ano e lidera o grupo de pilotos com mais quilometragem, mas vai ter a companhia de nomes como Aleix e Pol Espargaró, Marc Márquez, Danilo Petrucci e Maverick Viñales ― ainda que todos esses com menos experiência que o italiano mundialmente conhecido pelo #46.

MotoGP 2020 Catalunha Barcelona Domingo Yamaha Valentino Rossi
Valentino Rossi vai iniciar o próximo campeonato com 42 anos (Foto: Divulgação/MotoGP)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

No entanto, a juventude ganhará um pouco mais de corpo, com Martín e Bastianini se juntando a um grupo que hoje conta com Bagnaia, Brad Binder, Iker Lecuona, Álex Márquez, Joan Mir, Álex Rins, Fabio Quartararo, Franco Morbidelli e Miguel Oliveira.

Com uma boa estrutura de formação, com Moto3 e Moto2 cumprindo muito bem o papel de preparar pilotos para a fase seguinte, a MotoGP tem sempre uma boa fonte de jovens talentos, que chegam mais e mais rápido. Aos poucos, os novatos vão ganhando terreno e mudando também a cara do esporte.

Até aqui, 2020 foi o ano dos jovens, com Quartararo, Binder, Oliveira e Morbidelli conquistando as primeiras vitórias. Não deve tardar para que Mir também se coloque no rol dos vencedores. Resta saber se a experiência vai fazer frente ao frescor da juventude na MotoGP 2021.

O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades do GP da França, décima etapa do Mundial de Motovelocidade 2020.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube